Preto No Branco


0Likes
0Comentários
112Views

1. Preto No Branco

 

 

Eric do Vale

 

“E vamos nós de novo

Vamos na gangorra

No meio da zorra desse

Desse vai –e- vem.”

(Abre-te Sésamo: Raul Seixas & Claudio Roberto)

 

 

 

O meu salário não foi depositado! Desço para o meu andar, após assinar o ponto, e o Severo, vendo-me chegar, vem em minha direção e me mostra a programação do dia: aula no laboratório, a partir das 13:40. Abro a prateleira e coloco, em ordem crescente, todas as chaves de cada armário. Olho para a parede e constato: “Pelo jeito, o meu pedido não foi acatado.”.  Vieram, ontem, colocar o flanelógrafo e tiraram o relógio. Eles me garantiram que, ainda ontem, o recolocariam. Foi preciso que eu passasse, duas vezes, um rádio para o seu Oliveira e terminei ouvindo desaforo desse velho.  Sexta-feira, penúltimo dia do mês, e o meu salário não foi depositado! P... Q... P!  Severo passa um rádio para o seu Oliveira e esse diz que, dentro de dez minutos, estará aqui, acho bom! As chaves estão colocadas e agora, é esperar os alunos chegarem. Aqui, nesse andar, não há muito movimento e estou certo de que, mais tarde, me coloquem para ajudar alguém.  Acesso à internet e entro em contato com o Douglas que está ausente, em virtude de um problema no joelho. Tenho para mim que isso não passa de H, pois ele é cheio de armação.  Um dia, o Douglas veio me dizer que ficou com uma moça da faxina, nas escadas. Fingi que acreditei, pois eu não nasci ontem e sei que se isso tivesse acontecido, ele rodaria bonitinho. Sem falar que essas moças da limpeza são umas chaves de cadeia. Falo sobre as mudanças que ocorreram, ante- ontem, no nosso setor e o Douglas custa a acreditar. Mas, infelizmente, eu não estou brincando e nem haveria motivo para brincar com uma coisa dessa. Agora, é todo mundo chegando dez minutos mais cedo, com direito a uma hora e meia de intervalo, e saindo dez minutos mais tarde. É fogo! A Clarice pediu para que todos os recepcionista comparecessem a sala dela, pois tinha um comunicado de suma importância para os funcionários da recepção. Pensei: “Lá vem bronca”. Não deu outra. Ninguém se manifestou, exceto o Hudson que fez questão de expressar tamanho descontentamento e terminou ouvindo o que não queria:

-Não posso fazer nada, a mudança já está feita. _ Falou Clarice.

Tenho para mim que, dessa vez, ele se lascou. O Hudson não tem jeito mesmo! Cansei de dizer:

-Hudson, as coisas não são assim. Segura a sua onda, rapaz.

-Eu não quero saber e se quiserem me mandar embora, podem me mandar.

-Emprego está difícil, a sua namorada que não deixa mentir: ela foi demitida em dezembro e até agora, encontra-se desempregada.

Pelo menos, o Hudson foi verdadeiro. Ao contrário de muita gente, ali presente, que saiu da sala da Clarice soltando os cachorros nela. Traíras! Aqui, nesse estabelecimento, está infestado de gente assim. Eu também achei ruim, mas fazer o quê? Em todo ambiente de trabalho, as coisas funcionam da seguinte forma: “Manda quem pode e obedece quem tem juízo”. Neguinho pensa que pode deitar e rolar, só porque trabalha aqui, há bastante tempo. Por isso: “O justo paga pelo pecador”.   Se o seu Oliveira, vier, de novo, com grosseria para o meu lado, vai ter troco. Por que o meu salário não foi depositado? Pelo jeito, o esquema que marquei, nesse sábado, com a gata foi para o brejo. Droga! O Severo vem me informar que comunicou a nossa supervisora de que a lista de presença e os relatórios estão vindo de forma avulsa. Durante as férias, havia uma centena de pastas e sei disso, porque fui eu mesmo quem as recebi. Não sei que fim levaram essas pastas. Eu só quero ver, no dia em que perderem esses documentos e pelo andar da carruagem, não está muito longe de acontecer. Verifico, na agenda, que a aula ocorrerá ás 15: 40. Eu não li direito e terminei me adiantando, era só o que me faltava! Melhor assim, já está tudo montando e quando os alunos chegarem, não terei o trabalho de me “levantar, abrir o armário e entregar a chave”. Hoje, o Lucivan não me escapa. Emprestei dinheiro para esse xibungo e nada de me pagar. Engraçado, na hora de vir me pedir, não teve vergonha nenhuma e disse que estava “passando por necessidades”. Eu sabia que seria roubada, mas emprestei assim mesmo. Torno a acessar a internet. Esse Douglas é muito feio e se acha o gostosão, vive falando que pega a mulherada, mas eu tenho as minhas dúvidas. Dezenove anos recém completados e se acha o bichão. Ainda tem muito o que aprender.  Em dia de aula, é um burburinho daqueles! Principalmente, na hora da saída: aluno jogando a chave na mesa e, as vezes, acabam levando-as meio que sem querer. Se a gente não for atrás, a bronca come para o nosso lado. Já aconteceu de uma aluna não devolver a chave e eu pedir para uma colega dela de informá-la e fui bem claro:

-Se você encontrá-la, diga-lhe que, por favor, venha devolver, ainda hoje. Se não, ela vai pagar uma multa de...

