Dance With Me

"We are fool whether we dance or not,so we might as well dance"-Japanese Proverb Jessica Braun Williams, 24 anos, dançarina profissional de classe média. Tyler Stanley Richards,24 anos, herdeiro das empresas "Richards" podre de rico e prestes a noivar com Meredith Braun. Tudo se dá início,quando a notícia de um jantar de noivado começa a mudar a vida e modo de agir de todas as pessoas envolvidas,fazendo com que os caminhos de Tyler e Jessica se cruzem. O que acontece é nenhum dos dois sabiam que tinha uma ligação muito mais próxima,antes mesmo de se conhecerem. Também disponível no Wattpad /Also available on Wattpad : http://w.tt/1oDSAlT

2Likes
4Comentários
7768Views
AA

32. Chapter 32

— Eu queria tanto te ver, Jessie! Foi uma péssima ideia você ir para Londres– minha tia Karen disse no outro lado da linha. Meu celular nem estava mais no meu ouvido e sim em cima da mesinha de centro com o auto falante ligado enquanto eu me esticava no sofá de Daniel.

— Tia, eu moro em Londres desde quando eu estava na universidade e você nunca reclamou. Além disso, você sabe muito bem que são no mínimo 2hrs de viagem até Manchester.

— E o que é que tem? Você tem carro, dinheiro e gasolina. – eu fiquei em silêncio e ela suspirou do outro lado da linha — Toda semana que eu venho aqui você não aparece.

Pensei em argumentar que não tinha nem um semana que eu havia visto ela, mas ela continuou sua chantagem emocional.

Após muito blá blá blá da minha tia, eu resolvi pegar meu carro e dar uma passadinha por lá.

Meredith abriu a porta para mim e suspirou profundamente antes de dar passagem para eu entrar.

Alguém não dormiu bem essa noite.

—Tá tudo bem com você? – eu perguntei sentando na primeira poltrona que encontrei. Mamãe havia mudado os móveis de lugar outra vez.

—Tá tudo bem, sim. - ela passou a mão no nariz fingindo um resfriado.

—Nem adianta fingir, resfriado não te deixaria com olheiras. – ela olhou para mim e eu levantei uma sobrancelha. Ela se jogou de qualquer jeito no sofá e respirou fundo.

— Nós podemos conversar? Tipo, mamãe e tia Karen estão no mercado, Joanne está treinando para algum desfile e eu preciso desabafar com alguém. – eu vi seus olhos se enchendo de lágrimas. —Não que você seja minha última opção, sabe?

— Tudo bem, eu não tinha esperanças de ser a primeira, certo? – ela deu um sorriso fraco. —Você quer conversar aqui mesmo ou...?

— Não. Brian vai chegar e vai encher o saco se me ver assim, tudo bem se formos pro meu quarto?

Nossa muitas barreiras para serem quebradas no dia só.

Eu fiquei parada atrás da porta recém fechada do quarto de Meredith enquanto a mesma se sentava em sua cama.

Era uma situação nova e no mínimo desconfortável para mim.

O quarto dela era completamente oposto do meu, vários pontos em neon cor de rosa e lilás, um espelho que tomava o espaço de uma parede que era a entrada de seu closet, o quarto dos sonhos. Mesmo assim, Meredith cismava que o meu quarto simples, era melhor que o dela.

—Senta aqui. – ela deu tapinhas num ponto de sua cama na sua frente e eu a obedeci.

—Eu sei que você já teve relacionamentos muitos mais sólidos que os meus e que eu sou meio nova nesse lance de relacionamento sério... – ela passou as mãos pelos cabelos — Como eu sei que meu namorado não está me traindo?

Eu acho que devo ter feito uma cara muito surpresa porque Meredith se encolheu levemente com o meu olhar.

—Como assim? Você acha que seu noivo tá te traindo? – “e tá pedindo conselhos para mim?” completei mentalmente.

—Eu não sei, nunca reparei que estava sendo traída antes até eu ver com os meus próprios olhos, por isso estou pedindo ajuda. – os olhos delas se encheram de lágrimas mais uma vez. — E ele ainda não é meu noivo.

—O que faz você pensar que ele está te traindo? – eu tentei me recordar de “toda” a experiência que eu já tive em relacionamentos que terminaram assim.

—Sei lá. Ele tá meio distante nessas últimas duas semanas, não me liga mais com a frequência e sempre que nos falamos ele parece que está com a cabeça em outro lugar. – ela checou o celular, provavelmente vendo se tinha alguma nova mensagem.

—Você mesmo não disse que ele estava muito ocupado com o trabalho? Talvez a empresa dele esteja passando por algum momento difícil e ele está preocupado com isso.

