Make Me Wanna Die

“You make me wanna die I'll never be good enough You make me wanna die And everything you love Will burn up in the light And everytime I look inside your eyes You make me wanna die” As escolhas que tomamos podem afetar a vida de outros também... E não significa que o jogo pode virar. Não significa que, se seus sentimentos mudarem, você será merecedor de um perdão. Há coisas as quais nunca seremos capazes de lidar. O certo e o errado. A vida e a morte. Emily Dunckan não era uma jogadora. Ashton Parker não era um jogador. Eles estavam num jogo por acaso... Mas Emily sabia menos sobre o jogo que Ashton... “Você me faz querer morrer...”

5Likes
2Comentários
152Views

2. Chapter I

Dizem que há males que vem para o bem...

Talvez sim, talvez não...

A porta do quarto branco se abriu, uma garota ruiva de olhos puxados andou sorrateiramente até a cama. Seu coração estava disparado.

"Não acredito que Ashton Parker está bem aqui, diante dos meus olhos... Dormindo como um anjo e... BABANDO?  Como assim?" - Pensou a garota observando o rapaz de peitos nus tatuados.

-Ashton é hora de...-Daniel, o segurança, olhou a garota desentendido.

-Quem é você?

-Sou prima dele!- A garota forçou confiança, mas Daniel percebeu.

-E eu sou Michael Jackson! Anda, vem que te mostrarei a saída!

Enquanto Daniel tratava de tirar uma ruiva resmungona do quarto, Ashton acordou com o barulho da porta batendo.

-Tem sorte de eu não chamar sua mãe e a polícia! - Logo ele apareceu no quarto novamente, lançou a Ashton um olhar apressado.

-Invadiram meu quarto de novo? - Então ele sorriu ironicamente olhando para Daniel. - Onde está meu segurança em uma hora dessa?

-Estava vendo se Nathan precisava de algo.

-Até onde eu sei, você é um segurança exclusivamente meu... Nathan também tem um se não sabe, acho que você até conhece ele, Ernest... Ele se parece com você... Ah, ele é seu irmão!

O humor de Ashton pela manhã não era dos melhores. Para muitos ele era considerado o membro mais irritante da banda, o mais atrevido, o menos pontual, mas em compensação o mais maduro e responsável (menos quando se tratava de acordar cedo) e também o mais bonito segundo 65% das fãs.

Talvez o sorriso de garotinho com as atitudes de Bad Boy encantasse a maior parte das garotas...

Ou talvez a Luxúria de desejar exatamente o rapaz rebelde que mais aparece nos shows, com sua bandana, guitarra e um microfone perto dos lábios. Existem várias possibilidades. -Você tem 40 minutos para estar na portaria do Hotel, devidamente vestido.  Entrevista com a Ellen. Você sabe que ela veio até aqui exclusivamente para falar com vocês!

-Você estando lá com meu Frapuccino de baunilha e canela quando eu descer tornará o meu humor muito mais "maleável". Você não quer que eu aja como um troglodita com a fofa da Ellen, não é mesmo?

Daniel revirou os olhos e saiu do quarto deixando Ashton só.

Parte do trabalho dele era garantir que Ashton chegaria vivo, vestido, em segurança e principalmente, com o mínimo de mau humor possível, a qualquer lugar que ele fosse. Ashton entrou para o banho e deixou que a água quente caísse sobre seu corpo. Ele estava exausto. A turnê estava o matando. Seis meses fora de casa. Mas aquela noite seria o último show e então ele teria descanso. Não se livraria de cara dos paparazzis, nem de algumas entrevistas já agendadas, algumas premiações... Talvez tivessem que gravar um clipe, mas para ele aquilo já era mais descanso do que ele imaginava ter...

