O CAMALEÃO SIDERADO

Quando um homem se ajoelha aos pés da loucura, ela se vê tentada a possuí-lo rapidamente como um vírus. Quando este mesmo homem implora por sanidade em meio aos seus delírios, ocorrem fatos inexplicáveis que o fazem duvidar da confiança em si mesmo. 30 anos dedicados exclusivamente à sua Mãe e logo após a sua morte, fatos estranhos movimentam a sua vida e a alteram para sempre. Para o bem e para o mal. Quem é você quando ninguém está te olhando?

0Likes
0Comentários
308Views
AA

14. CAPÍTULO XIV

Quando terminaram de rezar, Diolindo chamou a atenção de Selma para uma luz acesa na estrada a um quilômetro adiante. Ela espremeu os olhos e confirmou também a sua existência. Resolveu ir buscar ajuda. Diolindo também saiu do carro, mas não sem antes pôr o dedo na cara do seu pai.

- Se você tentar alguma coisa na nossa ausência, eu não respondo por mim quando voltar.

- Calma Lindinho – Retrucou o velho com medo das faíscas que saiam do seu olhar – Prometo que serei um bom velhinho, estilo papai noel, mas sem aquele barba branca lavada com sabão em pó – Completou com as mãos no alto.

Começaram a caminhar pelo acostamento da estrada apenas com a luz da lua como guia. De fato era uma estrada com tráfego quase inexistente, e pelo jeito, menor ainda à noite.

Ao aproximarem-se da luz logo perceberam tratar-se de uma barraca improvisada com estacas de madeira e maços de folhas dependuradas por todos os lados. Estacionado nos fundos havia um vetusto caminhão guincho. Dentro da barraca a iluminação era feita por um lampião a querosene aceso e um homem magro sem camisa deitado numa rede, roncando alto.

Bateram palmas para despertá-lo.

- Quê....como! – O homem levantou de um pulo assustado e logo sacou um revólver trinta e oito imaginando coisa ruim.

- Calma moço, viemos em paz. Estamos com dois pneus furados a menos de um quilômetro daqui e precisamos de sua ajuda – Disse Selma calmamente esperando que a arma não disparasse sem querer ou ele querendo.

- Ajuda? Eu lá tenho cara de borracheiro, caralho? – Cuspiu o homem de aparência doente e vestido com uma calça de tropeiro, se aproximando e apontando o revólver para os dois e em seguida para a estrada. – Vamos andando, quero ver a situação – Ordenou, pegando a camisa que repousava no encosto de uma cadeira sem assento.

- Vocês não fazem ideia de onde tão, né?

Com os dois balançando a cabeça negativamente, prosseguiu.

- Aqui é o caminho do epadu. Aquelas folhas que cês viram ali no meu comércio num é pra fazer chá não viu? – Afirmou dando uma risada sinistra. – Mas já tenho conhecimento que inté é remédio na cidade grande. Só se for anestesia de preibói! – E desatou a rir enquanto apressava o passo dos dois pra ver se algo no carro poderia lhe interessar, afinal no dia seguinte teria que pagar a propina da polícia que lhe visitava com mais pontualidade do que a menstruação de sua Gemima.

- Qual é a sua graça? – Falou Diolindo pela primeira vez.

- Me conhecem aqui na região por Godô, mas sou mermo é Godofredo. Puta nome feio que minha mãe me deu. Acho que era o nome de um papagaio de estimação que ela tinha e morreu de velho.

- O meu é Diolindo.

- Puta que pariu, consegue ser mais desgraçado que o meu! – E o homem armado ria mais esquisito do que uma saracura gripada.

Selma vinha preocupada com a reação que aquele bandido pudesse ter ao ver o padre e Desirée no carro. Também enxergava os lampejos de sanidade no seu homem que tentava puxar assunto com o homem para deixá-lo menos nervoso. Ela gostava daquele outro eu dele. Mas também sentia falta do homem desamparado e perdido. Do olhar de peixe morto que a deixara de quatro e sem reação. Faria de tudo pra manter os dois por perto.