—Eu também já pensei nisso, mas no dia que eu pedi para você levar o presente para ele, eu fui no apartamento, que ele divide com um amigo dele, ele não estava lá e o amigo dele disse que quando ele saiu da empresa, Tyler não estava mais lá. Então, eu fiquei esperando ele... – ela deu uma parada para respirar fundo.

—E então?

—Então ele chegou em casa umas 9 da noite, todo suado e com uma camisa do amigo dele. E sabe o que ele me disse? Que tinha ido andar por aí. – eu fiquei com cara de ponto de interrogação e ela continuou. —Tyler gosta de praticar esportes, mas odeia andar por aí.

Lógico deve ter umas 1000 Ferrari na garagem, pra quê andar né?

—Você não acha que ele seja gay, acha? – eu perguntei rindo mentalmente da possibilidade e ela arregalou os olhos.

—Não, não. Até porque o perfume que estava na camisa era feminino. A camisa pode ser de um irmão dessazinha. – ela fez uma cara de nojo ao falar de uma suposta mulher e eu ri.

—Você não sabe nem se ele estava realmente com alguma mulher, Meri.

Ela ignorou meu comentário e continuou:

—Ele nem estava usando meu presente porque disse que tinha esquecido no escritório dele. – algumas lágrimas já escapavam dos seus olhos e eu pus as mãos nos seus ombros. — E agora ele me liga dizendo que vai adiar o jantar para mais um mês.

E então ela começou a chorar pra valer e eu puxei ela para um abraço. Ficamos um tempo assim abraçadas na cama enquanto eu passava uma mão em seu cabelo tentando acalmá-la.

—Ei, ei – eu levantei o rosto dela e limpei suas lágrimas —Pra que chorar?

—E se ele tiver com saudades do tempo que ele não tinha compromisso sério com ninguém? E se ele tiver se cansado de mim e arranjou uma socialite melhor do que eu? E se ele achou que estamos indo rápido demais? – ela soluçava em meio as perguntas e isso doía no meu coração, apesar de não sermos tão próximas assim.

—Primeiramente, não foi ele que te pediu em noivado, sem você pressioná-lo? – ela assentiu com a cabeça. —Então isso foi uma escolha totalmente dele, não tem como ele achar que você fez ele ir rápido demais.

—Segundamente, nenhuma socialite no mundo é melhor que você, porque você é única e especial. – ela olhou para mim com uma cara de descrença —Tá bom, talvez a Kim Kardashian seja um pouco melhor que você, mas ela já está casada com o Kanye, então não acho que ela viria para Inglaterra só pra dar em cima do seu boy – eu disse com uma voz afetada e ela riu.

—Terceiramente se ele estiver com saudades da época de pegador, ele vai ter que aguentar porque se ele fizer uma sessão flashback eu mesma vou ter uma conversa séria com ele e ainda levo Brian e James comigo.

Ela arregalou os olhos, eu a imitei e começamos a gargalhar. Ela me abraçou forte e eu retribuí.

—Tinha esquecido de como seu abraço poderia ser mais reconfortante do que o de mamãe.

Ficamos alguns minutos em silêncio.

—Ryan ligou procurando você mais cedo. – ela disse e eu respirei fundo. —Vocês brigaram?

—Eu terminei com ele. – eu disse sem sentir a esperada pontada no coração.

Ela afastou o rosto do meu ombro e olhou para mim séria.

—Eu aqui te enchendo com os meus problemas e nem reparei que você estava diferente.

—Talvez seja porque eu não estou mal com isso. Talvez não seja certo, mas eu sinto como se tivesse tirado um peso enorme das minhas costas.

Eu sei que deveria está chorando pitangas por causa do nosso término. Eu sei que deveria está preocupada de como ele estaria se virando sem mim, mas a única coisa que vinha na minha mente era um par de olhos verdes que de vez em quando me tirava o sono.

—Com toda a minha experiência de anos – Meredith disse rindo com uma voz de sabe-tudo —Nós apenas não nos sentimos mal com um fim de namoro quando outra pessoa já está ocupando nossa mente. Tem alguém que já tá mexendo com o seu coraçãozinho, Jessie? – ela perguntou como se tivesse lido meus pensamentos.

Eu apenas balancei a cabeça negativamente, suspirei fundo e coloquei a cabeça dela de volta no meu peito:

—Não sei, Meri. Sinceramente, não sei.

(N/a: Heyy, lindinhos, mais uma att  êêê!

Quis explorar mais um pouco a Meri e o seu relacionamento com a Jessie nessa att.

Então , o que acharam? Deixem seus comentários, sugestões, críticas etc..

A opinião de vocês é muito importante. Até a próxima xx)

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...