Saiu do banheiro enrolado com uma toalha branca. Pegou a calça preta com rasgos no joelho e uma camiseta branca com alguns furinhos. Ashton se vestia de uma forma única, seu estilo rock-grunge foi imitado por milhões de garotos e até garotas desde que a banda começou a fazer sucesso. Colocou a bandana entre os cachos castanhos medianos e saiu do quarto, entrou no elevador e foi em direção à recepção do hotel, Daniel o aguardava com o Frapuccino.

-Até que enfim Parker! - Zac gritou, fazendo com que uma senhora se assustasse.

-Não enche Zachary. - Ashton disse ignorando o amigo, eles haviam brigado na noite anterior, depois do show.

-Ainda brigado com o Zac? -Ícaro perguntou ao amigo.

-Não gosto que gritem comigo...

-Você é muito insistente... Principalmente com coisas insignificantes...

-Escuta Ícaro, - Ashton olhou de Zac a Ícaro rapidamente e disse forçando um sorriso. - Vai ficar tudo bem. Eu e Zac somos assim. Nós brigamos, ficamos tempos sem nos falar e depois ficamos bem de novo.

-Espero que sim... O show de hoje tem que ser o melhor de todos! - O garoto ruivo sorria de orelha a orelha. Estavam todos cansados, porém animados com o final da turnê. Menos Ashton. Ele estava preocupado.

"-Ashton, tenho uma coisa séria para conversar com você.

-Bem Harold pode falar o que quiser comigo desde que eu não tenha que acordar cedo amanhã para ir te ver... Você não é a primeira coisa que eu gostaria de ver pela manhã, entende?

- Ashton sorriu com a sua piada. Esperava uma reação engraçada do chefe.

Harold nem se quer riu da piadinha sarcástica de Ash, continuou sério.

Após um breve silêncio Harold retomou o assusto.

-Após o a entrevista da Ellen é para você ir direto para o aeroporto e vir para Nova Iorque, estarei te esperando.

-É tão sério a ponto de eu ter que ir para Nova Iorque antes dos outros?

-Sim. Estarei te aguardando. - Dizendo isso, Harold desligou o telefone deixando Ashton confuso."                          

°°°

 New York        3pm

O avião pousou e Ashton foi o primeiro a desembarcar, já eram três da tarde. Pegou um táxi direto para o hotel e chegando lá foi informado de que Harold Versachio o esperava na cobertura onde os garotos da banda ficariam.

-Espero que seja mesmo muito importante Harold! - Ele disse ao entrar.

-É muito importante... É bom que preste atenção.

-Pode falar. Juro que não enfartarei.

-Eu sei que está entediado e por isso está fazendo tantas piadinhas,  mas sei que você é muito maduro e responsável e é por isso que você está aqui e não outro membro da banda.

-Pois então me diga o que é Harold!

-Eu quero que assine um contrato. Seu salário irá triplicar, você terá mais benefícios também. O que eu quero de você é extremamente importante, eu não pediria se não fosse. Ashton passou a mão pelos cabelos preocupado. 

 "Se ele está tão nervoso não pode ser coisa boa..." - Ele pensou.

-Fala logo Harold.

-Você conhece Emily Duncan, não?

-Sua sobrinha... Todos conhecem. - Aquilo não fazia sentido para Ashton.

-Exato. Emy é uma garota um tanto complicada, Ash. Dizer que ela já foi muito doce e meiga pode soar estranho para você. Mas desde que Emy perdeu os pais, a fama tem um efeito negativo sobre ela. Entende? Ela não tem respeitado o contrato dela, tem feito cada vez mais polêmica... - Ashton o interrompeu.

-Okay, mas não vejo o que isso tem a ver comigo...  Com todo respeito.

-É aqui que você entra. Emily precisa de alguém que ajude ela a seguir as regras, alguém de fora. Os amigos dela não ajudariam, eles são a favor de tudo que Emy manda.

-Mas eu nem sou próximo dela. E duvido que ela escute a mim... Ela me assusta também, toda aquela atitude de garota má... É como se ela fosse matar com os olhos qualquer um que a contrariasse.