Ao se aproximarem do carro o traficante ficou alerta.

- Vocês não disseram que havia mais gente no carro – Afirmou desconfiado olhando pra todos os lados. Podia ter mais alguém mijando lá dentro do mato.

- Você também não perguntou! – Bradou Selma com raiva se arrependendo em seguida.

O bandido deu uma volta completa no carro sob os olhares de Franco que logo fez o desenho da situação e juntou as mãos como um padre de verdade faria.

- Vixe Maria, um padre! – Disse o homem fazendo o sinal da cruz com o cano do revólver.

- Estamos indo a um casamento num sítio – Mentiu Selma.

- E uma...uma...boneca? Vestida de noiva? É alguma brincadeira isso? – Perguntou o homem alterando o tom de voz de respeitoso para desconfiado.

- Meu filho – Franco se esforçou para fazer uma voz calma – Estamos levando o manequim vestido para não amassar o vestido. É importante que nos ajude para poder unir duas almas apaixonadas que nos aguardam.

- E esses dois aí? São o quê?

- Padrinhos da noiva. O tempo urge. Chegue aqui perto para que eu te abençoe.

O bandido que parecia ainda ter algum apego com a religião, abaixou a cabeça e aproximou-a da janela. Com uma cabeçada seca e certeira, Franco abateu-lhe num só golpe. O homem se esparramou no chão com estrondo em tempo de pensar que hoje não ia comer o ensopado de tatu que Gemima lhe prometera pro jantar.

Franco abriu a porta do carro e pegou a arma guardando por baixo da batina sem que os outros vissem.

- E agora? – Perguntou o ex-padre sob os olhares surpresos dos dois que ainda não acreditavam na capacidade de combate do idoso. Apesar de forte já ia longe o tempo em que ele poderia se permitir tais traquinagens.

- Há um caminhão guincho do lado da barraca onde ele estava, mas acho que essa não era a sua principal atividade. Podíamos levar o carro até lá, pô-lo em cima do caminhão e chegar no sítio, deixar o carro e depois despachá-lo.

- E o homem? – Questionou Diolindo abaixando-se para fazer um rápido exame corpo de delito na criatura abatida.

- Vamos ter que levá-lo junto – Respondeu a mulata sabendo que no momento em que aquele bandido acordasse ia arrebanhar seus comparsas para ir atrás deles.

O ex-padre entendendo o recado e vendo Selma dar novo uso ao seu lenço de cabelo, e Diolindo tirar o seu cinto, tratou de sacar fora a estola para usá-la como mordaça. Com o homem empacotado, colocaram-no no porta malas e levaram o carro com cuidado até o local.

Selma entrou na barraca coberta de folhas suspeitas e viu um molho de chaves em cima de um banco ao lado da rede onde o meliante estava deitado. Viu também uma garrafa de aguardente ainda cheia e pegou sabendo a quem presentear. Voltou para o caminhão velho e não fazia idéia de como dirigir aquele aparato arcaico de transporte. Como pôr pra andar aquele trambolho em pandarecos?

- Não se preocupem, meu pai tinha oficina e também um desses. Vocês estão diante de um Mack 1951, bicho duro, aguenta pancada. Pegou as chaves nas mãos da mulata e examinou o mastodonte com apuro. Abriu o capô e ficou admirando. – Motor Cummins da década de 70, não é original, mas é o melhor.

- Se puder abreviar o namoro eu apreciarei – Pediu Diolindo impaciente, mas ao menos tempo impressionado com os conhecimentos do velho, que ligou o caminhão e fez descer a plataforma hidráulica, orientando Selma a subir o veículo nela, no que foi prontamente atendido, já que queriam sair dali o mais rápido possível.

O velho em roupas sacerdotais engatou a primeira marcha e, com Selma e Diolindo na cabine, arrancou pela estrada. Diolindo olhava pra trás com medo do bandido se desvencilhar das suas ataduras e alcançar Desirée que estava impassível olhando para ele como se a perguntar porque ele não estava ali com ela? Ele respondia com o mesmo olhar perdido. – Calma amor, não vai doer, tá perto.

