Stage Lovers


5Likes
0Comentários
734Views
AA

5. Walking On The Outside

Minha mão estava formigando. Agarrei a barra da blusa para não dar um tapa. Não, não iria fazer isso. Se garotas realmente torcavam de roupa com uma frequência incrível, então o que eu sentia era uma garota. Primeiro eu não senti nada. Em seguida, raiva. E aí, veio a decepção junto com a tristeza. E, meu Deus, como eu me odiava por isso, senti meus olhos, já inchados, se encherem de água de novo. 

- Você... Você também apostou alguma coisa? - perguntei num tom de nojo.

Sentia meu cenho franzindo e meus lábios tremendo a cada palavra.Não podia chorar. Não podia. Não ali. Fique firme.

James respirou fundo.

- Não, Natalie, eu não participei disso, eu...

- Mas você sabia - o interrompi, já nervosa - Não sabia?

Senti os olhares dos meninos se tensionarem. Mas não ousei olhar para eles. Manti-me com o olhos nos de James. Ele sabia disso? O tempo todo? talvez na verdade não fosse aquilo que estivesse me deixando magoada, mas o fato de que ele prefeirou se calar mesmo depois do nosso beijo. Mesmo depois de estarmos "tecnicamente namorando". Tanto eu como Liz fomos rápido demais. E se eu também estivesse dentro da jogada?

Parecia que alguém estava enfiando uma faca no meu peito quando ele balançou a cabeça positivamente. 

Ele me olhava, esperando pra ver qual seria minha reação, enquanto eu piscava para afastar as lágrimas e balançava "nãos" com a cabeça. Queria negar tudo aquilo, queria que não estivesse acontecendo. 

Ainda balaçando a cabeça, passei por ele sem nem me preocupar em esbarrar em seu ombro e fui direto até o sofá. Ignorei os olhares de todos aqueles..... imbecis que eu havia considerado confiar e peguei minha bolsa. Pendurei-a e saí porta afora.

- Natalie!

Ele podia me chamar quantas vezes quisesse. Eu não acreditava que ele tinha feito aquilo. Escondido esse tipo de coisa? 

Apertei o botão do elevador.

Senti a mão dele no meu braço.

E me puxou.

Eu estava de frente pra ele.

Assustada, até. Com a força do ato.

Eu não olhei para ele. Não para seu rosto. Meus olhos ficavam na altura do seu peito. Então eu sentia sua respiração na minha testa, que aliás, parecia bem calma, enquanto a minha estava começando a se descontrolar pela proximidade.

- Natalie, você tem que acreditar em mim. - sussurrou.

Eu estava parada. Não me mexi. Por que, Deus, por que eu não me mexi? 

A mão dele já estava no meu rosto, tocava minha bochecha, meu pescoço e minha orelha por baixo do cabelo. Meu corpo já estava arrepiado. Só com aquele toque. 

- James... - tentei impedir.

Senti a eletricidade explodir em minhas veias quando sua boca tocou a minha. Eu não deveria....Mas não iria negar, que tínhamos algo. A intensidade daquele beijo estava aumentando. A outra mão dele me segurava pela cintura e me puxava para mais perto. Definitivamente tínhamos algo.

Eu sabia que não deveria deixar aquilo acontecer, não quando eu estava nervosa, desapontada. Senti uma lágrima, quente e solitária, correr pelo meu rosto.

Minha mão estava segurando o pulso dele. No calor do momento, aquele beijo estava indo longe demais. Mas era bom, e eu queria...

Não podia.

Não podia. 

Não podia. Não podia. Não podia!

O elevador se abriu. Separei o beijo e tomei fôlego.

Se eu queria tomar minhas decisões com clareza, deveria parar de deixá-lo me beijar assim.

Me desculpa.

Foi tudo o que eu consegui quase sussurrar. Tão baixo... Enxuguei a lágrima e dei as costas para James ao entrar no elevador.

Não me virei até as portas se fecharem.

 

*****


O tempo que o elevador demorou até o hall principal me deu tempo para parar de chorar e vasculhar dentro de minha mente o próximo passo. Só quando cheguei na entrada do prédio que percebi a chuva caindo. Aquilo só podia ser brincadeira.

Direcionei meus olhos para a rua, procurando onde havia estacionado o carro. Não podia estar tã longe. Mas não o encontrei. 

Senti o pânico vindo e automaticamente peguei o celular. Liz. LIZ? 

