O problema Leo

Cativante, espirituoso, engraçado, romântico e imortal. Acordei com minha mãe berrando do outro lado da porta. Ela gritava coisas do tipo " Leonardo, levante dessa cama agora" ou " Você esta dez minutos atrasado, não vai faltar na aula." Tenho até dó dela, quando ela grita eu fico meio que nervoso, e quando fico nervoso com minha mãe fico calado. Por motivos óbvios. Não importa a idade ela vai sempre me bater se eu boquejar com ela, Posso ficar de castigo. e também é muito feio boquejar com sua mãe. Seja lá o que ela for. Mesmo que você não saiba elas tem um esquema muito popular. Todas as mães sabem dele. E de alguma forma as suas filhas também vão saber dele e repassar pra toda eternidade " Ela pode mais você não" esse é um fato histórico, se ela perder o maldito remédio pra diabete da sua vô, ela simplesmente vai ir na farmácia sem reclamar de nada e comprar outro. Mais se você perder a agulha de trico que ela usa pra fazer o caralho a quatro sábado na quarta, se prepare.

13Likes
11Comentários
433Views
AA

4. Descobrindo a Eleonor

Ela se inclinou em uma mesa e colocou um pó em cima da tal, depois o endireitou em forma de I.
-Oque você tá fazendo Eleo...? - Acho que me alterei de mais porque ela falou antes mesmo de terminar de falar o nome dela
-Relaxa. - E por fim socou seu nariz no pó sugando tudo pra dentro. Ela balançou um pouco a cabeça e deu uma risadinha. O nariz dela estava vermelho. Ela me olhou e mordeu a boca. - Vem cá. Sua vez.
Não queria bancar o besta medroso então fui até a mesa e fiz o mesmo que ela. Não tinha palavras que descrevessem melhor o como aquilo era bizarro. Acho que depois de cheirar, beber alguma cerveja barata, e fumar oque devia ser maconha. Eu estava zonzo e minha barriga se contorcendo. Eleonor estava doida. Muito doida. Estávamos sentados na cama olhando um para outro dando risada.
-Léo. Cê ta chapado.- E por fim ela continuava rindo. Ri junto dela. Tudo estava girando, aumentando e diminuindo. Por um segundo achei que ela fosse cair então devo ter dado um tique. -Que foi? 
-Nada.
-Tá bom. Espera vou colocar uma musica. - Ela se levantou e ficou indo pra traz e pra frente cruzando as pernas. Depois de ter ligado a rádio voltou para a cama e ficou frente a frente comigo. "Ela é linda de mais deus". Mesmo chapada continua linda. Ela é do tipo de garota que fica bonita até com a cara enfiada na privada. Ficamos um tempo assim olhando um para o outro dando risadas cada vez menores até o silêncio dominar o barulho.
-Léo...
-Oque?
-Eu... ah, é ... Quero tentar uma coisa. Eu sempre quis tentar isso antes. Mais tem que fecha os olhos. Não pode olhar.
-Oque você vai fazer?
-Fecha os olhos.- ela falou mais alto.
Não queria fechar os olhos. Eu sabia que ela iria me beijar mais queria ficar de olhos abertos para ver que é tão real quanto posso imaginar. Mas ela praticamente tacou a mão na minha cara para tampar os olhos então deixei que se fechasse.  Em poucos segundos senti seus lábios fazendo pressão contra o meu. A sua mão saiu da minha (cara rosto não sei) e foi para minha nuca. Não sabia onde colocar minhas mãos. Queria apalpar ela toda. E de fato aquela seria minha unica chance. Deixei minhas mãos caírem pelas suas costas. E a outra deixei que acaricia-se seus cabelos. 
Ela parou de movimentar sua boca e sua cabeça se inclinou para traz pra me olhar melhor. Ela estava me olhando tão profundo o mesmo olhar que ela me lançava de vez em quanto.
-Oque foi?- Perguntei
-Nada... é que...Nada, não pare. Continue por favor não pare.
Não esperei nem mais um segundo apertei um pouco ela contra mim e a puxei mais para perto. A língua dela entrou na minha boca e ficou acariciando a minha. Tirei minha boca da dela e chupei seu pescoço então ela gemeu. (quanto teempo não esperei para saber como ela geme, pra ouvir seu gemido,para sentir ela aqui comigo, e agora nem dava pra acreditar que realmente estava acontecendo) Ela puxou minha blusa com brutalidade e a tacou perto do armário. Ela queria mais que um beijo. Mas eu não estava preparado para dar isso a ela. Não poderia entregar tudo de mão beijada. Não agora que estou com ela em minhas mãos. Ela sentou-se no meu colo, me deitei na cama enquanto ela se apreçava em tirar a blusa.
