Eu apanho de homem!

  • af
  • Aldersgrænse:
  • Publiceret: 4 jan. 2019
  • Opdateret: 22 feb. 2019
  • Status: Igang
Marli é uma garota de apenas 20 anos. Apesar de ser jovem, necessita trabalhar muito para poder ajudar sua mãe nas despesas de casa. A vida parece sorrir pra ela quando enfim consegue se casar com um homem rico e poderoso, junto os dois constroem uma família e tem uma vida que todas as meninas de sua idade sonham em ter. Mas esse conto de fadas se transforma em um filme de terror após levar um tapa no rosto de seu marido, o primeiro tapa para o inicio de uma longa relação de violência doméstica, onde Marli é maltratada por seu ex-príncipe encantado.

0Likes
0Kommentarer
183Visninger
AA

1. Por acaso

A chuva estava forte, não tinha lembrado que morava em uma cidade com clima maluco, uma hora sol, outra hora chuva, e esqueci o meu guarda-chuva em casa. Já estava ensopada até que um carro preto parou do meu lado e abriu a porta, de principio, achei que fosse um sequestrador, mas ao ver o tipo do homem que estava ao volante, descartei o risco.

- Moça, você vai pra onde?

- Estou tentando ir para minha casa. - respondi, enxugando o rosto com a mão. (ato de pessoas idiotas, é claro).

- Entra. Eu te levo. - oferecei carona, o lindo homem.

- Não, obrigado.

- Vai querer pegar essa gripe? Olha lá hein, como vai trabalhar depois?

Pensei por alguns instantes, olhei para o meu estado e então aceitei. Educadamente, o homem vestido de um terno preto e uma gravata vermelha, abriu a porta do carro e me deu alguns lenços umedecidos para limpar o rosto.

Enquanto não chegávamos em casa, o homem puxava assunto comigo. O nome dele era Perl, tinha mais de 30 anos, rosto jovem com uma barba bem feita. Sua voz era grossa e suave, seu corpo musculoso, além da beleza era simpático e sabia conversar.

- Até breve? - perguntou ao me deixar em casa.

- Até.

- Deixa eu marcar meu número em seu celular.

Olhei para ele, segurando o guarda-chuva que ele me deu e então fiquei vermelha. O modelo do meu celular era antigo, então passei vergonha após entregá-lo para ele.

Entrei em casa encantada, minha mãe me perguntou o motivo e então contei. Eramos muito amigas, sempre conversávamos sobre diversos assuntos. Claro que como toda mãe, ela ficou preocupada por eu ter conhecido um homem, mas por outro lado, ficou feliz por eu estar se distraindo e não pensando só no trabalho.

Logo de manhã, recebi flores do homem com um convite para sair. Convite reforçado logo após o fim de meu expediente através de mensagens. É claro que aceitei, e então se encontramos em um bar, conversamos, dançamos, resumindo se divertimos muito, até que ao chegar no portão de casa, ele me surpreendeu com um beijo. Era meu primeiro beijo, sempre fui uma garota tímida e nunca nem havia beijado, por isso aquele momento se tornou especial para mim.

- Namora comigo?

O beijo ficou minúsculo com essa pergunta, a surpresa maior me deixou intacta e vermelha. Como namoraria ele se tinha conhecido só há um dia?

- Estou apaixonado por você.

Não consegui dizer nada, apenas se aproximei dele e aceitei mais um beijo, dessa vez um mais longo e mais ardente. Seus lábios macios tocando os meus, me deixou fervendo, tanto que o abracei e fiquei o olhando por alguns segundos. Não sei se aceitaria seu pedido, a insegurança não deixava, mas seu beijo me trouxe um pingo de confiança que encheu meu mar de esperança.

Vær en del af Movellas nuFind ud a, hvad det er alle snakker om. Tilmeld dig nu og del din kreativitet og det, du brænder for
Loading ...