Perfeição

Emy é uma garota de 14 anos que luta pra seguir um grande sonho, mas seus pais não apoiam e dificultam que chegue até onde deseja. Criada no berço de ouro, é tratada como uma princesa e controlada semelhante uma marionete, como todos os jovens, ela também quer sair e tomar atitudes sem que alguém tome por si.
Pra piorar, seu coração bate mais forte por um garoto mais velho que a deixará louca de paixão, só provocando a ira de seus pais. Uma guerra familiar envolvendo diversos problemas, fará de Emy a grande vitima ou talvez a única sobrevivente.

2Likes
0Comentários
816Views
AA

5. Tristeza

- Mas quem lhe contou?

- Meu pai, ele disse que minha perna será amputada e não vou poder mais andar e nem dançar ballet. Expliquei chorando.

- Como ele pode ser tão frio? Vou falar com ele, não posso permitir que vá embora sem pedir desculpas.

- Não, por favor. Fica aqui comigo, estou precisando de alguém.

Percebendo que estava falando sério, o rapaz resolveu ficar. Sua expressão demonstrava que ainda tinha algo pra contar e lógico que o pressionei.

- O que estiver escondendo de mim, fale agora por favor.

Ele me olhou e abaixou a cabeça, depois de alguns segundos de silêncio, voltou o olhar para mim e resolveu falar.

- Sua perna.

- Fala.

- Você não tem mais ela.

- Como assim?

- Os médicos já amputaram.

- Não! Você está brincando, me ajude a levantar o lençol.

Mesmo não querendo, ele ajudou, mostrando o que meus olhos não queriam acreditar. A minha perna esquerda não existia mais, tocava em algo que não conseguia crer, e não havendo nada a fazer, chorei, mas chorei muito, soluçando sem parar. Preocupado comigo, o rapaz que conhecia apenas por pianista, me abraçou tentando me acalmar, e ao meu lado ficou até chegar o dia de sair do hospital, talvez meu pior dia pois preferia partir em um caixão.

E apesar de contestar muito, me levaram até o táxi, através de uma cadeira de rodas o que me fez ficar bem envergonhada. Enquanto passava no corredor do hospital, as pessoas me olhavam com uma expressão de piedade, e isso só me desanimava.

- Por favor Tiago, me tira daqui logo!

- Está bem Emy.

Depois de todo o constrangimento, chegamos a casa do rapaz que parecia ser bem humilde, só existindo dois cômodos. 

- Sei que minha casa é humilde mas podemos morar juntos até conseguir um pouco mais de dinheiro.

Não disse nada, apenas observei o local que me dava agonia. Estava acostumada com luxos que meus pais sempre me deram, então seria complicado pra me acostumar com a situação que Tiago me oferecia.

- Você quer deitar?

Fiquei quieta, apenas mexendo no celular.

- Acho que não está querendo conversar né? Vou preparar alguma coisa pra comermos, já volto.

Quando Tiago me deixou sozinha, comecei a chorar novamente, tinha medo de se mover e as dificuldades já estavam começando a aparecer, não conseguia me conformar, sempre fui tão feliz, sorridente e cheia de saúde. E agora me encontro imóvel, prestes a ficar presa em uma cadeira de rodas, presenciando a vida passar sem poder realizar meus sonhos.

 

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...