BEST FRIENDS - O tempo não apaga... - Season 1

Adolescência, fase da vida em que descobrimos o corpo, fazemos os amigos que levaremos pro resto da vida, os sentimentos são uma montanha russa, descobrimos o que é certo e errado. Mas seria justo, pagar por algo que não foi você que fez? Pior ser vitima da inveja de alguém que você nem conhece, ou acha que não conhece? Marcela, Gabriela, Harry, Lucas, Bruna e Luan, seis amigos, que entre, amores, conflitos, brigas e um segredo em comum, serão forçados a provar, até aonde se pode ir em nome da amizade...

4Likes
5Comentários
683Views
AA

13. CAPITULO 13

CAPITULO TREZE Ela tava de roupas intimas, meu queixo caiu na hora, quando recuperei o fôlego, mal conseguia falar. - Desculpa professora... Já vou indo pra casa... – falei gaguejando. - Não Lucas, fica aqui... - Por quê? - Lucas, já te disseram que você é muito bonito? - Não... já... quer dizer... - Shiuu, deixa que eu faço tudo... Ela me beija, fico meio assustado, mas logo retribuo, ela me deita na cama e começa a tirar minha roupa. Eu nem tava acreditando, a professora mais gata do colégio, tava querendo transar comigo? Na boa, eu sou muito sortudo. Dormimos juntos, acordei com o celular tocando, era minha mãe, onze chamadas perdidas, ela tava arrancando os cabelos uma hora dessas. Pulo da cama e me visto com pressa, pego a mochila e saio correndo, acabei nem dando tchau pra professora Elisa, que me fez tão bem essa tarde rs... Quando chego em casa, tento passar despercebido, mas foi em vão, ouvi só o grito da minha mãe, depois disso, ouvi um monte, ela brigou comigo, fez um escândalo, deu palestra, porque minha mãe não briga, dá palestra. Depois mandou eu ir pro meu quarto e ficar lá ate a segunda ordem. Fui sem reclamar, a tarde tinha sido muito boa, pra minha mãe estragar brigando. Os dias foram passando e ela já era um vicio pra mim e eu pra ela... BRUNA... Affs aula de matemática, só as meninas prestam atenção, os meninos ficam babando. - Aula de que agora? – a Gaby pergunta com cara de tédio. - Matemática – respondi sem animo. - Affs, a chata da Elisa, burra que só ela. – Marcela como todas as outras meninas do colégio, também não gostava dela. - Até que enfim uma aula boa hehe – o Luan falava babando. Começou a aula e quando a professora me entregou a prova com o resultado, tomei um susto. Aquela prova não podia ser a minha, eu estudei tanto, tenho certeza que tirei nota boa. Levanto e vou até a mesa dela. - Essa prova não é minha. – disse com toda a certeza. - E é de quem então? - Minha que não é, estudei pra caramba, não posso ter tirado 0,2. - Querida, se não estudou o problema é seu. - Só que eu estudei. Essa prova não é minha. - Bruna, sente-se. - Não. Minha voz sôo alto e quando percebi todos me olhavam. - Olha aqui Bruna, sua nota é essa, se não gostou, estude pro próximo bimestre, não me venha fazer reclamações sem fundamento. Agora sente-se por favor, ta atrapalhando a aula. Quando olho pro meu lado, estavam a Mah e a Gaby, elas apoiam as mãos na mesa e a professora nos encara bem séria. - O que vocês querem? – A professora nos olha com cara de deboche. - Saber porque deu essa nota pra Bruh, se ela estudou tanto. – Gaby falava olhando fixamente pra professora. - Ela não estudou, se tivesse, não teria tirado uma nota dessas. - Claro que estudou, a senhora ta louca? – Caramba, nem acreditei que a Mah tinha falado aquilo. - Olha aqui senhoritas, tem um minuto, pra se sentarem e ficarem quietas, ou então... - Ou então o que? – Disse já bufando de raiva. - Vou dar advertência pras três. – ela fala se sentindo autoritária. - Pois então vai ter que dar advertência pra nós também. – Disse o Luan se levantando. Quando