De Mãos Abanando


0Likes
0Comentários
42Views

1. De Mãos Abanando

 

Eric do Vale 

 

 

A minha irmã e eu resolvemos ir a uma cidadezinha, situada no litoral, onde o nosso pai possuía um terreno.  Ficamos sabendo que esse espaço, atualmente, encontra-se localizado em uma área preservada, não podendo assim, ser desmatado. Além disso, a empresa que administrava esse terreno sumiu e a prefeitura não está nem aí, mas continua cobrando impostos. Como fazia um ano que o nosso pai tinha morrido, achamos que seria fundamental resolver tal pendenga o mais rápido possível.

Eu não sei por que a minha irmã inventou de trazer o mala do marido dela. Nada contra ele, pelo contrário. Tirando os defeitos, o meu cunhado é uma pessoa maravilhosa. Ele sempre faz o que aminha irmã quer e depois, fica reclamando. No entanto, tenho até dó dele, porque ela não é uma pessoa fácil. Os dois parecem duas crianças: brigam por tudo e a toda hora.  Durante o trajeto, o meu cunhado ascendeu um cigarro e então, pensei: “Ai meu Deus, o Otaviano não tem jeito mesmo!”. Sorte que eu tinha trazido o meu celular para acessar a internet e quando me viu com o aparelho em mãos, o meu cunhado não perdoou:

- Quem muito acessa a internet fica alienado, sabia? 

Por que não inventei uma desculpa qualquer? Eu devia ter feito isso, assim que a maluca da minha irmã disse que o chato do marido dela ia conosco. Ao atirar pela janela a guimba do cigarro, o Otaviano não perdeu tempo e ascendeu outro. Após a terceira baforada, a minha irmã reclamou:

-Otavianooo, apaga esse cigarro!

Haja saco de filó!

O terreno do nosso pai localizava-se em um lugar bastante ermo e o meu cunhado não pensou duas vezes e começou:

-Ana Clara, onde é que o seu pai estava com a cabeça, quando comprou esse terreno?

-Otavianooo, menos vai!

-Não está vendo que aqui é reduto de mau elemento?

Nesse ponto, eu estava completamente de acordo com ele.

Fomos até a prefeitura e saímos de lá sem nenhuma resolução com destino para os nossos respectivos lares. No meio da viagem, o meu cunhado inventou de ascender um cigarro e não demorou muito para a minha irmã reclamar:

-Otavianooo, apaga esse cigarro!

O meu consolo era saber que, dentro de algumas horas, eu estaria desfrutando do aconchego do meu lar.   

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...