A Filha do Tempo e os Elementos Primordiais

Foi uma quarta-feira, lembro-me bem disso. Afinal, quem não gravaria na memória o dia em que sua versão de uma realidade alternativa aparece na sua casa buscando abrigo?

Eu olhei para eu mesmo com quinze anos, vestindo uma armadura de couro sobre uma camiseta preta com os dizeres "CTPE - Treinando os salvadores de amanhã", e a julgar pela espada que ele carregava, não deveria ser uma iniciativa dos bombeiros.

A história que narrarei aconteceu em outra Terra, mas segundo meu "eu mais jovem", poderia chegar aqui, em nosso mundo, caso ele e seus amigos não conseguissem derrotar o exército de anti-deuses conhecidos como azuras, ou algo assim, que queriam trazer de volta do exílio o Lorde do Caos, Isfet, e seu filho N'Guói (ou lagosta, não sei bem qual era o certo).

Alternando as versões dele (eu mesmo de outra realidade), a da Pri e a da Deb (também da outra versão da Terra, que aqui são minha família), você conhecerá o incrível mundo (ou dimensão, não saquei bem ainda) de Etherion, e toda a gama de complicações que ele trouxe àquela Terra, que podemos definir em uma única palavra: deuses.

Bem vindo às Crônicas de Etherion.

# Uma nova visão da Mitologia Grega

# Os deuses sob uma nova perspectiva

# 2º lugar na categoria "Fantasia" da 2ª Edição do "Projeto Leitura Voraz 2017" do Wattpad - https://my.w.tt/QIE3gAjLML

Nos acompanhe no facebook: https://www.facebook.com/cronicasdeetherion/

0Likes
0Comentários
2055Views
AA

18. Semideuses e Monstros

Rod

Durante as últimas semanas eu imaginei várias reações da Pri e da Deb, caso elas descobrissem minha vida dupla. Fiquei com medo delas acharem que eu era louco; de se afastarem de mim; e, pior ainda, fiquei com medo de uma das duas ser a garota que eu devia encontrar e proteger, pois isso implicaria em problemas para elas.

A única coisa que eu não esperava era a Pri querendo ser irmã do Percy Jackson. Sim, aquele mesmo, filho de Poseidon. Bom, acho melhor explicar desde o começo.

Infelizmente, a Deb é garota que me mandaram encontrar. Eu consegui resgatar Pri e a Deb das garras de uma sereia, um dos seres mais perigosos de que tinha conhecimento. Só obtive sucesso pelo fator surpresa. Mas sereias são exímias rastreadoras, e se aquela queria capturar ou matar a Deb, seria muito difícil protegê-la. E agora, eu tinha pela frente a difícil missão de explicar isso para a Pri.

Pensei em ser direto com ela:

Pri fique tranqüila! Sua irmã está sendo caçada por uma assassina rastreadora conhecida por nunca perder o rastro da sua preza. Ela é imortal, tem poderes mágicos sobre o elemento água e é praticamente invencível. Mas não esquenta, tudo vai dar certo!

Mas tenho quase certeza de que essa abordagem não seria a melhor.

Estávamos sentados em bancos de plástico, em frente à rede onde deitamos Deb, nos fundos de casa. Meu pai passaria a noite no hospital e meu irmão dormiria na casa do meu tio Angelim, então, estávamos seguros.

A Pri estava quieta olhando para a irmã. Eu sabia que tinha que conversar com ela, mas não conseguia abordar o assunto. Ela estava sem a shakti, mas ainda segurava o livro preto com bordas douradas.

No fim das contas, foi ela mesma quem puxou papo.

- Então, Rod... Minha irmã me contou umas coisas, antes de... Bem - ela apontou para a Deb, deitada -, antes de isso tudo acontecer. Creio que você está por dentro de tudo, já que apareceu na hora em que seríamos destruídas por uma cosplay da Ariel.

Confesso que demorei um pouco para entender.

- Cosplay da Ariel?

- É, a sereia que nos atacou, a maga elementar da água.

Comecei a rir. Típico daquelas duas, mesmo enfrentando um perigo mortal, acham um jeito de fazer piada. Porém, uma coisa que a Pri disse me chamou a atenção.