olhei ele e o Harry estavam de pé, na frente da mesa da professora, junto comigo e com as meninas. - Gente, deixa pra lá, não precisa que fiquem mal por minha causa. – falei olhando pra jararaca da professora. - Claro que não vamos deixar Bruh, ela é louca, vai ter que dar a nota verdadeira da Bruna. – Marcela tava seria, mas não intimidou a professora. - Como quiserem. Ela se levantou e veio até nós. - Vamos pra direção. - O que? – Luan falou incrédulo. - Eu avisei, não me escutaram, agora agüenta as consequências. Ela nos levou pra diretoria, assinamos advertência e voltamos pra sala. No intervalo, nos sentamos juntos, o Lucas foi o ultimo a se juntar a nós. - Qual é a tua Lucas? – Harry falou serio com ele. - Do que ta falando? – Ele se fez de desentendido. - Como assim do que to falando? Todo mundo levantou pra defender a Bruna e você nem se mexeu do lugar. Achei que fosse nosso amigo. - Cara, presta atenção, já tenho problemas demais com os professores, não tava afim de arrumar mais um ta? Então se não for pedir muito, não me enche com essa história ok? - Na boa, é você mesmo Lucas? Cara, esqueceu que somos amigos? O que ta acontecendo Lucas? Você anda meio estranho, com um comportamento esquisito. – O Luan falava e ele fingia que não escutava. - Chegando tarde, não vai mais embora com a gente, todo dia tem uma desculpa nova, nos intervalos some. Também não to te entendendo Lucas. – Marcela olhava pra ele como se fosse um estranho na frente dela. - Quer saber? Tchau pra vocês, ultimamente estão muito chatos, se a Bruna não estudou, a culpa não é minha ok? Eu é que não vou me meter em confusão por causa dela. Ele sai e todos nós ficamos boquiabertos, aquele não era o Lucas, ele tava mudado, bem diferente, alguma coisa tava acontecendo e eu vou descobrir o que é! Os dias foram passando e eu comecei a perceber que a professora Elisa tava de implicância comigo, eu só não sabia porque. Já havia me expulsado várias vezes da sala por motivos bobos, levei advertências e até suspensão, nesse dia, o resto do pessoal também levou, menos o Lucas, ele não se meteu em nenhum momento. Cada dia que se passava ele ficava mais estranho. Já não ficava com a gente nos intervalos, algumas vezes apareceu no colégio com cheiro de alcool e mal falava conosco. Um dia o Lucas saiu do colégio e eu resolvi seguir ele de longe. Quando já estava quase desistindo, vejo ele parando do lado de um carro, o vidro abaixa e ele fala alguma coisa e sorri, logo ele se afasta um pouco e a porta se abre, era a professora Elisa... Ela se aproxima dele e sorri. Os dois conversavam como se fossem grandes amigos, não tava acreditando no que tava acontecendo. Mas o pior veio logo depois... Não, não, não, não e não, eu me recuso a acreditar nisso, lágrimas quentes escorriam pelo meu rosto, meu coração tava doendo como se alguém o estivesse apertando com muita força, mas era verdade, bem ali, a alguns metros de mim, o Lucas beijava a professora Elisa... Eu não conseguia parar de chorar, por isso não me defendeu, por isso se afastou da gente, ele tava com ela o tempo todo. Não agüento mais ficar vendo essa cena, saio correndo, vejo tudo embaçado por causa do choro, tudo o que eu queria era chegar em casa e me trancar no quarto, ia correndo rápido tentando secar as lágrimas, quando acabo esbarrando em alguém e só não cai, por que a pessoa me segurou, tentei parecer o mais normal possível, olhei pra ver em quem eu havia esbarrado, era o David Luiz, aluno da mesma sala que eu, me olha preocupada, ainda me segurando. - O que houve? Eu posso te ajudar? – ele pergunta e eu demoro alguns segundos pra responder...
Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...