-Eleonor.
Ela não respondeu continuou a tirar a roupa. Sua respiração ofegante me deixava louco só me fazia deseja-la mais.
-Eleonor... Eu não posso...
Ela parou mais o sorriso bobo continuava no rosto.
-Não pode oque?-perguntou
-Está chapada, não faz ideia do que esta fazendo
-Sei sim Léo. Eu quero você
Aquelas palavras demoraram um pouco para serem abafadas na minha mente, queria agarra-la e beija-la, mal podia esperar para estar dentro dela, mais algo em mim dizia que ela não merecia isso, não poderia ser assim. Queria e quero fazer desse momento algo especial para ela.
 E assim brequei minha boca e afastei-me, ela tentou me beijar mas afastei-me ainda mais. 
-Oque está fazendo?
-Eu não posso Eleonor me perdoe mais eu não posso não assim, não aqui... Não agora. - Me levantei e coloquei a blusa que ela tinha me arrancado com tamanha brutalidade. Ela se endireitou na cama e pude perceber que me olhava. Provavelmente me achando um babaca.
-Qual o seu problema? Não pode simplesmente deixar rolar? Tenho que te ensinar como faz isso? Qualquer pessoa gostaria de estar em seu lugar hoje. E  você que tem tamanha sorte só não a utiliza. - Ela se levantou tomou folego e voltou a falar. 
- Podemos começar de novo!
Ela estava atras de mim e suas mãos tocavam minhas costas em movimentos de ziguezague. Me afastei dela e fui em direção a porta então dei uma ultima olhada nela que estava com os seios para fora do sutiã. Poderia dizer que eram belos par de seios. De um tamanho perfeito. Então voltei olhei um pouco mais para os seios dela. Ela mostrou um sorrisinho de satisfação e deu alguns passos ensaiados na minha direção. Então soube que era hora de partir. Sai do quarto e corri andar a baixo a procura da saída. Quando já estava lá fora ouvi um grito atras de mim.
-Você não pode ir embora. Está comigo. Não pode me deixar aqui assim. Você acaba de ferrar comigo LEONARDO. 
Ela estava enrolada em uma blusa grande de mais para a silhueta perfeita. Tudo aquilo parecia surreal de mais. Não podia acreditar que Eleonor estava me esperando mudar de ideia. Chorando de ódio por não ter conseguido oque queria.
Eu não poderia deixar ela sozinha ali, chorando passando essa humilhação por minha culpa. E pior, eu não sabia oque fazer. Será que ela se lembraria do que aconteceu? será que ficaria arrependida? será que me odiaria? Não importa. Primeiro porque esta tarde de mais e quase todos foram embora. Segundo que as únicas pessoas que ainda estavam na festa ou eram pessoas dançando musicas lentas, ou pessoas inconscientes pelo tanto de drogas que socaram pra dentro. E como são poucos a humilhação também deve ser.
-Vai para dentro,Eleonor pela mor de deus.
-Não me fale oque fazer. Acho que já tenho idade o suficiente para ter minhas próprias decisões.
Cruzei os braços.
-Tá legal. E oque você quer fazer?
-Eu só quero voltar pra droga daquele quarto e terminar a minha noite numa boa com você do meu lado. Será que você não pode fazer isso direito? porque você sempre tem que estragar tudo? porque você nunca percebe que as pessoas adoram você e estão sempre tentando aproximar. 
-Eleonor...
-Eu não terminei. Cala a boca e me deixa falar. -Ela respirou fundo, com desespero.- Tem tantas pessoas legais no Sparks, Léo. Mais você não vê isso não é mesmo? Todas as pessoas de que precisa estão ao seu lado, te ajudando a construir seu mundinho perfeito não é?
-Eleonor. Eu não...
-CALADO!!!- Ela berrou fazendo algumas pessoas saírem da casa para ver oque estava acontecendo.
-Eleonor vamos para dentro e você fala.
-Não! agora fecha a droga da sua boca grande.- Ela estava nervosa, e nervosa de mais. Eu de fato nunca havia visto tão nervosa comigo antes, então achei melhor realmente ficar calado.- Lembra quando estávamos na sétima série? eu era tão tonta e ficava sempre olhando você e você nem se importava se eu estava vendo você ou não. - Ela não fazia ideia do que estava falando. Aquilo não tinha sentido dês da 5° série eu era alucinado por ela. - Você vivia no seu mundinho perfeito e ignorando o fato de eu estar sempre tentando te agradar...
Ela fez uma pausa para respirar e continuou.
