O distraído

Um casal, Marcelo e Renata, em uma daquelas discussões, inspirada por uma ninharia qualquer, e que dá mote para um conto, que é este, de humor.

0Likes
0Comentários
77Views

1. O distraído

Marcelo chegou à sua casa às dezoito horas e trinta minutos. Retirara-se da loja de calçados na qual trabalhava de caixa minutos depois das dezoito horas, um pouco irritado devido à atitude de um cliente, que, esnobe, soberbo, tratara-o com desdém e o constrangera na frente de três clientes e dois funcionários da loja – o sangue a ferver, os punhos cerrados, Marcelo rilhava os dentes, atiçando-o pensamentos que o exortavam a se arremessar contra o cliente que o destratava; soube conter-se, no entanto.

Chamou por Renata, sua esposa. Ela não estava na casa. Marcelo rumou ao quarto, entrou no banheiro, do qual retirou-se vinte minutos depois, banhado, de chinelos-de-dedos nos pés, camisa regata e short, barbeado, e de cabelos penteados, e rumou à cozinha para preparar o jantar, o seu e o da Renata, e na cozinha encontrou Renata, à pia, a lavar tomates e cebolas, e saudou-a, e beijou-a, nos lábios, e ela censurou-o:

- Tu és muito distraído, Marcelo.

- Eu? – perguntou-lhe Marcelo, surpreso com a declaração.

- Sim. Tu.

- Por que eu sou distraído?

- E ainda me perguntas? – e sorriu Renata.

- Não sei por que me dizes que sou distraído.

- Fui ao consultório da doutora Jaqueline levar os resultados dos exames médicos, os quais ela me pediu, na semana passada, e passei na agência do banco **, e saquei R$ 500,00; ao sair da agência, te vi saindo da loja, e chamei-te, uma, duas, mil vezes, e tu não me ouviste. Gritei, e tu a olhar, distraído, para o outro lado da rua.

- Não te ouvi.

- Claro que não me ouviste. Estavas distraído.

- Que horas eram quando me chamaste?

- Minutos depois das seis... Há alguns minutos. Abaixavam, já, as portas da loja.

- Tive a sensação de que eu ouvia alguém a me chamar.

- Tu és muito distraído, Marcelo. Chamei-te várias vezes, e não me ouviste. E tu não estavas muito longe de mim. Ouviste, me ouviste, mas, distraído, não reconheceste a minha voz.

- Eu não estava distraído, Renata.

- Não?

- Não. E eu não sou um homem distraído.

- Tu não és um homem distraído? Claro que és, Marcelo. Tu andavas a olhar não sei para onde, e, distraído, esbarraste, eu vi, em um homem, senhor de idade, derrubando-lhe a caixa que ele trazia consigo.

- Eu fiz isso?

- Fizeste. E aquele senhor de idade te chamaste a atenção, e tu, distraído, não o ouviste.

- Não percebi o que fiz.

- Claro que não; estavas distraído.

- Eu não estava distraído, Renata.

- Estavas, sim. Distraído estavas, Marcelo. Distraidíssimo.

- Tu me ofendes, Renata.

- Ofendo-te?

- Sim. E duas vezes.

- Explica-te.

- Explicar-me-ei a ti. Ao chamar-me de distraído, sendo que distraído não sou, tu me atribuis características que não me pertencem.

- Que dramático!

- Não zombes de mim, Renata.

- Continues.

- Continuo: Além de me atribuir distração, tu, após eu dizer-te que eu não estava distraído, insististe em me chamar de distraído, chamando-me, portanto, de mentiroso, e mentiroso não sou. Tu me ofendes, Renata, duas vezes.

- E tu não estavas distraído, não?

- Não. E provo. Tu me chamaste, e não te ouvi, e esbarrei, tu me disseste, em um senhor de idade, derrubando-lhe a caixa que ele carregava. Não foi por distração que não te ouvi, e que derrubei a caixa que o senhor de idade carregava ao nele esbarrar-me, e que não o ouvi a recriminar-me. Naquele momento, eu estava concentrado, muito concentrado, em uma morena de um metro e setenta, de minissaia verde e camisa branca decotada, que andava, melhor, desfilava, na calçada, no outro lado da rua, e eu...

E Marcelo cessou o relato ao fitar Renata, e notar-lhe o rosto carregado e o olhar ameaçador, a fuzilá-lo, e, na mão direita dela, uma faca. E tratou Marcelo, e rapidamente, de de sua esposa afastar-se; e retirou-se, correndo, da cozinha.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...