Em Panos Quentes


0Likes
0Comentários
107Views

1. Em Panos Quentes

 

Eric do Vale

 

 

I

 

Já passava das vinte horas, quando dois homens bem apresentáveis dirigiram-se até recepção e perguntaram por João Augusto. A recepcionista telefonou para o ramal dele e falou:

-Tem dois homens querendo falar com o senhor.

-Mande-os subir.

Ela fez o que ele pediu, mostrando-lhes onde ficava a sala dele. Lá chegando, sacaram suas armas e anunciaram o assalto. João Augusto abriu o cofre e entregou-lhes todo o dinheiro. Eles colocaram na sacola e saíram como se nada tivesse acontecido.

II

 

Era quase meio dia, quando Demóstenes a viu chegar.  Cabisbaixa e de óculos escuros, ela caminhou até a sala dela, dando a impressão de que estava voltando de algum funeral. Demóstenes, então, pensou: “Melhor eu me preparar”.

Não encontrando o seu celular, ela o procurou por todo o cômodo até lembrar-se de que Roberto havia sido a última pessoa presente naquela sala.  Mesmo dizendo-se inocente, a situação ficou complicada para o lado dele. 

Na qualidade de gestor de Roberto, Demóstenes poderia ter falado com ela e a convencido a dar-lhe um voto de confiança Porém, preferiu seguir o exemplo de Poncio Pilatos. 

Demóstenes achou melhor não sair para almoçar e assim que o telefone tocou, atendeu e ouviu a voz dela:

 -Venha até aqui, por favor.

...

 

Paulo não conseguia acreditar que Magno fosse capaz de ter feito o que fez:

- Será que ele é cleptomaníaco? _ Perguntou Paulo.

- Não seja ingênuo, Paulo. As câmeras registraram o momento em que ele entrou na sala do doutor Arnaldo e abriu a carteira dele, tirando todo o dinheiro. O problema do Magno chama-se safadeza.

Dinheiro, tablete, notebook e celular, esses eram alguns dos objetos que vinham desaparecendo dentro daquela empresa.

 Bianca, a priori, pensou que tal atitude fosse de algum novato, mas a tese dela caiu por terra, quando soube que uma certa quantia de dinheiro havia sido retirada da bolsa de uma recém contratada.

 Paulo colocou o celular para carregar, quando Magno aproximou-se dele e os dois começaram a conversar. Como tinha uma reunião marcada, despediu-se de Magno e ao voltar, reparou que o seu celular não estava mais sobre a sua mesa, onde o havia deixado. Era a segunda vez, em menos de um mês, que aquilo acontecia  

...

 

Demóstenes fechou a porta e sentou-se em uma cadeira.

-Perdemos. _ Disse ela.

Quando Roberto resolveu colocar a firma na justiça, eles sabiam que aquilo resultaria em fortes dores de cabeça.

-Mas, nós vamos recorrer. _ Falou ela.

Demóstenes estava ciente de que, dessa vez, não teria para onde correr.

 

III

 

- Esse Demóstenes é muito esperto! Tratou de sair de férias e viajar para não comparecer na audiência.

- Ele tinha duas opções: ficar do lado do Roberto ou defender os interesses da firma. Qualquer escolha que fizesse, o deixaria em maus lençóis. Eu no lugar dele, teria feito o mesmo.

-Se pudesse, o Demóstenes deporia em favor do Roberto; não que ele goste do rapaz; mas sim pelo bel prazer de destroná-la. Não é segredo para ninguém, aqui da firma, que o Demostenes é louco para ocupar o cargo dela.

-E como ele sabe muito dos podres nela, essa seria a chance de derrubá-la.

- Só que tem um porém: ela também sabe de muita coisa que podem comprometê-lo.  

...

-Todo mundo sabe que a Bianca não suporta o Victor e mesmo assim, resolveu promovê-lo.

-Depois que descobriram as safadezas do Magno, ela achou por bem promovê-lo como forma de reparação.

-Mesmo sabendo que não tinha nenhuma evidencia para incriminá-lo, a Bianca queria degolá-lo.

-Mas, quando viu a burrada que ia fazer, achou melhor aparar as arestas, o quanto antes.

- Aqui, nessa empresa, as arestas tem sido aparadas com muita frequência. O Magno é um exemplo disso: em vez de o demitirem por justa causa, deram as contas dele.

-E o que é que você queria que fizessem? Se ele fosse demitido por justa causa, o Ministério do Trabalho iria querer saber os motivos e a polícia seria acionada.

 

IV

 

Não se falavam de outra coisa, naquela firma, que não fosse ao assalto, ocorrido no dia anterior. Como eles sabiam que o João Augusto era o responsável pelo departamento financeiro?

Outra pergunta que deixava todo mundo intrigado: como eles sabiam da existência daquele cofre? Somado a tudo isso, eles haviam passado pelos locais onde não foram instaladas nenhuma câmera.

A polícia jamais ficou sabendo desses detalhes; cada colaborador tinha a sua versão definida, mas todos sabiam que aquilo seria mais um “fato extraordinário” que aconteceu naquela empresa.

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...