-Mas então na 8° série entrou uma menina nova. Loira magra com seios grandes, pernas longas, olhos tão azuis quanto os seus. Você adorou não é mesmo? Eu já estava tão próxima de você e você simplesmente esqueceu que eu existo porque ela simplesmente resolveu te dar atenção e ela era simplesmente perfeita, muito melhor que a tonta da Eleonor não é? Então um dia a professora resolveu dar aula pratica em duplas. Você foi com ela e eu fiquei com o nerd da sala. Mais não me importei afinal de contas tirei um 10 e você um 3,5 então a tonta da Eleonor resolveu ajudar. Você aceitou e marcou de se encontrar comigo depois da aula na entrada da escola. Eu fui! e la vi você beijando a tal loirinha perfeita. Você nem me viu não é mesmo?
Tudo aquilo veio na minha mente a tona. Na aula de biologia a Cloee veio pedir para fazer o trabalho comigo. Eu aceitei aliais não teria uma outra dupla. Marcamos varias vezes de fazer o trabalho mais ela era muito divertida e nunca nos concentrávamos na matéria acabávamos jogando tempo fora falando coisas tontas. Então um dia eu simplesmente beijei ela. Ela retribuiu o beijo, mais no dia seguinte me beijou de novo. Fiquei sem graça em falar para ela que eu só queria tentar e não queria um relacionamento sério com ela então deixei quieto. Depois de alguns dias foi anunciado as notas. Ficamos de recuperação e então a Eleonor me ofereceu ajuda. Eu aceitei alias minha mãe estava furiosa porque era o ultimo ano e eu tinha que dar minha vida para ganhar nota. Esperei ela em frente a escola depois da aula mais ela não apareceu ao invés disso quem apareceu foi a Cloee. Que me beijou e disse que sentia muito e não queria continuar ficando comigo porque tinha uma outra pessoa por quem estava interessada. Mais eu nunca soube que a Eleonor estava ali no canto me vendo.
-Eleonor é complicado você não entende. Eu posso explicar...
-Isso foi a muito tempo Léo. Eu não quero nem saber. Só deixa eu terminar ok?- Fiz que sim com a cabeça - Então o dia do baile começou a chegar e todos ficaram desesperados para arrumar um par. Eu e você estávamos sozinhos achei perfeito, achei que você pediria para mim mais não. Eu recusei 29 meninos diferentes para que você viesse comigo. Mais você nem ao menos tentou. Fiquei me perguntando se você ao menos iria a festa. Mais imaginei que ao menos você apareceria ali para comemorar o fim do ensino básico. Mas você adora decepcionar não é? Oque você fez? você não apareceu. Eu fui. E você deve saber que fiquei sem par. Então as férias se passaram e você nem se quer ligou para mim. Nem um telefonema. As aulas voltaram e começou o 1° colegial. Achei que tudo iria mudar. Achei que você voltaria a falar comigo. Mas você voltou namorando com a tal loira que por incrível que pareça tinha ficado ainda mais bonita. Vocês eram perfeitos e foi assim por meio ano. Até que eu me cansei disso. Resolvi dar o troco. Fiz varias amizades com o tempo. Comecei a andar com as pessoas maneiras. Elas me aceitaram como um deles. Depois de um tempo uma menina que eu odiava chamada América.Começou a falar comigo. Ela disse que seu namorado era um babaca. Porque traiu ela com a amiga melhor amiga dela. Então ela terminou com a amizade com a amiga dela e o relacionamento com o canalha. E assim ela me ajudou a superar você. Me ajudou a reformar meu guarda roupas por inteiro. Porque eu me lembro o como eu me vestia mal. Fiz um corte bacana no meu cabelo. E então as pessoas perceberam o como eu era "gostosa" e todos os meninos caíram em cima de mim. Inclusive você Leonardo..."
" ...E agora que eu pensei que estivéssemos numa boa. Que tudo ficaria bem. Você sai no meio do melhor momento da minha vida? Não acredito que você fez isso. Não acredito que eu estou fazendo isso. Que estou implorando para você transar comigo. Eu só to muito... Eu não sei mais oque eu to falando ta legal. Esquece tudo isso. Minha cabeça ta doendo tanto."
Era tanta informação que eu devia estar como uma estatua tentando processar tudo aquilo para depois fazer alguma coisa de útil como por exemplo. Ir até ela, levar ela para dentro e deixar ela chorar no meu ombro e reclamar ainda mais do quão canalha sou. Aquele era o ponto de vista dela. E nele eu era um monstro. pela mor de deus eu era o monstro que estragou a vida dela. E por isso ela era aquela pessoa que eu via todo dia. Aquela pessoa gostosa. Perfeita. Que andava e anda com as meninas mais bonitas da escola. Aquela não era ela. Ela era aquilo para me chamar atenção. Eu não sabia oque fazer nem por onde começar então comecei do pior jeito que poderia ter começado.