- Pri, você disse que a sereia era uma maga elementar da água. Quem te ensinou isso.

- Ah, isso – ela disse, fazendo um gesto de pouco importa. – Acho que sempre soube né? Afinal, as sereias são magas elementares por natureza, faz parte delas. E aquela era uma maga elementar da água, as que são em maior número. As magas elementares da terra normalmente estão presentes no deserto, e são mais conhecidas como sereias de areia. E as magas elementares do vento e do fogo são uma raridade. Essas nem possuem clãs, pois... Como é que eu sei disso?

Eu nunca tinha visto uma mortal com conhecimento tão específico sobre sereias.

- Eu também gostaria de saber como você sabe tudo isso.

- Eu... Ah, Rod, sei lá! Você que tem que saber, já que é o senhor Tocha Humana aqui.

Ela estava bem confusa, e quando ficava assim ou brava com alguma coisa, tinha o costume de dar respostas ríspidas. Era melhor mudar de assunto.

- Tudo bem Pri, relaxa. Vamos descobrir isso juntos, depois.

Ela pareceu relaxar instantaneamente. Respirou fundo algumas vezes e depois me encarou.

- Ok, ok... Tá certo. Vamos focar no que realmente importa.

- Concordo – disse ansioso para acabar com aquele clima esquisito.

- Muito bem. Explique-me por que uma sereia estava nos atacando e chamando minha irmã de Filha do Tempo. Porque nos transformamos em guerreiras Sailoor Moon e porque eu tinha um livro esquisito na mão quando a armadura surgiu. E porque, agora que a armadura se foi, o livro continua na minha mão.

Agora eu que estava confuso.

- Filha do Tempo? A sereia chamou a Deb disso?

- Sim – afirmou minha amiga.

Fiquei um tempo em silêncio. Explicar o que era uma Filha do Tempo exigiria entrar fundo em um papo que eu não estava a fim de comentar. Mas agora eu entendia todo esse interesse deles na Deb. Mas não podia ser isso. Deus, não... Por favor, que não fosse isso. Eu mal conseguia imaginar que a Deb fosse realmente uma Filha do Tempo, muito menos explicar isso para a irmã dela. E pior, tinha um grande risco da Pri ser uma também.

Como dizia um sábio (não, não sei que sábio, algum sábio por aí): o maior problema é aquele que enfrentamos no presente. Meu problema atual era que a Pri era obstinada, e se eu tentasse mudar de assunto, ela bateria em minha cabeça com o banquinho de plástico. Eu prefiro quando os bancos são usados para sentar, e não como enfeite para minha cabeça. E ela já tinha visto a sereia (além então, não dava para inventar algo que fosse diferente de "não esquenta, a sereia mentiu, na verdade ela nem existia, foi tudo fruto da sua imaginação". Sendo assim, não tinha alternativa a não ser contar para ela sobre minha vida dupla.
 

- Certo – eu disse, tentando organizar meus pensamentos. – Vamos lá. Vou falar para você sobre Etherion.
 

Quando eu falei sobre Etherion, ela franziu as sobrancelhas.
 

- Etherion?
 

- Isso. Nosso planeta é dividido em duas dimensões. O porquê disso deixarei para explicar em outro momento, tudo bem?
 

- Tudo bem. Mas o que é Etherion?
 

- Calma, já estou chegando lá.
 

- Até agora você só disse uma frase.
 

Respirei fundo. Eu teria dito muito mais se ela não tivesse me interrompido, mas era melhor pular essa parte.
 

- Recomeçando... Etherion é uma dimensão paralela à nossa. Sabe todo esse lance de deuses, semideuses, anjos, demônios, elfos, anões e todas aquelas raças místicas que aparecem em filmes, séries, animes, livros e hq's? Então, eles são reais.
 

Ela arregalou os olhos – reação normal para quase todos que descobrem que a fantasia é mais real do que imaginavam.
 

- Cara, que da hora.
 

Certo, essa frase não é a mais usada por quem descobre que deuses são reais, mas sempre existiam aqueles mais empolgados, não é?
 

