O CAMALEÃO SIDERADO

Quando um homem se ajoelha aos pés da loucura, ela se vê tentada a possuí-lo rapidamente como um vírus. Quando este mesmo homem implora por sanidade em meio aos seus delírios, ocorrem fatos inexplicáveis que o fazem duvidar da confiança em si mesmo. 30 anos dedicados exclusivamente à sua Mãe e logo após a sua morte, fatos estranhos movimentam a sua vida e a alteram para sempre. Para o bem e para o mal. Quem é você quando ninguém está te olhando?

0Likes
0Comentários
326Views
AA

21. CAPÍTULO XXI

– Já era hora daquele incompetente ter entrado em contato – Disse Clarice olhando pro relógio, enquanto tirava o termômetro do pequeno João.

– Vai ver está esperando o melhor momento, ou então Selma se atrasou – Respondeu o marido com uma ideia prazerosa lhe passando pela cabeça.

Clarice imaginou que a gordinha pudesse estar atrasada pro trabalho como sempre acontecia e ficou mais calma.

Após constatar o início de uma febre no bebê, ela continua, agora em voz alta.

– O pior é que não podemos ligar pro telefone do bar pra não chamar atenção.

– O melhor a se fazer é esperar, e como ficar aqui nesse quarto me deixa mais nervoso ainda, poderíamos ir até o jóquei, o que acha?

– Como que dinheiro Sérgio?

– Lembre que somos clientes antigos. Eles abrem um crédito e depois pagamos uma parcela de juros bem pequena sobre o valor emprestado. E quem sabe não é o nosso dia de sorte meu amor!

Tentada com o convite do marido ela ainda tentou retrucar.

– Joãozinho está com febre.

– Coisa de recém nascido. Dá um anti térmico e já já passa.

– E onde vamos deixá-lo? Ele não pode entrar com a gente.

– Deixaremos ele no carro, deitadinho. Não vamos demorar.

– Isso pode ser perigoso, tá muito quente, ele pode desidratar.

– É coisa rápida. Já li os páreos de hoje, e no segundo e terceiro teremos duas barbadas. Vendaval e Apache. Se ao menos conseguirmos o dinheiro da hipoteca do sítio, poderíamos até rezar pro Romeu desistir da empreitada e a gente se ocupar apenas do velho.

– Não. O que tá feito, tá feito. Espere que vou por uma roupa e dar remédio pro João.

 

Clarice queria tudo. Tudo. O prêmio das apostas, a morte da irmã, a morte do pai e a sua herança. Ela não seria paladina de nada num mundo que já estava perdido. Queria poder criar o menino com conforto, mesmo que o preço disso fosse a sua consciência pesada. Mas com grana no bolso ela daria um jeito de manter a lucidez. Só teria que parar de apostar um pouco para não ter que começaram a assaltar bancos como Bonnie e Clyde dos tempos modernos.

 

###

 

– Você é um velho ladrão de galinhas, não têm vergonha dos seus atos imundos? – Selma vinha gritando ao mesmo tempo em que tentava manter a carroça dentro da estrada.

– Mulata, você é uma galáxia inteira de clichês, exceto porque é certinha até certo ponto, depois lhe sobra algo no meio das pernas que não dá pra deixar de notar. Você amarra essa porra onde hein? – Bradava o velho em tom de chacota dando uma beiçada na cachaça.

– Um ser maquiavélico, melindrado pelo talento de uma boca suja e banguela. Cuidado Gemima, uma hora ele te pega pelo pescoço e te trucida!

– Não fale assim morena, é que eu gosto de ter o meu coração partido de vez em quando. Não me falta talento para remendá-lo uma vez por dia. Faço gosto que você e o meu filho bonachão sejam felizes. Claro, sem esquecer de Desirée. – Completava de forma professoral.

– Para coroa, assim eu fico pensando que você não me acha boa pra você. Fico até no cabresto se for preciso. – Gemima entrou na conversa achando que tinha entendido alguma coisa.

– Minha Gemiminha, cortesã do mel e do fel, sou teu zangão pra sempre.

– Fico com medo de você morrer logo por causa da idade. – Disse passando a mão na cabeça do velho.

– Não existe morte boa, a não ser que você morra trepando, mas não sem antes gozar, aí seria um desperdício de calorias do mondrongo. Amo a sua cinturinha de quibe, me abre o apetite. Transar com essa mulher é como brincar com dinamite, ela sempre me deixa em pedacinhos. – E pôs-se a rir e tossir ao mesmo tempo sob os olhares de desgosto de Selma e Diolindo.

– Assim que puder, vou fazer o tal do Nagasaki pra você outra vez nem que eu tenha que ir buscar um no buraco.

– Minha fofinha, deixe que dos buracos cuido eu – Retrucou sentindo uma comichão nas partes baixas e mudando o semblante para algo próximo a uma tristeza – Sempre tive um pé na depressão e outro na depravação, mas nunca conheci o banco de trás de um carro de polícia. O fundo do meu poço têm uma mola, quando chego nele sou catapultado pra puta que o pariu de novo.

