Uma Pedra No Passado


0Likes
0Comentários
64Views

1. Uma Pedra No Passado

 

Eric do Vale

 

 

“Andei pisando pelas ruas do passado

Criando calo no meu pé caminhador”

(Cabelo No Pente: Alceu Valença& Vicente Barreto)

 

Eu me identifiquei, mas ela não se lembrava de mim e quis saber de onde eu a conhecia. Falei do local que costumávamos frequentar e ela perguntou:

-Quem era você?

Descrevi as minhas características físicas e mesmo assim, ela continuou não se lembrando da minha pessoa. Falei que tínhamos um amigo em comum: Ubiratan.

-Eu conheço, a esposa dele era muito minha amiga. _ Disse ela.

-E então, está lembrada de mim?

-Não.  

Eu não sabia mais o que dizer. Minto, sabia sim. Contudo, achava que não era a ocasião oportuna de lembrar daquilo. Pra quê? Já faz tanto tempo, que, certamente, ela não iria se lembrar. E mesmo que recordasse, não adiantaria de nada: eu, no momento, encontrava-me casado e ela também.

Naquela época, não passávamos de meros adolescentes. Eu a conheci por intermédio do Ubiratan e esse, pelo que sabia, já a namorou, antes. E como ela era solteira, resolvi investir. O Ubiratan já havia me advertido de que ela era muito namoradeira e por isso, tinha que tomar muito cuidado para não me iludir. Quem disse que lhe dei ouvidos? Vendo-a sozinha, caminhei em direção dela e me declarei. Quando fui beijá-la, ela virou o rosto e disse que não.

Voltamos a nos falar, alguns dias depois, e me desculpei dizendo:

-Lamento pelo papelão que fiz.

-Desencana, você não fez nada de extraordinário. É que eu...

Mudei de assunto e dali em diante, ficamos bons amigos.  Conversávamos todos os dias e era comum andarmos de mãos dadas e trocarmos carícias como beijo no rosto e abraços. Mas, um dia, não me lembro bem o que foi que houve e ela quando foi me beijar, mirou bem na minha boca. Foi nesse exato momento que o Ubiratan apareceu e veio conversar conosco. Logo depois que ele foi embora, ela falou:

-O Ubiratan deve ter pensado que eu fosse beijar a sua boca.

-Por que você diz isso?

-A maneira como ele estava olhando para nós dois.

Eu não falei nada e ela continuou:

-Não vejo problema nisso: com o meu último namorado, as minhas amigas davam selinho nele e eu nem me importava.

Aquilo era uma indireta? Ora bolas, foi ela mesma quem não quis nada comigo, portanto não dava para entender.  Aquilo não me saiu da cabeça e quando nos encontramos, conversamos um bocado até que não me contive e encostei os meus lábios nos dela.  

-Você! Eu não esperava. _ Disse ela meio sem jeito.

Ela continuava sem reação e então, sugeri darmos uma volta. Paramos em um local um pouco afastado e resolvi beijar-lhe novamente e ela correspondeu. Depois disso, nunca mais nos vimos e eu não sei dizer o porquê.

Depois do nosso reencontro, perguntei-lhe:

-Você não se lembrou mesmo de mim?

-Não.

Não fazia sentido relatar o que havia acontecido entre nós, no passado. E ela falou:

- Em vez de ficarmos querendo se lembrar do passado, o que me diz de iniciarmos a nossa amizade, nesse exato momento?

-Ótimo.    

E assim, aconteceu.  

         

 

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...