Febre De Juventude


0Likes
0Comentários
63Views

1. Febre De Juventude

(Para ler ao som de Sentado A Beira Do Caminho)

Eric do Vale

 

Estava assistindo, no Youtube, o encerramento da programação da Globo, do dia 14 de outubro de 1991, em que o locutor, em off, dizia: “Faremos, agora, uma pequena pausa em nossa programação. Apenas, um tempo necessário para você despertar para um novo dia, uma nova vida! Logo, estaremos juntos, novamente, apresentando...”. E então, ele ia dizendo, na sequência, a programação daquele dia. Fiquei inerte, ao mencionar o filme a ser exibido na Sessão da Tarde: Febre De Juventude.

Imagine um atleta que, por uma fração de segundos, deixou de conquistar um torneio. Foi assim que eu me senti, quando vi a foto dela vestida de noiva. A primeira coisa que me veio na cabeça foi: “Poderia ter sido eu.”. Sim, era eu que, naquele momento, deveria estar com ela, na igreja. E constatei que deveria ter tentado mais um pouco, talvez.

Eu havia apostado todas minhas fichas nela, quando veio com a conversa de que estava voltando para o antigo namorado. Não demorou um mês para vir me procurar e dizendo que continuava solteira.

            Sem perder tempo, fui direto ao ponto e ela, sem dar uma resposta definitiva, falou que precisava pensar. Mudei a minha estratégia, mas tinha certeza de que não daria em nada. Como eu estava enganado! Aquilo me fez constatar que nessa vida a gente não tem certeza de nada, a não ser que, um dia, todos nós vamos morrer.

            As coisas estavam andando de vento em poupa, quando ela veio com a história de que havia conversado com o analista dela e que precisava pensar. Receoso de tomar uma decisão precipitada, achei melhor ficar na minha. Contudo, tivemos algumas sessões Flash Back até que, até um dia, ela disse que pensou muito e chegou à conclusão de que era melhor colocar um ponto final naquilo tudo. Eu concordei e quando nos despedimos... outra recaída.

            Não nos vimos mais, depois disso. Eu, porém, não tinha dado o braço a torcer e continuava telefonando-lhe e indo até o local de trabalho dela. Um belo dia, recebi um e-mail dela e o li com o sorriso até as orelhas: “Não é de hoje que você vem me procurando. Como sabe, eu trabalho bastante e por isso, não posso te dar a devida atenção. Além do mais, estou namorando.”.

Aquela última frase simbolizou um nocaute duplo. Sem saber o que responder, deletei aquela mensagem. Não a procurei mais, todavia resolvi pagar pra ver, acompanhando os passos dela, pelo Facebook

            O computador estava ligado, no momento em que eu assistia Febre De Juventude. Paralelamente, acessei o Faceboock e a primeira coisa que vi foram as fotos do casamento dela. Como eu gostaria que aquilo fosse um sonho, mas era a realidade.

            Ao ouvir o nome Febre de Juventude, me veio em mente a canção tema daquele filme, She Loves You. Informado sobre o casamento dela, eu não parava de cantarolar o refrão daquela música: “She loves, you yah, yha, yah!”.

            Gostaria de esquecer tudo aquilo: o filme, a música e ela. Principalmente, aquele fatídico dia. Depois que ouviu esse meu desabafo, uma amiga minha disse:

            - Veja o lado bom da coisa, Mário: olhe as coisas boas que você colheu, depois de tudo isso que você passou.

            Um mês depois de ter me dito isso, Laura e eu começamos a namorar. Resultado: estamos casados, há quase cinco anos.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...