-Meu deus... Esse foi com certeza o maior desabafo que já ouvi na vida.
Ela não me bateu nem fez nada parecido só deu um sorrisinho forçado. Ou talvez eu tivesse feito a coisa certa. Fui até ela e disse bem baixo para que só ela escutasse.
-Me desculpa. Eu não sabia que você tinha passado por tudo isso nesse tempo. - Estava me perguntando se deveria desabafar com ela o meu ponto de vista ou se deveria ficar calado e levá-la para dentro. -Você vai... vamos para dentro?
Ela fez que sim com a cabeça e levei ela até a sala que estava quase vazia sem ser por 7 pessoas no chão jogando "verdade ou consequência" e um grupo de meninos comentando um pouco alto de mais o como tal menina era gostosa e o como tal menina era boa de cama.
Coloquei ela sentada no sofá e me sentei do seu lado. Coloquei as pernas dela em cima da minha e ela disse dando risada.
-Acho melhor eu colocar minha roupa. Antes que algum menino tente espiar por baixo desta blusa.- Ela disse essa ultima parte olhando para um menino que estava no grupo falando sobre a menina que fazia sexo que minha nossa. Olhei sério para o menino, que no mesmo instante olhou para o outro lado.
Ela se levantou e foi para o andar de cima, peguei o telefone e chequei a lista de contatos, eu não sei porque. Talvés para chamar alguém para buscar eu e a Eleonor. Então uma menina que estava jogando "verdade ou consequência" falou ainda sentada
-Oque estava acontecendo? Porque ela estava berrando daquele jeito? - A menina era minuscula. Deveria caber em uma caixa de sapatos.
-Já acabou o escândalo?
-Oque você fez cara? A Eleo nunca grita com as pessoas. E também não chora por causa delas. Acredita nisso cara. Já vimos a Eleo muito chapada. Oque você colocou na bebida dela? Deixou ela cheirar Liquid peper por um dia inteiro?
-Eu preciso colocar um pouco disso na bebida da minha namorada. Ela esta prestes a terminar comigo. Quem sabe isso ai não faz ela chorar para me ter de volta. 
Todos ao lado deram risada. Mais eu permaneci mudo. Então ela apareceu na escada colocando a jaqueta com uma mão e acho que ligando para alguém com a outra.
-Espera ai Léo.
Ela gritou e saiu da sala para a cozinha.  Olhei para os grupinhos e eles estavam exatamente como antes.  Como se nada tivesse acontecido. No grupinho do tal jogo uma menina de cabelo verde estava beijando a menina minuscula. Revirei os olhos e um menino se sentou então do meu lado.
-Você não curte?
-Curte? Lésbicas?
-É. Mulheres, lésbicas, peitos, triângulos pretos esticados, moles, duros, enfim.
-Ahh... Eu não sei. Acho que não. Desse jeito que você esta falando eu acho que não.- Ele deu um sorriso que me pareceu confortante.
-Petrick. Me chame de Petrick.
-Tudo bem Petrick. Eu sou... Léo. Leonardo!
-Ok Leuonardo.- Disse ele ressaltando o U ao invés do O. Você estuda no Sparks? Porque eu nunca te vi la antes. Você é de lá?
-Sou. Dês da 4°serie.
-Você não dorme lá né?
-Não.
-Faz sentido. Porque você não começa a dormir la? é de mais. Você iria gostar. Você até pode se sentar com a gente amanhã no intervalo se quiser. Você quer? Quando da 10 horas é proibido sair dos quartos. Nos sempre saímos.
-Porque esta fazendo toda essas perguntas? eu não tem conheço e você também nem me conhece eu posso ser perigoso sabia?
-Você não é. Eu to vendo pela sua cara. É virgem, pior que isso é bv. é bvl, cara posso acabar com isso agora mesmo.
-Você esta tentando me beijar?
-Você está me seduzindo cara. Essa sua língua fica passando pelo seus dentes de um em um minuto.
-Me desculpe. Você ta enganado eu não sou... não sou gay.
-Eu não estou falando isso. Eu só perguntei se você gosta de mulheres. Porque não te vi com nenhuma dês do começo da festa.
-Posso te fazer uma pergunta bem simples?
-Claro cara. Fala ae.
-Você disse que as 10 horas não pode sair dos quartos mais que vocês sempre saem. Vocês quem?