-Vocês vão ficar próximos... Até porque você vai namorar ela.

Ashton esperou Harold rir e dizer que era uma brincadeira. Nada. Ele começou a rir escandalosamente.

-Mas nem fodendo! Você está de brincadeira, não é?

-Não Ash.

-Escuta aqui Harold, eu não sou nenhuma prostituta para sair com sua sobrinha por "cachê". Você pirou, foi? Nem fodendo. Ainda mais com Emily, sabe o que ela fez com o último namorado dela? Ela quebrou o carro dele. E ainda o esbofeteou na entrega do Grammy.

-Ele traiu ela, é só você não traí-la...

-Okay, ele estava errado. Mas ela é descontrolada. Eu tenho minha vida.  Não estou afim de namorar ninguém agora.

Harold o olhou, ainda com a expressão branda, como se aquela fosse uma proposta simples.

-Mas eu tenho certeza que você quer continuar numa banda.

- Claro. The Future's Avengers é a minha vida.

-A partir de agora, The Future's Avengers e Emy Dunkcan são a sua vida!

-Eu não vou assinar esse contrato.

-Você não tem uma outra alternativa, entende Ashton? Você gosta de ter uma banda, e eu gosto de que meus contratados cumpram as regras. Você é o único capaz de conseguir colocar Emy nos eixos.

-Uma clínica de reabilitação tem a mesma capacidade.

-Clínica de reabilitação produz um efeito negativo na mídia, namorado rock star gera mais capas de revistas, mais dinheiro e uma Emy que não falta shows para dar uma festa privada regada a bebidas.

-Você sabe que eu não sou nenhum Santo.

-Sei... Mas sei que é equilibrado Parker, que és mais discreto e que tirando pontualidade, és responsável. -  Harold sorriu. - 10 meses Ashton, nada mais que isso.

-Eu não vou assinar isto.

-Não há alternativa se você quer continuar com uma banda.

Ashton olhou de Harold para o papel que acabara de ser colocado sobre a mesa rapidamente e algumas vezes. Ele não queria ser ninguém de novo. Ele amava cantar. Mesmo que estivesse exausto. Ele gostava da fama.

Ele pensou...

Era arriscado,  ele poderia magoar a garota.

"Vale a pena Ash?" - Ele respirou.

-Onde eu assino? 

-Bem no final da folha.

-Harold, 10 meses, e é bom facilitar as coisas para mim, pois "conquistar" Emily não vai ser fácil.

-Cuidarei de facilitar o que for possível.

"Eu não tenho outra escolha, tenho?" - Ash pensou antes de colocar a caneta encostada no papel. - "Eu não tenho mais nada a fazer. Eu não quero perder minha vida." Ashton suava frio.

 Ele não gostava de fazer as coisas erradas. E a idéia de namorar a garota “mais assustadora” do Rock não facilitava as coisas.

 "Não vai ser tão difícil. Emily é bonita, muito gostosa, tem influência... Não vai ser tão difícil passar 10 meses com uma garota como ela. A não ser que ela me odeie... Aí sim, terei um problema."                          

°°°

London        8 pm

-Dunckan. Acorda. Temos um show pra realizar! - Evan disse ao abrir a porta do quarto da melhor amiga. 

Ela estava apenas de lingerie, as aquilo era completamente normal para ele, afinal, eles se conheciam a 18 anos. Era tempo suficiente para Evan saber que a amiga estava bêbada. Não que fosse um problema, seus melhores shows aconteciam depois de uma boa dose de álcool.  Mas ele não gostava disso. Preferia que a amiga fizesse um show ruim, pois temia que algum dia a mesma entrasse em coma alcoólico.

-Simmas, não estou em condições. - Ela disse um pouco mais alto do que o necessário.

-Você vai deixar 20 mil fãs esperando?

