The Good Girl

Scarlett Westbrook tinha 20 anos quando foi humilhada publicamente.
Aos 23 anos presenciou a celebração de noivado do seu amor da adolescência.
Aos 24 anos estava numa delegacia prestando depoimento sobre um assassinato.

Graças a uma única pessoa, esses momentos marcaram sua vida: Barbara Faye.

A família Faye amparou a família Westbrook quando esta passava pela pior fase de sua história. Devido a isto Scarlett e Barbara conviveram como melhores amigas, confidentes, irmãs...

Dividiam praticamente tudo, exceto suas personalidades. Nisso elas eram absolutamente opostas. Barbara ignorava todas as regras, Scarlett as seguia metodicamente

Scarlett nunca pensou que as coisas acabariam daquele jeito para Barbara.
Nunca pensou que estaria no velório da amiga.
Muito menos que a boa moça viria a ser, além uma das peças mais importantes da investigação, também a sua principal suspeita.


Conteúdo +18: Pode conter tortura, mutilação, suicídio, violência gratuita/banalização da violência, pena

1Likes
1Comentários
3165Views
AA

3. »second«

Dias Atuais

Delegacia Distrital de Marblecoast

Marblecoast

10 a.m.

 

 

—Scarlet Kae Westbrook, 24 anos, estudante do último ano de Medicina. Nascida em Dezembro de 1993, na cidade de Wildepond. 1,71 metro, 60 quilos. Confere?

 

—56.- o guarda entediado e entediante sentado à minha frente levantou a cabeça para me olhar pela primeira vez naquele dia.—56 quilos. Me pesei hoje cedo.

 

Ele continuou olhando para mim apenas piscando monotonamente e assentiu com a cabeça concertando –ou pelo menos fingindo– a informação na ficha.

 

—Certo. Bebe?- sua careca lustrosa quase sorria para mim enquanto ele olhava para o papel.

 

—Socialmente.-respondi tão secamente quanto ele fazia as perguntas.

 

—Fuma?- lembrei do maço vazio que deixei em cima da mesa hoje mais cedo.

 

—Às vezes, não virei dependente. Ainda.- o guarda, que ao ajeitar o corpo deixou à mostra seu crachá onde se lia Sarot, olhou para mim com cara de poucos amigos, mas eu dei de ombros.

 

—Você não vai ser um bom exemplo para os seus pacientes. Quer dizer, se você tiver paciente algum dia.- Sarot riu mostrando seus dentes encardidos. Estalei a língua, mas continuei calada. —Está em algum relacionamento?

 

Lembrei das mãos fortes e masculinas apertando contra a minha vontade todas as partes do meu corpo enquanto gemia meu nome, duas semanas atrás.

 

O que eu poderia fazer? Estava tão bêbada que não sabia nem qual era o meu próprio nome.

 

—Não que eu saiba.-ele apertou a caneta com mais força impaciente.

 

—Só voltar a sentar na sua cadeira anterior e o delegado Barre irá ouvi-la em alguns instantes, gracinha.

 

Fingi uma cara de quem ia vomitar, mas voltei ao meu lugar.

 

Meu lugar. Acho que eu já poderia chamar aquele banco desconfortável e enferrujado da sala de espera assim. Eu havia reivindicado sua posse desde às 7 da manhã.

 

—Como foi? Sei que esse não é o delegado, mas a cara dele era de poucos amigos para você.- Persie estava sentada ao meu lado como uma lady de pernas cruzadas.

 

Impecável, às 10 da manhã. Completamente o meu oposto ultimamente.

 

—Ah, ele só queria completar uma ficha que desse uma prévia da desgraça que o delegado ia encontrar pela frente. Só mais um subordinado querendo ser promovido e quase querendo saber se eu estava usando calcinha ou não.-Persie riu pondo a mão na boca. —Cuidado quando for sua vez. Ele é pior do que um ginecologista.

 

—Você é terrível.- ela disse se soltando um pouco, mas, de repente, ajeitou sua postura ficando ereta como um rainha em seu trono.

 

O calor que começou a emanar do meu lado mais minha irmã agindo estranho só poderia significar que Henry havia sentado junto a mim.

 

—E aí quer sanar minha curiosidade de uma vez e contar se está usando calcinha ou não?- ele disse passando o braço pelo meu ombro.

 

—Idiota.- eu o empurrei de leve e ele sorriu. Persie se ajeitou desconfortável em seu banco. Minha deixa para tirar o braço de Henry dos meus ombros.

 

Faz quatro anos que eles estavam nessa. Persephone era apaixonada por Henry, mas não dava o braço a torcer. Não admitia nem para si mesma que gostava do garoto. Talvez por ele ser exatamente o oposto do cara com quem ela sonhava, ou melhor, planejava se casar.

 

Ele dava bola para ela, mas não era apaixonado. Duvido que ele se apaixonaria por alguém algum dia. Henry só alimentava o sentimento dela e eu tinha raiva do fato de ele possivelmente iludir minha irmã mais nova algum dia.

 

Percebi vários olhares sobre nós e tentei entender o motivo.

 

Bastou olhar para a TV para descobrir.

 

A jornalista de cabelo cor de fogo era a única coisa que alegrava as minhas manhãs nos intervalos da faculdade.

 

Ela era sorridente e tinha um humor que só não era negro pois não era permitido em sua profissão.

 

Falava bem e tinha sentimentos ao dar as notícias. Bem, hoje não era diferente.

 

Sua expressão era triste e indignada, e então eu sabia o que estava por vim.

 

Foi encontrado o corpo de Barbara Faye, na verdade, apenas parte dele.

 

A foto dela apareceu na tela. Dona de um sorriso de quem acabou de aprontar. Estava agarrada ao pescoço de Christopher que estava noivo dela.