- Bem – ela disse depois de um momento -, isso explica a sereia né? Ela é de Etherion. Agora fica mais fácil assimilar as coisas.
 

Foi minha vez de franzir as sobrancelhas.
 

- Você está aceitando isso tudo muito bem.
 

Ela deu de ombros.
 

- Minha mãe costuma dizer que o que não tem solução, solucionado está.
 

- Sua mãe está certa.
 

- Ochê, lógico que está. De quem você acha que eu herdei toda a minha sabedoria, benhê?
 

Eu tive que rir. Se existia algo que não faltava para a família Machado era auto-estima.
 

- Certo figura. Então, vocês foram atacadas por que, provavelmente, a Deb é uma semideusa.
 

Quando você diz para uma pessoa que ela é uma semideusa, esperamos três reações: ceticismo, choque e raiva. A última é a mais comum, pois a pessoa descobre que seu pai ou sua mãe teve um relacionamento amoroso com uma pessoa que não era o cônjuge dela.
 

Como a Pri era irmã da Deb, eu esperava as mesmas reações. Porém, ela ficou confusa.
 

- O que foi Pri?
 

- Semideuses são como nas histórias do Percy Jackson, com poderes e tal?
 

- Sim – disse exitante. – Basicamente não há muita diferença, a não ser que nossos poderes são divididos em, digamos... Categorias. Isso, categorias, que chamamos de legados.
 

- Tipo categorias de blogs de moda?
 

- Foi a comparação mais estranha que eu já ouvi sobre legados, mas podemos dizer que sim, tipo categorias de blogs de moda.
 

Já disse que essa estava sendo uma das conversas mais estranhas da minha vida?
 

- E quais são as categorias?
 

- Legados.
 

- Você disse que era igual.
 

- Disse que era tipo igual.
 

- Então para de enrolar.
 

- Deus é Pai... Certo. Já disse que existe uma dimensão paralela à nossa onde vivem as raças de seres que nós, humanos, chamamos de místicios, ou fantásticos. Praticamente tudo que compreendemos como fantasia existe de fato em Etherion. Estes seres conseguem se locomover entre nossas dimensões, e por vezes, se relacionam com seres humanos. Quando esses relacionamentos resultam em filhos, nascem aqueles que são chamados híbridos.
 

- Minha irmã é uma híbrida?
 

- Sim. Qualquer filho de um etheriano com um humano é um híbrido. Quase sempre esse híbrido possui características físicas de seu pai etheriano.
 

- Como assim?
 

- Se um elfo se relacionar com um humano, provavelmente o semielfo terá as orelhas levemente pontudas, pois essa é uma característica marcante da raça élfica, é algo que a difere das outras raças de Etherion, além do porte majestoso e uma forte ligação com a natureza, podendo usar magia de uma maneira própria deles, difícil de ser copiada.
 

Ela ergueu a mão pedindo como se estivesse na escola.
 

- Monstros também?
 

- Não classificamos as raças como "são monstros" e "não são monstros", mas pode-se dizer que sim, os chamados monstros, como vampiros, lobisomens, gigantes, minotauros e trolls podem gerar híbridos.
 

- E semideuses lutam contra esses monstros?
 

- Quando é necessário. Apenas para defender nossas vidas, a vida de algum humano em perigo ou se algo ameaçar nosso centro de treinamento.
 

Ela ficou repetindo centro de treinamento por um tempo.
 

- Semideuses e monstros lutam entre si, então.

- Quando a situação atinge um limite sem volta sim, nós lutamos.

- Semideuses e monstros não é titulo de um livro?

Olhei para ela sem acreditar.

- Sério que você quer falar sobre Rick Riordan agora?

- Não, não. Deixa pra lá – ela disse sem graça. - E como sabemos que a Deb é uma semideusa e não uma semielfa? - Disse ela, olhando para as orelhas da irmã.

- Você sabe mesmo mudar de assunto bem rápido hein? - Disse rindo para ela.

A Pri deu de ombros e fez um gesto com a mão para eu continuar.