"Espero que não tenha se importado... sobre o carro! Te devo essa! xx"

Sabe-se lá Deus onde ela tinha ido com aquele cretino e com o meu carro! Disquei o número dela. 3 toques. E ela geralmente atendia. Vamos, Liz, anda logo. Eu esperava que não fosse tarde demais. 7 toques. Finalmente.

- Agora não, Natalie. Sinto muito pelo carro. Hum...amanhã... você terá - eu estava ouvindo barulhos de... beijos? - Você terá ele de volta.

Anda logo, Liz.... 

Casey.

Aí foi o ponto crítico. Meu coração parou de vez. Deixei a raiva tomar conta.

- Eu não aguento te ver assim....

Tira as mãos dela, seu idiota! AH!

Eu queria gritar, gritar, gritar.

- Liz, espera...

Ela desligou. 

A chuva leve tinha se tornado quase uma tempestade. Parece que a natureza jogava contra mim. Isso não podia ser possível. Olhei ao redor. E vi James saindo do elevador. Não, não, não, não!

Saí do prédio e comecei a andar o mais rápido que pude. Senti um baita frio quando senti a chuva me molhando. Não me importava. Era um preço pequeno no momento. Nem ousei olhar para trás. Mas ouvi os passos dele correndo. E corri também.

Meus pulmões já ardiam quando dobrei a esquina.

 Parei um momento. Táxi. 

Fiz um sinal desesperado e ele parou.

- Natalie! - ele tinha me alcançado - Natalie.

Ele estava todo molhado também. Eu segurava a porta do táxi. E ele me olhava. 

- Eu não vou desistir de você. 

Então estávamos nós dois. Ali. Parados em meio a chuva. Nos encarávamos. Eu não sabia o que sentir. Sabia que talvez mais tarde, quando colocasse a cabeça no travesseiro, iria sentir a tristeza de ter dito aquelas que estava na minha boca. Sabia que iria me arrepender. Mas era o que eu precisava naquele momento. Até que as coisas se ajeitassem e eu tivesse cabeça para entender o que eu sentia e o que queria. Era a coisa certa, era a coisa certa.

- Preciso de um tempo.

E fechei a porta do táxi, deixando-o ali. Estático. Abalado, até.

Encolhida no banco traseiro, finalmente permiti-me chorar um pouco. Só até lembrar do que tinha causado tudo aquilo. Eu estava sacrificando o que eu queria por ela. E eu estava começando a ficar com medo de que aquilo estava sendo em vão. Eles provavelmente já deviam estar na cama de algum lugar.

Quarenta minutos depois, eu estava de pijamas e encolhida debaixo das cobertas na cama, enquanto a chuva fazia um barulho estrondoso lá fora.

Por incrível que pareça, não chorei. Nenhuma lágrima. Talvez elas tivessem secado completamente ou talvez eu ainda estava na fase de não acreditar no que tinha feito.

Naquele momento eu soube que mesmo tendo "terminado" com ele, sempre teria umpedaço de James comigo. No meu coração. Todos os "talvez" ainda me confundiam. Talvez teria alguém por aí que fosse certo pra mim. Mas o que eu sentia, o que eu e James tínhamos em tão pouco tempo... estava me cegando. 

Num minuto, papel e caneta estava na minha mão. 

Deixei minha mão ser guiada pelas letras e então tinha uns pedaços.

 

I never want you to look back on me and think I was a mistake
Just remember our love and forget about the heartbreak
We were kids, playing with love
Because we didn't know that it could hurt like this

And that's when the tears fell like rain

Now we're both walking on the outside, in the middle of this storm
Hoping that it will pass, but right now 
We're walking in the rain
Wishing things were different, wanting things to change
But as of right now, we both are walking home in the storm

Because when we say it's over, it never really is
We still will have a piece of each other for the rest of our lives
Thinking maybe you were the best for me
Maybe there is someone else, but our love is still blinding me

And that's when the tears fell like rain

Now we're both walking on the outside, in the middle of this storm
Hoping that it will pass, but right now 
We're walking in the rain
Wishing things were different, wanting things to change
But as of right now, we both are walking home in the storm

I'm ready for this love to have a happy ending
Have a happy, happy ending
For me to be able to look at you and not want to kiss you

Now we're both walking on the outside, in the middle of this storm
Hoping that it will pass, but right now 
We're walking in the rain
Wishing things were different, wanting things to change
But as of right now, we both are walking home in the storm

Because this waiting in the rain is getting hard on me


Ah, James...

Acho que eu te amo.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...