Não deu meia hora para que ela viesse aqui com a chave na mão, pedindo mil desculpas. Outro dia, telefonei para um aluno que não devolveu a chave e esse falou:

-Agora, estou no ponto de ônibus. Posso entregar amanhã?

-Sim, mas fique sabendo que você terá que pagar uma multa. São ordens da instituição.

Menos de cinco minutos, ele estava aqui todo esbaforido.  Quando se mexe no bolso, a situação muda de vez. Tem aluno que é mala! Porém, eles, querendo ou não, são os nossos patrões. E o que dizer dos professores? A primeira coisa que nos orientam, quando iniciamos as nossas atividades, é falar com eles apenas o essencial. O esquema funciona da seguinte maneira:  o professor chegou, entrega a lista de presença e, sem que ele perceba, anotar, no relatório de ocorrências, o horário em que entrou na sala.  Terminada a aula, anotar a hora em que saiu, receber a lista e verificar se está assinada. Perdi a conta das vezes em que corri atrás dos professores para assinarem esse documento. Se não fizesse, a coisa ficaria feia para o meu lado. Estava marcada, a tarde, uma aula com o doutor Zaidan, médico renomado e o suprassumo da chatice. Os alunos já se encontravam dentro do laboratório, mas ele ainda não havia chegado e pensei no pior. Fui até o andar superior, onde ele estava lecionando, e perguntei a recepcionista de lá:

-O doutor Zaidan continua dando aula?     

-Não. E pelo jeito, ele está uma fera. Chegou aqui soltando fumaça pelas narinas e disse que vocês iam ouvir poucas e boas.

-Nós quem?

-Você e o seu parceiro.

-Por quê?

-Porque vocês estavam regulando o horário dele.

Desci as escadas pensando: “Vou matar o Severo”.  Logo que o vi, contei-lhe o que havia acontecido e mesmo dizendo que não fez nada, eu falei:

- É a sua palavra contra a dele. Os professores são intocáveis e esse, principalmente. O doutor Zaidan não é brinquedo, teve gente, aqui na universidade, que já foi mandada embora, por causa dele. Nessas alturas, ele deve ter ido lá para o décimo quinto andar e, provavelmente, foi fazer queixa da gente para a Barbara. Desde já, quero te dizer que a Barbara não é igual Clarice.

O doutor Zaidan chegou, nesse momento. Entregamos a lista de presença para ele, que se dirigiu ao laboratório sem dizer nada e tal postura foi a mesma, após a aula. Acredito que essa história tenha ficado por isso mesmo, assim espero. No mês passado, o meu salário foi, antecipadamente, depositado. Agora, eu não compreendo isso. Por que o meu dinheiro não caiu, hoje? Porcaria de salário, droga de emprego! Como vou explicar isso para a gata? O Lucivan, quando começou a trabalhar aqui, era a descrição em pessoa até se revelar, de vez, uma boneca. Já houve quem reclamasse dele para a direção, porque se sentiram assediados por ele, até os alunos.   Além disso, a fama de velhaco desse perobo corre solta, aqui na faculdade. Mas, comigo não. Apesar de ter começado recentemente, Severo vem demonstrando muita eficiência. É claro que, ele, de vez em quando, precisa de umas orientações, mas, pelo menos, tem boa vontade. Dia desses fui encarregado de arrumar o auditório e depois de ter trabalhado arduamente, me sentei e pedi, delicadamente, a Manoela que me servisse um cafezinho. Essa se fez de desentendida, mas, para a minha surpresa, a Clarice viu tudo e falou:

-   Eu não acredito nisso, Manoela! O que é que custa fazer um favor para alguém? Ele está sempre disposto a ajudar todo mundo, aqui na instituição.

A própria Clarice foi quem me serviu e a Manoela ficou com cara de tacho. Bem feito! Logo ela, que se diz tão religiosa. Já viu religião definir o caráter de alguém? É por isso que eu não tenho religião nenhuma. Estou certo de que isso contribuiu mais ainda para que as bocas pequenas especulassem que eu sou protegido da Clarice. Aqueles que pensam assim, aconselho a irem até a sala dela e dizerem isso para ela. O seu Oliveira está muito assoberbado, pois, a toda hora, é requisitado. Vendo por esse ângulo, eu compreendo o estresse dele. Os alunos começam a chegar e o Severo vai entregando a chave para cada um, na proporção em que esses preenchem os seus dados na lista de assinatura.  Comecei trabalhando no décimo quinto andar e fui, durante o estágio probatório, transferido para o quarto andar, onde o Hudson foi o meu parceiro. Lá, eu aprendi muita coisa e estabeleci uma boa relação com os alunos e professores. Um dia, a Clarice convocou uma reunião e chamou todos os recepcionistas, exceto o Hudson e eu. Pensamos no pior e de repente, fomos informados de que ela havia mudado todo mundo de andar, exceto nós dois.

O professor chega e diz que a aula vai ocorrer em outro andar. Os alunos abrem os armários, pegam os seus pertences e devolvem as chaves. Vejo o seu Oliveira chegando e começa a colocar a mão na massa. Conto os minutos para o meu intervalo e só penso, agora, em ir procurar o Lucivan. Terei o maior prazer de colocar aquela borboleta para voar. Quando eu voltar do intervalo, o Severo vai embora e ficarei aqui até as vinte e duas e dez. Tenho certeza de que, logo mais, vão precisar de mim. Só espero não ir para o décimo quinto, pois lá o pessoal só quer “venha nós”.   

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...