 

...Barbara sumiu por volta das três da manhã no Sábado passado, quando seus amigos e seu noivo deram falta da jovem...

 

...A estudante de medicina de 24 anos havia saído de casa acompanhada de sua melhor amiga, Scarlett Westbrook...

 

Agora uma foto minha e dela aparecia na tela. Foi no dia do meu aniversário de quinze anos.

 

A garota da tela não parecia nada comigo agora. Ela tinha os cabelos longos e bem tratados. Os olhos brilhavam e seus vestido os realçavam.

 

Diferentemente de agora, dos meus cabelos emaranhado e foscos, dos meus olhos opacos e cheio de olheiras e das minhas roupas escolhidas às pressas.

 

...Scarlett é como a filha de criação dos Faye. Ela e a irmã vivem sobre os cuidados e financiamentos deles após os negócios de sua família falirem...

 

...A senhorita Westbrook e sua irmã, provavelmente estão nesse momento prestando depoimento no que puderem ajudar para resolver esse caso absolutamente cruel...

 

Naquele  momento eu poderia sentir a desconfiança na voz da jornalista ruiva que eu tanto admirava.

 

Ela continuou falando sobre Barbara, sobre sua vida acadêmica, sobre a influência dos Faye e sobre Christopher.

 

Apenas voltei a prestar atenção quando voltaram a falar sobre o corpo.

 

Eu ainda não tinha tido notícias. Havia me isolado toda e completamente do caso.

 

...Nesta madrugada, parte do corpo de Barbara foi encontrado dentro de um saco de lixo a 500 metros do local da festa de onde ela desapareceu...

 

Senti meu café da manhã mal feito voltando pelo meu tubo digestivo, mas me contive.

 

...A perícia informou que eram apenas os membros inferiores da jovem que estavam ali... estavam cortados em pedaços separados e investigam que poderia ainda ter havido tortura envolvendo a mutilação dos dedos de um dos pés...

 

Não consegui segurar mais corri até a pia mais próxima, que não era a do banheiro, infelizmente, e não era longe o bastante para que a voz da maldita jornalista não me alcançasse.

 

...Os médicos tiveram dificuldades para analisar o DNA do sangue que pareciam estar misturado com outra substância ainda não identificada, porém encontraram um fio de cabelo da jovem e compararam com as amostras de sangue colhidas, confirmando assim que o corpo era mesmo de Barbara Faye...

 

Podia sentir o olhar de todos sobre mim, enquanto eu só faltava por os órgãos para fora.

 

—Shh, tá tudo bem. Eu tô aqui. Ponha tudo para fora, assim vai ser melhor.- a voz de Henry soava tão distante quanto no dia que nos "conhecemos".

 

Entretanto, seu toque era presente nas minhas costas e seus dedos seguravam

meu cabelo.

 

Olhei por debaixo do braço para a televisão onde a jornalista olhava diretamente para mim. Acusadora.

 

...Voltaremos com mais informações na próxima edição do nosso telejornal no período da tarde... Que Deus conforte a família da vítima e que a justiça seja feita.

 

Todos olhavam para mim.

 

—Vá ao banheiro. Esperaremos você aqui.-Henry acariciou meu pescoço quando eu finalmente consegui ficar reta.

 

Entrei no banheiro apertado e ainda tive forças para colocar o nada para fora. O gosto da bile na minha boca foi sumindo a cada gargarejo.

 

Cacei um chiclete de menta na minha bolsa.

 

Criei coragem para olhar no espelho. Eu estava tão terrível quanto imaginei.

 

Parecia que eu não dormia há décadas. Estava pálida, de aparência anêmica. Sem contar os quatro quilos perdidos em três dias.

 

Peguei um gloss labial e passei nos meus lábios ressecados.

 

Respirei fundo.

 

Os ossos da minha clavícula chegavam a ser gritantes até mesmo embaixo da minha blusa de manga.

 

Calma. Ele só vai te fazer umas perguntas para você ajudar Barbara a descansar em paz.

 

Você vai ajudar no que pode. Dizer o que sabe. Você não fez aquilo com a doce Barbs. Por que o medo?

 

Você não seria capaz de uma coisa daquelas nem com um estranho, imagine com Barbara que era praticamente sua irmã.

 

Você está aqui para ajudar.

 

Ajudar com o quê?

 

O pânico tomou conta do meu corpo. Eu não conseguia nem mesmo lembrar o que acontecera em certo ponto daquela festa.

 

O delegado iria me pôr no topo da lista de suspeitos.

 

Como assim eu não lembrava do que acontecera naquele Sábado? O único Sábado que eu precisava lembrar.

 

Batidas na porta.

 

—Lettie, tá tudo bem?- a voz de Henry era como um calmante.

 

Toquei a maçaneta e girei abrindo a porta.

 

—Tá tudo bem.- assenti com a cabeça.

 

Ele me lançou um sorriso solidário.

 

Uma figura alta e forte saiu de trás de Henry e me olhou de cima a baixo.

 

—Se a senhorita estiver se sentindo melhor, podemos começar o depoimento.- respirei fundo e Henry pôs a mão no meu ombro tentando me dar forças.

 

Endireitei meus ombros e o delegado apontou para o caminho que levava até a sua sala. Tive tempo de olhar para trás e ver Persie lançando um olhar encorajador para mim.

 

Uma pena que aquilo não me deu nem um terço da coragem que eu precisava para entrar naquela sala.

»«

(Notas Finais: Hey, o que estão achando da história até agora?

Deixem seus comentários e opiniões! É muito importante.

Não se esqueçam de votar/favoritar e indicar para os amigos..

Até mais

xx)

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...