– Sem drama por favor, Franco, chega de chiliques! – Finalmente Diolindo abrira a boca depois de lavar bem a pedra com aguardente – Agora que já estamos conversados, espero que você não tente mais nada, caso contrário serei obrigado a virar as costas e lavar minhas mãos.

– O meu problema, filho, é que eu me permito demais. O que chamam de crime eu chamo de minha idéia de diversão. Quando fui padre tinha uma arma na mão, a palavra de Deus. Hoje que não sou mais, ela está apontada pra mim. Ainda tenho vontade de pintar a minha barba de vermelho e sair de moto por aí. O que não tenho mais é tempo.

– Não fale assim que eu me arrepio toda. Ouça o seu filho e fique calado – Interrompeu a gordinha agora abraçada firmemente no velho pensando a que horas poderia dar vazão às suas fantasia, senão teria que trocar a calçola ensopada antes que percebessem.

– Estou em processo de redenção meu chuchu da serra. Se você me pegar no flagra batendo punheta, eu não estou! Tô apenas tentando arrancar umas verdades que o mondrongo esconde de mim.

 

Com essa, nem Diolindo segurou um arremedo de sorriso. O homem não tomava jeito, mas era um otimista, ao contrário dele que ficava procurando cabelo em ovo. O copo sempre estava meio vazio, mas pro velho sempre meio cheio, ainda mais se o líquido fosse o comedor de neurônios que ele tanto apreciava.

Já perto do entardecer, Selma alerta para um acampamento na beira da estrada a alguns metros adiante.

 

###

 

Há muito tempo que ele sabia que quando o velho ficava nervoso as pontas do seu vasto bigode branco começavam a se mexer. Era o sinal que alguns dos seus clientes mais antigos tinha de que não era um bom dia pra pedir fiado.

– Calma Sr Almeida vai dar tudo certo. Elas estão bem e descobriremos que tudo não passou de um mal entendido – Dizia Fredson enquanto dirigia a viatura mambembe que teimava em apagar o motor quando parava num semáforo.

 

Ele próprio não acreditava que estava tudo bem devido a sucessão dos fatos estranhos que se seguiram desde a conversa com a mãe de Felícia. Cadáveres enterrados com animais, cadáveres desaparecidos, outros incinerados, um álbum contendo imagens de crianças despidas e gente viva sem dar notícia e de paradeiro desconhecido. Mas o que lhe corroía as entranhas de curiosidade fora o embrulho que sua avó pedira que entregasse a Diolindo. Teve a curiosidade nata de policial de abrir e fechar o pacote com todo o cuidado. Uma dentadura? Podia ter ido de engano na caixa de objetos que Dona Dirce pedira ao seu filho que desse as suas amigas no asilo. Ou não.

 

Quando o motor da viatura apagara o motor mais uma vez, ele decidiu passar num outro distrito no caminho para o sítio onde já estivera lotado e trocá-la por outra. Aquela não iria muito longe.

Olhou mais uma vez para o banco do passageiro e agora as pontas do bigode quase batiam asas.

 

###

 

Deixaram o veículo estacionado próximo a saída do hipódromo e acomodaram a criança na cadeira de bebê tornada em cama. O menino dormia, porém mais pela fraqueza que a febre lhe imputara que propriamente por sono. Seus pais não tiveram a atenção de medir-lhe novamente a temperatura antes de sair do carro, tampouco se preocuparam em deixar o veículo debaixo de uma sombra. A discussão acalorada sobre as chances de Apache no segundo páreo estavam ocupando todo o seu tempo.

 

Como era de se esperar, conseguiram um crédito como clientes especiais da casa e perderam o primeiro páreo. O segundo atrasou pela invasão de um cachorro na pista. Com o dinheiro na mão e inseridos dentro do seu universo onde não cabia qualquer outro afligimento, resolveram prosseguir até o último páreo ou enquanto lhe restasse saldo no bolso pra apostar.

 

Uma viatura fora chamada para verificar um possível caso de abandono de incapaz e quando chegaram no local descobriram um bebê agonizante e em estado de desidratação. Rapidamente os vidros do veículo foram arrebentados e uma ambulância chamada para tentar reanimar o ser indefeso que era levado dali sob indignação de quem presenciara a cena. Dois investigadores ficaram de campana aguardando o dono da perua vermelha.

 

Duas horas e meia depois, Clarice, como se iluminada por um raio de salubridade dá um grito.

– Joãzinho!

E sai correndo sem esperar o seu cavalo perder mais uma vez, com Sérgio atrás dela, mas ainda olhando para trás pra ter certeza que quem cruzaria o disco final não seria o Anjo Negro.

 

– Meu Deus Sérgio, cadê Joãozinho? – Gritava em prantos ao olhar o vidro do carro quebrado e dois policiais esperando ao lado.

– Vocês quem são? – Perguntou a autoridade mais alta e intimidadora dos dois, mascando um chiclete.

– Os pais da criança senhor – Sérgio tomou a frente, amparando a mulher.

– Vocês estão presos em flagrante por abandono de incapaz. Com a senha dita, o outro policial, atarracado, sacou sua algema, repetindo o gesto do colega, que não encontrou resistência no homem quase do seu tamanho.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...