Good for you

Ela o amou desde primeiro momento, mas teve medo e manteve-se na friendzone. Seu maior desejo é que ele a olhasse da mesma forma, iria lutar até o fim por esse amor. O que ela não sabia é que iria descobrir novos rumos, uma nova paixão e o principal iria aprender a acreditar nela mesma.

0Likes
0Comentários
1069Views
AA

8. Tic Tac

  O concurso estava chegando, faltava quatro dias e o meu nervosismo só aumentava. Comecei a correr antes de dormir, isso sempre tirava minha ansiedade. Na verdade minha cabeça não parava de pensar no misterioso e-mail que recebi, depois daquele dia nenhum sinal do tal fã. A Bia acha que deve ter sido uma brincadeira, porém algo me puxava para essa história. Cheguei em casa suada e morta da corrida, subi para o banho e só depois passei a mão no meu celular. Havia algumas mensagens do Diego me convidando para ir tomar sorvete e conversar um pouco, estava cedo ainda e resolvi aceitar. Sentamos na praça e logo que bati o olho para outro lada da rua avistei ele, Dylan. Estávamos nos falando um pouco menos, como previ esse namoro começou a nos distanciar.

- Se olhar arrancasse pedaço seu amigo ali tava frito - disse Diego com uma voz de desdém. Só então percebi que deveria estar realmente concentrada no Dy, ele estava tão lindo (novidade né?)

- Desculpa Diego, nem percebi. Ultimamente estamos meio afastados, a namorada dele não me curte muito. - Respondi sem jeito.

- Olha Sel, você sabe das minhas intenções contigo. Mas vou te falar algo aqui como amigo, nós homens infelizmente damos valor para algo quando perdemos. Então não fica brava comigo não. - Disse ele com um sorrisinho no canto da boca.

- Brava pelo quê? - Perguntei sem entender

- Por isso aqui! - Diego se aproximou, acariciou meu rosto e senti um frio na espinha. Mesmo assim não consegui afasta-ló, nos beijamos. Um beijo doce e que com certeza vez meu coração disparar. Quando me distanciei dele, respirei fundo e tentei assimilar o que havia ocorrido, foi quando olhei para o Dy, a expressão dele era séria. A Tay puxou ele e logo foram embora.

- Sel.. você tá bem? Não quer me matar né? - Perguntou o Diego meio nervoso com o silêncio que se fez

- Não Diego, estou bem. Quer dizer não esperava que me beijasse aqui, é que... Não sei o que te dizer, não sou boa nessas coisas.

- Não precisa dizer muita coisa, só uma. Você gostou?

- Sim! - Nem vi quando a resposta saiu, mas era verdade. Eu havia gostado sim, do beijo, da maneira como Diego olhava para mim e me fazia sentir especial. É bom sentir-se assim!

- Ótimo! Eu também gostei, dessa forma você não se importa se eu repetir? Tipo agora.. - Ele se aproximou mais de mim e eu o puxei. Ficamos ali nos beijando durante um tempo. Quando recebi uma ligação da minha mãe parecendo preocupada e brava pela minha demora. Nem havia visto o tempo passar. 

Cheguei em casa e minha mãe ficou me encarando com um ar esquisito.

- Desculpa mãe, não vi o horário! Irei prestar mais atenção, estou indo pra cama..

- Espera Sel! Você gosta mesmo desse rapaz? Esse Diego? Ele é mais velho né? - Nossa fiquei até atordoada com tantas perguntas da minha mãe.

- Sim mãe, ele é mais velho, é um cara legal e parece estar gostando bastante de mim. 

- E você?

- Eu o quê?

- Está gostando bastante dele também?

- Estou me permitindo. - Foi a única coisa que consegui responder. Eu havia curtido ficar com Diego, mas não podia afirmar que já estava apaixonada por ele. Meu coração ainda batia por outro.

- Entendi filha, só tome cuidado! Essa história de curar um amor com outro pode acabar machucando mais. - Fiquei meio pasma com a resposta da minha mãe, será que ela sabia dos meus sentimentos pelo Dy? Como? Só a Bia sabia e ela jamais contaria. Abracei ela e dei um beijo em seu rosto dizendo que não era para se preocupar.

  Deitei na cama, mas como previ estava sem sono. Então resolvi fazer uma coisa sem sentido, mandar um e-mail para o tal misterioso.

Qual música prefere: O que eu também não entendo - J. Quest ou Primeiros Erros - Capital Inicial ?

Me senti uma idiota assim que enviei, esperei a resposta por um tempo e nada. A certeza que eu podia ter era que eu precisava decidir, o tempo estava acabando não só para o concurso, mas também para que eu não perdesse as oportunidades que a vida estava me dando. E sabe de uma coisa, estou farta de perder as oportunidades, é hora de aproveitar.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...