INOCENTES MAS NÃO MUITO

Esta nova história de entretenimento, é um verdadeiro desafio do autor e uma estreia absoluta no tipo de argumento e enredo que ele decidiu utilizar. Pela primeira vez, um casal homossexual, dois rapazes, protagoniza a novela e as surpresas, encontros e desencontros serão muitos e de muita sensibilidade. É a história de amor entre Tiago & Edson, que promete derrubar mitos, preconceitos, diferenças, tudo a bem do AMOR!

2Likes
0Comentários
315Views
AA

1. Inocentes mas não muito...estreia.

Lisboa, 2014

Um início de noite primaveril de Abril, no seu início, a lua cheia amarelada, as estrelas próximas também tingidas pela mesma cor suave. A aragem já amena e o cheiro a rio invadia as ruas da cidade. As andorinhas, essas ainda voavam doidas, apressadas numa aflição quase medonha.

Alva Assunção e o marido, Alberto Assunção, preparavam-se para dar um jantar em honra daquela que desejariam como futura esposa do único filho - Rosa de Melo e Castro, uma jovem estudante de Direito, filha de uma conceituada Juíza Criminal, poderosa, riquíssima. A filha parecia ser mais simples, mas pouco humilde. Conheceu Tiago na faculdade e se encantou. O namoro durava há já dois anos e meio. Mas nem naquele dia tão especial o rapaz fez um esforço para chegar a casa a horas decentes, pelo menos no conceito de horário da sua mãe. Alva começava a stressar e pediu à empregada Tânia que servisse uns aperitivos. Alberto mantinha-se descontraído:

- Tens de falar com o teu filho. Nem no dia de hoje? Mas será possível? Será que ainda está a surfar quase de noite?

- Oh Alva...é um homem adulto! Que posso fazer? Que podemos fazer? Já lhe telefonaste?

- Naturalmente que sim, umas vinte vezes. Tem o telemóvel desligado. Nestas situações isso sempre acontece... - E voltou-se para Rosa, meio cabisbaixa: Oh filha...logo ele virá. Tu conhece-lo bem. Tens de te esforçar para mudar a rotina deste rapaz! Ele e aquela loucura pelo surf. Oh Deus! - A mulher mostrava-se desapontada. Mas quase a passar uma hora e Tiago entrou em casa, com a expressão mais despreocupada do mundo, herdada de certo, pelo pai:

- Boa noite a todos! Rosa? Que fazes aqui? Combinámos alguma coisa? - E poisou as chaves do carro e o telemóvel sem bateria. - Ah, esperem. Esqueci-me mãe...do jantar!

- Oh filhinho...vai tomar um banho imediatamente. Aguardamos por ti para jantar. - Avisou com um sorriso cínico. - Vamos esperar Rosa.

- Tudo bem dona Alva. O Tiago é mesmo assim, mas gosto dele. Já estou habituada a esperar horas a fio que venha ao meu encontro, mas não desistirei. Posso usar o toilete?

- Claro...sabes onde fica. - E a sós com o marido. - Vês Alberto? Que classe, que charme...parece uma pluma. E ouviste bem? Toilete...que fina. Mas o teu filho me pagará.

- Ai Alva...poupa-me. Já não aguento mais ouvir e ver o quanto babas por essa moça. É o nosso filho que tem de gostar dela, é ele quem se casará, não tu.

- Sim claro. Mas está a correr bem, eles namoram e esse casamento ficará marcado e selado a partir de hoje. Está na hora de ele acertar... - Nisso entrou Tiago:

- A falarem de mim, para variar. E eu por acaso estou desacertado? Só acho que ainda sou muito novo para casar...

- Cala essa boca Tiago Alexandre. E vê bem se cortas esse cabelo comprido e ondulado, que já me irrita. E não me venhas com essa conversa de que é moda nos surfistas. Que se danem todos! Olha Rosa, o teu namorado, quase noivo, já chegou. Ainda com o cabelo molhado do banho! Que maroto!

Sentaram-se à mesa e o jantar foi servido. Degustaram-no em paz, saboreando aquela perdiz estufada. Depois, tomaram um licor na sala de estar. Alva estava ansiosa por anunciar o noivado...

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...