- Quase sempre podemos deduzir isso vendo que não existem diferenças na Deb, nada que a diferencie de um humano normal. A raça divina não é muito diferente da raça humana, por isso não há diferença na aparência física dos semideuses, que é o caso da sua irmã.

Ela me olhou pensativa.

- Esse é meu caso também, não é?

- Sim - eu disse sem rodeios. - Você também é uma semideusa.

Ela pensou por uns instantes.

- E como é seu caso também né?

- Como?

- Ora essa. Você também é um semideus, já que consegue viajar rápido de um lugar para o outro e lançar fogo da mão.

- Ponto para você – disse sorrindo. - Sim, eu sou um semideus. E quando um semideus aceita seu legado e treina para desenvolver seus poderes, é chamado de guerreiro deus.

- Agora me confundi toda.

Respirei fundo. Essa era sempre a parte difícil.

- Um deus não é um ser criador do mar, ou dos cangurus. As histórias mitológicas estão certas sobre existirem seres incrivelmente poderosos, mas eles não são onipotentes ou oniscientes. São uma raça de seres de Etherion que tem o nome de deuses. Existem outras raças poderosas por lá.

"Por exemplo os elfos, que são um povo particularmente parecido com os humanos, já que há elfos de vários tipos. Existem também os celestiais, que chamamos de Guardiões, ou anjos. Existem asuras, que são seres que odeiam os deuses, assim como os titãs, os demônios e etc."

- Nossa Rod, Etherion deve ser enorme.

- Deve mesmo - respondi.

- Você já foi lá?

- Não, nunca fui a Etherion. Nenhum semideus vai, e quase nunca um etheriano vem para cá. Raramente vemos um deus ou outro ser de grande poder aqui, já que as fendas que existem entre os mundos são pequenas e instáveis demais para um ser muito poderoso passar.

Ela pensou por um momento.

- Mas se os deuses não conseguem passar para a Terra com frequencia, como existem semideuses?

- Essa é uma boa pergunta - respondi.

A verdade era que ninguém sabia, e quando questionei as pessoas que me treinaram sobre isso recebi respostas vagas que indicavam que elas também não sabiam.

Ficamos em silêncio por um tempo, até que ela voltou a falar - algo que ela gostava muito de fazer.

- E o lance da sereia chamar a Deb de Filha do Tempo? O pai dela é o deus do tempo?

Suspirando, resolvi contar a ela meus receios. Não adiantava nada esconder alguma coisa nessa altura do campeonato.

- Os deuses do tempo são um povo extinto em Etherion. Foram destruídos por uma guerra civil que destruiu o reino deles, Isikhathi, a mais ou menos mil anos. Não se tem registro de que algum deus do tempo tenha sobrevivido à catástrofe, e nunca antes houve uma semideusa com poderes sobre o tempo.

Ela ficou um tempo sem falar nada, com certeza pensando no que eu havia dito. Quando a Pri entendeu as implicações do fato da irmã dela ser filha de um deus do tempo, ela colocou a mão sobre a boca e arregalou os olhos.

- Meu Deus... Se ela é uma semideusa do tempo, Filha do Tempo, como a sereia a chamou...

- Isso mesmo. Se sua irmã é filha de um deus do tempo, toda Etherion se mobilizará para encontrá-la. Significa deuses e monstros, como você os chamou, e todo tipo de criatura vindo para a Terra, destruindo tudo que estiver entre eles e sua irmã.

- Isso... Isso quer dizer...

Triste, desolado e sem saber o que fazer para proteger duas das pessoas que me eram mais queridas nessa vida, me forcei a colocar para fora o que estava pesando em mim desde que as palavras Filha do Tempo foram ditas pela primeira vez.

- Se sua irmã está viva, os deuses do tempo não estão mortos. Estão aqui, na nossa dimensão. E aposto que todos os seres de Etherion usariam sua irmã como isca para encontrá-los e tentar dominá-los.

- E o que faremos agora?

- Ainda não sei Pri – confessei. – Mas custe o que custar, protegerei vocês. Juro pelo Rio Stix.

 

Agora as coisas estão ficando boas... As explicações de Rod foram interessantes para vocês? O que acharam?

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...