Separados


0Likes
0Comentários
327Views
AA

6. Entre família

​Antes de todos acordarem, o café estava posto e a casa cheirosa. Quando Amanda desceu para preparar tudo, viu Sam tirando uma salada de frutas da geladeira. Ela e ele levaram um susto simultâneo.

​- Ah, desculpa por ter abusado de sua hospedagem e..

- Não se preocupe. Sinta-se em casa e obrigada pelo café da manhã.

Quando o marido de Amanda desceu, viu uma bela mesa farta de comida.

​- Meu anjo, parabéns mais uma vez. - Ele teve brilho nos olhos por ver que ela continuava a mesma depois de anos casados.

​- Foi ele – Ela apontou para Sam e deu uma risada de lado.

Ele olhou para Sam e sem graça, agradeceu pela atitude e pelo fato da mesa estar cheia e igual ao que a mulher faz toda manhã. Eles se alimentaram, se divertiram e finalizaram o lanche. Em 20 minutos todos estavam prontos para sair. Sam de volta à Lum e Amanda e seu marido, enterro de sua mãe. Ela perguntou se ele queria carona até a cidade de Lum, já que não era longe. Sam ficou sem graça de aceitar e por fim, depois dela insistir, aceitou. Ela só passaria no enterro da mãe e o levaria.

No caminho, eles conversam pouco e Amanda explicou que não tinha muito apego por sua mãe e que fazia um tempo que não a via. Disse que não nasceu em Tuc e que só foi morar lá quando já era adolescente. Explicou, também, que o choro pela notícia foi por ela não ter conseguido se aproximar mais e por ela ser sua mãe distante. Ela completou dizendo que nunca conheceu seu pai, que ele desapareceu quando ela era criança.

Ao chegarem no cemitério, viram poucas pessoas próximas a capela da mãe dela. Eram em quinze, no máximo e nenhum familiar.

​- Chegamos muito cedo, ou não é a capela certa, ou ela não era muito amada pelo povo. - Sam pensou olhando para os lados, tentando encontrar mais alguém, mas nada tendo calafrios pelo local. Eles chegaram próximo da porta da capela e ele viu o caixão de longe, com três pessoas ao lado. Quando ele foi entrar, ouviu alguém atrás dele o chamando.

​- Sam?! É você mesmo? - Uma mulher bonita e com o rosto familiar.

- Vocês se conhecem? - Amanda olhou para os dois com uma interrogação gigante na cabeça.

- Não. Ou, pelo menos, acho que não. Desculpa, mas não sei quem é você, apesar do seu rosto ser familiar. - Realmente a disputa da pessoa mais confusa está acirrada.

- Sam, ela é prima da minha mãe – diz Amanda tentando entender e esclarecer para ele.

- Caramba, quanto tempo! O que faz aqui? - Ainda meio confuso, ele reconheceu a prima de sua namorada na infância.

- O que eu faço aqui? Já percebeu onde você está? - De confusa a raivosa ela o responde.

Eles foram entrando na capela, que era grande, com a Amanda e sua prima distante na frente e Sam e o marido dela atrás. Ela se inclinou no caixão e o choro se intensificou. O marido dela foi em sua direção e a retirou de lá. Ao ver essa cena, dela chorando, algo lhe veio a cabeça. Uma memória daquele dia quando sua amada Samantha estava com raiva e triste pelo episódio de uma possível traição. Foi quando Sam olhou para o caixão e lentamente foi se aproximando dele, com o seu coração pulsando cada vez mais forte, até que “ficou sem chão” e viu uma mulher bonita e com um vestido vermelho sangue. Era Samantha, que tinha sido morta envenenada. Uma tristeza imensa tomou conta de Sam, cortando seu coração como uma adaga fina e afiada, e que não pôde conter as lágrimas. A Amanda viu e foi ao encontro dele, o abraçou e a única coisa que ele disse foi:

- Peço duas coisas: Que me desculpe e que me permita explicar depois.

​- Te perdoar por chorar e explicar o que? - Agora a confusa era ela.

​- Seu pai não desapareceu porque quis. Na verdade, ele nunca saiu de Tuc até o dia que o pai dele emancipou uma cidade chamada Lum. Seu pai nunca soube de sua existência, e quando soube, o nome mencionado foi Allan. Perdi o contato com sua mãe e só a vi quando ela foi na cidade, na virada de ano, com a intenção de me matar. Ela estava bêbada e chorando, dizendo que a maldição já podia acabar. Ela pegou algo que parecia pólvora e estourou próximo ao meu abdômen, perfurando minha barriga e me apagando.

Ao ver que já estava falando demais, Sam se calou e o que se ouvia até o fim da manhã era o choro de Amanda, com raiva, tristeza. Na verdade, era uma mistura de sentimentos que ela não podia explicar. Depois de toda a cerimônia fúnebre, voltaram para a casa dela, pois uma nova história havia começado e precisavam esclarecer tudo. Os médicos que o levaram até Tuc, voltaram cedo para a cidade, mas sem Sam. Ele ficaria mais um tempo, sem data marcada para o retorno.

Passados três dias, o sr. ele voltou à cidade que tanto ama bem cedo. Ele viu uma chuva de gotas coloridas sobre a cidade, atingindo tudo e todos, fazendo cada centímetro voltar a ter suas cores originais. Os moradores falaram para ele que já era o terceiro dia que chovia assim, sem parar. Depois de uma longa conversa entre Sam e o nosso prefeito atual John, foi marcado a festa do retorno dele, no final daquela semana. Todos souberam rápido da comemoração e começaram a organizarem tudo, cada um com sua especialidade de comida e enfeites. A cidade ainda era pequena, comparada com Tuc e outras ao redor.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...