Os Fãs eram o ponto fraco de Emy, por isso ela olhou para Evan com uma cara mau humorada, coçou a cabeça e foi para o banheiro onde tomou um longo banho. Quando saiu do quarto, Evan estava no sofá da sala, com seu jeans rasgado e camisa preta cavada, mostrando os braços definidos, os cabelos negros estavam bagunçados; como sempre. Emily estava com meia 7/8 pretas, ankle boots com tachas e uma camisa dos Beatles sem mangas, cavadas de forma que a renda do sutiã e também algumas costelas da garota ficassem a mostra, grande o suficiente para tampar o minúsculo short jeans que ela usava. Os longos cabelos loiros platinados caíam em ondas até um pouco abaixo da cintura. Batom vinho, nos olhos muita sombra negra.

-Então vamos Simmas... Que bom que não estou bêbada.

Evan riu e sussurrou um "Não... Imagina..." e então eles foram e direção ao Chevy Impala SS 1967 preto de Evan, o qual ele havia reformado até ficar perfeito. Haviam alguns paparazzis escondidos, para os quais Emily fez questão de abrir a janela e mostrar o dedo do meio.

-Você é louca Emy! - Evan comentou sorrindo.

-O caralho a quatro para eles... Filhos da puta sem o que fazer! Não nos deixam em paz... Sabem porque eles ficam ali, Simmas? Não é pra avisar no Twitter que estamos indo pro local do show. É pra nos flagrar fazendo algo errado. Mas eu sinto muito por eles, porque não foi dessa vez!

 Evan ria discretamente da revolta da amiga. Eles se conheciam desde que eram espermatozóides (era o que ele dizia, já que seus pais eram amigos) e Emily sempre foi quem liderava tudo. Ela era a líder da sala,  quem resolvia o que deveria ser feito para os trabalhos e foi ela quem juntou a banda. Emy sempre foi uma lider nata.

Evan parou o carro a algumas quadras da arena O2. Pegou o telefone e ligou para Amber.

-ONDE VOCÊS ESTÃO SEUS DESGRAÇADOS? OS MENINOS ESTÃO PIRANDO AQUI! - Amber era a melhor amiga de Emy e dos garotos da banda, ela estava sempre com eles como se fosse uma rodie, e estava sempre muito preocupada.

Emy apostava na amiga como uma futura mentora ou até mesmo empresária de uma banda.

-Estamos a três quadras da arena, mande alguém nos buscar.

-Por qual motivo vocês ainda não estão aqui, Evan Simmas???

Evan riu baixo do estresse de Amber.

-Porque atropelar fãs deve ser crime, ou no mínimo uma falta gravíssima. E eu não sujaria o Impala de sangue...

-Faz sentido. Estou mandando a van ir buscá-los... Me diz, por favor, que a Emy não está bêbada.

-Ela não está bêbada.

-Que alívio!

-Amber. - Evan riu ao olhar para a face de Emy, a qual demonstrava desprezo. - Eu só disse porque você pediu.

-MAS QUE PORRA! EU VOU MATAR A EMY! PORQUE ESSA VADIA ESTAVA BEBENDO DESSA VEZ?

-Ela não vai dizer. - Evan esperou que Emily o xingasse, mas ela permaneceu imóvel. - Apenas mande a van logo.

-É, ou eu desisto desse show para ir atrás de John Mayer... Fiquei sabendo que ele está no London Eye. - Emily disse alto para que Amber pudesse ouvir.

-Desde quando essa piranha é fã de John Mayer? - Amber perguntou.

-Amber quer saber desde quando você é fã de John Mayer... -Evan repassou a pergunta para Emy que o olhou com desdém.

-Desde nunca... Mas ele é gostoso.

Evan riu e Amber cedeu a risada dessa vez.

-Emy está completamente bêbada... A van já está indo. –

Okay. - Evan desligou o celular e ambos, ele e Emily, ficaram em silêncio até a hora em que a van preta parou para que eles entrassem.

-Vai ser um excelente show!

-Se você diz, Ev... - Emily fechou os olhos e aguardou a chegada. 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...