Sem Resposta


0Likes
0Comentários
37Views

1. Sem Resposta

 

 

Eric do Vale                                                 

 

 

Após ter falado para o meu amigo que existiam perguntas que já nasciam sem respostas, correu-me a ideia de elaborar uma lista com essas interrogações. Cada vez que eu me lembrava de algum fato marcante, escrevia uma pergunta e, para a minha surpresa, conseguia obter alguma resposta, coisa que, até então, me parecia impossível de conseguir. Mas, para toda regra sempre existiu, e existirá, uma exceção. Estava com treze anos, quando fui estudar naquele colégio, e ela foi a primeira pessoa com quem eu tive contato. Diariamente, vinha ao meu encontro com toda aquela simpatia e solicitude para me perguntar se eu estava gostando do colégio e algo desse tipo. A minha resposta era sempre sim.  Houve uma vez que, durante o intervalo, conversamos bastante e em pouco tempo, um ficou sabendo da vida do outro. Depois desse dia, eu não sei dizer o que realmente aconteceu para termos nos distanciando.

Só sei de uma coisa: eu tentei me reaproximar, mas ela passou a mostrar-se cada vez mais arredia. O que eu falasse ou fizesse era motivo suficiente para me hostilizar.  Várias vezes, cogitei em procura-la com a finalidade de perguntar o que estava acontecendo e saber se tinha feito alguma coisa que a deixou magoada, mas o meu receio falava mais alto.  Houve ocasiões em que pensei em partir para a ignorância, porque não dava para suportar tanta implicância e a troco de quê?

Eu, uma vez, juntamente com uma parcela da classe fui para a coordenação, porque não estávamos vestidos de acordo com o uniforme do colégio. Por pouco, ficamos impedidos de assistirmos as aulas. Ela também estava no meio e falou para a turma que não sabia desse novo regulamento:

-Eu também não estava sabendo disso. _ Eu falei.

-Não estou falando com você. _ Ela respondeu com tamanha agressividade.

 Aquela resposta levou-me a descartar qualquer possibilidade de reaproximação e o mesmo sentimento de repugnância que ela tinha por mim, eu, naquele momento, passei a nutrir em relação a pessoa dela.  

No ano seguinte, mudamos de sala e não tive mais notícias dela até que, onze anos depois, nos reencontramos por meio de uma rede social. Não sei qual de nós tomou a iniciativa de enviar uma solicitação de amizade. Acredito que tenha sido eu, embora não tenha tanta certeza disso. Dias depois, ele me disse oi e eu, obviamente, correspondi. Logo, estávamos conversando bastante. Esse seria o primeiro de muitos outros diálogos pelos quais, respectivamente, trocaríamos e, quem sabe, tudo seria esclarecido.  Assim, eu pensava. 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...