- Vocês não assistiram Maximum Overdrive? Onde vocês estavam crianças? É um filme de suspense que em determinado momento há uma parada de caminhões Mack andando sozinhos em círculo tocando o terror num posto de gasolina! – Bradava o velho empolgado com outro tipo de embriaguez que não a etílica. Parecia uma criança num corpo caquético discorrendo sobre rebeldia sem causa. A todo momento sentia um impulso de puxar a cordinha da buzina estridente, mas se conteve com as mãos formigando de vontade.

Selma decidiu ligar o rádio pra ver se funcionava e, para sua surpresa, com som nítido e claro. Parecia uma rádio de notícias local e logo se ouvia a voz do locutor dando um alerta de última hora com todos aqueles jingles que logo entrava no subconsciente como algo sinistro que estaria por vir.

- ...encontradas num local ermo de uma favela, contendo imagens de crianças nuas e também uma fogueira improvisada com cinzas de ossos humanos. Esse homem, Luiz Franco Salles, padre excomungado da igreja católica por pedofilia é considerado foragido e já está sendo procurado em todo território nacional. Quem tiver alguma pista por favor entre em contato a polícia através do telefone.....

O silêncio na cabine do caminhão que seguia pela estrada noite adentro, era sepulcral.

Selma girou o botão e encontrou uma rádio que lhes causasse menos dor.

Você bem sabe

que eu não lhe prometi um mar de rosas

Nem sempre o sol brilha

Também há dias em que a chuva cai

Se você quer partir pra viver

por viver sem amouuuu

Não tenho culpa

Eu não lhe prometi um mar de rosas

Como não havia surtido muito efeito, desligou o aparelho e seguiram em silêncio com as primeiras gotas de uma chuva noturna que chegava acompanhada de muitas dúvidas. Diolindo tergiversava com a sua linha de raciocínio peculiar. O diamante. Aquele diamante iria ter uma outra finalidade. Venderia a casa e fugiria da comunidade com Selma e Desirée para sempre. Os cobradores não poderiam tomar a sua mulher por falta de pagamento por não saberem onde se encontravam.

Advogados eram caros e pra evitar que seu pai fosse pra cadeia teria que contratar alguns. Ele sabia que sem flagrante ele poderia responder em liberdade, a menos que aquelas cinzas de ossos significassem uma encrenca maior do que imaginava. Mas porque ele queria ver o velho fora da cadeia? A resposta era.... ele era... a única pessoa que tinha o seu sangue. Podre, bem verdade, mas era o seu pai. Olhava o semblante do velho ao volante do caminhão e pela primeira vez teve uma centelha de orgulho dele que logo se esvaiu com o ribombar da sua voz.

- Imagino que essa garrafa aí seja pra mim.

- Não beba se for dirigir – Ironizou Selma entregando a bebida ao ex-padre.

- Já fiz coisas que exigissem mais da minha atenção.

- Por exemplo?

- Uma suruba com mendigas.

- Seu libertino duma figa.

- Mas o meu cérebro ainda está a altura do meu fígado.

Ela fez uma careta com ojeriza a toda aquela conversa de sexo tabu, mas sabendo que ela própria era uma transgressão para muitas cabecinhas ditas normais. Sabia que de perto, bem de pertinho mesmo, ninguém era normal.

- Êi mulata, já rezei missa com substância nocivas trafegando no meu sangue e no meu cérebro. Láudano, peiote, corydrane, mescalina, benzedrina, semoxydrine, eukodol, isso daí fora as best sellers. Mas o que faz a minha cabeça mesmo é a birita. É uma forma de suicídio lento. É como morrer todo dia e ter uma nova chance no dia seguinte. Essa aqui! – Ralhou sacudindo o líquido.

E seguiram envoltos cada qual em seus pensamentos, absorvendo os sacolejos da estrada que ficava cada vez mais revolta, até a porteira do sítio de Clarice, irmã de Selma, que não sabia que a sua irmã adotiva chegaria na sua porta com uma história pitoresca pra contar, e todos os seus personagens vivos para provar que nada era fruto da sua imaginação.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...