-Ahh.... claro eu e os amigos. Eu te apresento pra eles amanhã. Você tem que vir falar comigo. Eu te apresento.
Eleonor apareceu nesse minuto guardando o celular na bolça. 
-Bem. Daqui a 10 minutos o carro chega. E quem é esse?
O tal do Petrick só falou com um sotaque muito esquisito.
-Não acredito que você não me conhece de costas Eleonor Naitmity.- Ele se virou para ela que no mesmo minuto colocou a mão na boca e deu um gritinho agudo e um sorriso largo. -Credo você grita igual menina. Fala sério como você ta gata. Emagreceu? Qual o numero? Ai meu deus. Você tá gostosa. Agora me diz não da para reconhecer o meu cabelo de trás? eu juro que fiquei uma hora no espelho tentando fazer ele ficar desse jeito e você nem ao menos repara nisso. Nem me reconhece menina. 
-Petrick. Meu deus você tá.... Tá divino como sempre.
Ele deu uma gargalhada
-Grande menina. Você tá com quem?
-Eu to com o Léo. Você já conheceu o Léo?
-Vocês estão juntos? Ah meu deus. Eu...
-Não acredito que ficou interessado no Léo. Tira o olho. Ele não faz teu tipo. Quer dizer você não faz o tipo dele.- Ela fez uma cara de confusão.
-Ele é uma graça.
-E você, não trouxe a Zoe? Ou a Sam? você sempre esta com elas. Cade elas? 
-Elas não vieram. Sam detesta festa de casais você sabe. E a Zoe tinha um compromisso marcado para hoje com um deus grego. Então eu vim com o David que saiu porque estava tarde. Bom eu vou deixar vocês a s.o.s porque... bom porque eu já estou indo.
-Ta legal. Tchau Petrick.
Ele deu um beijo na bochecha da Eleonor e antes de virar as costas e sair virou para mim e falou em um tom engraçado.
-Pode me chamar de Pe, Léo. - E então saiu porta a fora, mas depois de uns dois minutos voltou.- Ah, ia me esquecendo. Leva uma caixa de cigarro amanha.- E por fim saiu.
Olhei do Petrick para Eleonor que estava com uma cara que dizia "what?" ela abriu a boca para falar alguma coisa mas disse antes.
-Eu não faço ideia. - Como se eu fosse perguntar o porque dos cigarros.- Você já conhecia ele antes ou conheceu ele agora?
-Agora. Ele parece incrível.
Ela deu uma risada tímida e abaixou a cabeça. Depois olhou para mim e disse bem claramente.
-Te aconselho não se aproximar de mais. - Achei que talvez ela estivesse brincando mais seu rosto estava sério.
-Bom. E porque me aconselha isso?
-Faça e descubra.
Dei um sorriso e pedi para que ela se sentasse no sofá novamente. Ela se sentou e disse.
-O carro chega em 10 minutos.
-Você já disse isso.
-Pega leva ta legal, eu continuo inconsciente meu amor. - Ela deu mais uma risada- Olha posso te dar um conselho de amiga?
-É. Acho que pode. Espero que mesmo inconsciente você saiba me dar um conselho que preste.
-Bom. Não fale com ninguém quando chegar em casa. Vá direto dormir. Amanhã ou hoje mais tarde quando todos acordarem continue sem falar. Finja que vai para escola mais não pise os pés no Sparks chapado...
-Bom eu tenho que levar cigarro amanhã para o Pe. E nem sei porque...- Ela colocou o dedo na minha boca.
-Pise no Sparks bêbado, que eles ligam para seus pais. Você vai perder a carteira de motorista que fez aos 16 anos em 2 segundos, mesmo que não tenha um carro  se tivesse um... Perderia ele. Fora a parte que ficaria de castigo, não poderia falar comigo, não poderia mexer na internet., falar com alguém como eu pelo E-mail. Ou com qualquer alienígena desse planeta até que algo prove o contrario. Mas novidade. Nada vai provar o contrario pelo fato de você estar chapado. E não ter ouvido as regras da Eleonor de: "como sair sem seus pais desconfiarem que você foi a festa que eles o proibiram de ir, e ter enchido a cara de drogas." E ah já ia me esquecendo. A ressaca é horrível. Quero ver o efeito que essas 10 garrafinhas de cerveja vai provocar em você. Boa sorte, Léo.
O carro dela chegou exatamente as 02:27 no local. Entramos no carro e ela me deixou ficar praticamente deitado no carro por motivos de ânsia de vomito com os tremores que o carro fazia ao passar por cima de algum buraco. Fechei o olho para ver se me segurava e não vomitava em cima dela. 

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...