Pontes indestrutíveis.

'' Eu pensava que ele era o amor da minha vida, mas ai veio você com os olhos claros a boca rosada, e o seu olhar perante a mim, ai veio o primeiro beijo, a forma de amor, o eu te amo , e a cama, as decepções e por fim o '' Nós Dois '' eu não sei , mas você é totalmente diferente de mim, o diferente que me completa por inteiro, é bem difícil eu me controlar perto de você, então por favor só prometa que vai ficar pra sempre perto de mim, mesmo quando a pior coisa acontecer ''

12Likes
2Comentários
820Views
AA

8. First day in the school.

Minhas pálpebras pesaram e senti que a noite de ontem tinha sido horrível, por que além de eu estar com o rosto amassado eu estava com o rosto inchado e vermelho, me levantei e tomei um banho me despindo daquela roupa e colocando presa atrás da porta, saí colocando o conjunto de calcinha e sutiã brancos e colocando em seguida um shorts azul não muito curto e apropriado para ir a escola em seguida colocando a blusa da escola branca com o símbolo da escola do lado esquerdo do meu peito, vesti um tênis surrado aos lados , rapidamente me olhei no espelho e eu ainda estava vermelha por conta do choro, coloquei o corretivo da cor da minha pele branca e passei um rímel, em seguida coloquei o pente em meus cabelos e passei desfazendo os nós que continha nos meus cabelos até a cintura, sorri com certa dificuldade satisfeita pelo tamanho e o fortalecedor como meu cabelo estava, depositei o peso da mochila nas costas e assim que ia saindo passei meu creme de morango que era para algumas marcas das mãos do Diego, quando ele me beijava de uma forma selvagem depositava uma força nas suas mãos e deixava apertada na minha cintura e nos meus braços o que facilitava para minha pele clara.. Assim que ia saindo do quarto , alguém entrou me fazendo dar um pequeno pulo de susto para trás. 
- Bora Gnoma, eu vou te levar para a escola. - Pedro disse e eu mexi minhas mãos bravas e mordi fortemente meus lábios com raiva pelo apelido, assim que parei para encara-lo ele estava somente com uma cueca boxer. 
- Menino, eu não sou obrigada a ver você de cueca andando pela casa. - Falei desviando olhares, mas por algum motivo que eu sabia qual era eu fiquei com um calor estranho depois de vê-lo daquela forma - e olha que o calor que estou me referindo não é o calor do Rio de Janeiro. 
- Ué, não me diga que nunca viu um homem de cueca, ou.. sem ela. - Ele disse em um tom pervertido o que me fez arrepiar, o que está havendo com meus hormônios que pareciam de uma menina de 15 anos. 
- Não. Nunca vi, com ou sem. - Falei desviando daquela assunto e fugindo do quarto ia descendo as escadas quando senti uma mão e uma corrente elétrica de calor passar pelo meu corpo e minhas costas se chocarem contra a parede. 
- Ah qual é Maria, pra tudo tem sua primeira vez.. - Ele dizia se aproximando do meu pescoço, que raios ele queria dizer com aquilo? 
- Ou você me larga, ou eu conto tudo ao Arthur quando ele botar o pé em casa. - Falei e eu sabia que Arthur só chegaria a noite pois fazia faculdade de manha e trabalhava a tarde em algo que eu esqueci o que era, ele me soltou ainda com o sorriso diabólico no rosto, andei descendo as escadas e comi os pães que tinham por ali escovando meus dentes em seguida com qualquer escova que estava embalada no banheiro, andei até a porta e Pedro estava vindo atrás girando as chaves do carro, eu parei por um segundo pensando em alguma possibilidade dele me atacar dentro do carro, eu olhei para trás e o mesmo passou sem me olhar fingindo pouca importância para minha existência, entrei no carro cedendo aliás eu não tinha como ir andando não sabia o caminho de nada por ali, ele dirigiu cantando pneus e demorou não mais que 25 minutos para chegar em uma escola totalmente lotada com certos grupos ao lado, eu olhei e quando ia sair do carro senti novamente aquelas mãos calorentas me apertarem. 
- Venho te buscar as 12:35 , esteja aqui fora!. - Ele disse me soltando e eu sai em uma rapidez e bati a porta, andei até a entrada da escola e dei graças a Deus por uma menina cheia de tatuagem e toda furada pelo rosto estar chamando atenção de todos, entrei na sala que eu iria ficar e bom.. só tinha duas garotas ali e um garoto entre elas, sentei em um lugar qualquer perto da janela e fiquei batendo meus dedos na mesa involuntariamente. 
- Será que pode parar de bater os dedos?. - A voz estranha falou e eu parei agora batendo nas minhas bochechas. - Pare de bater nas bochechas também. - Ouvi novamente. 
- Nem faz barulho. - Falei agora a olhando, ela me encarou e um lado do seu cabelo raspado me fez focar a atenção nela, eu achei realmente lindo aquela arte no cabelo. 
- Desculpe pela Telyer , ela não é muito amigável.. - O garoto com os olhos pretos e a pele de índio e os cabelos arrepiados disse saindo da mesa e se sentando na cadeira. 
- Ahn.. Ok. - Falei e olhei a tal Teyler e ela me encarou com certo nojo na feição e virou o rosto preferi nem ligar para pouca coisa. 
- Eu me chamo Uriel, e você?. - Perguntou aproximando-se mais de mim, a outra garota que estava com eles sorria como se o clima ali não estivesse pesado. 
- Maria, Maria Bordeman. - Falei e ele sorriu em resposta, o sinal tocou e ele se virou, entrou algumas pessoas e o garoto que sentava na minha frente cheirava extremamente bem, me desculpem mas ele tinha um cheiro próprio, sem perfume ou qualquer coisa que os meninos usam, me desviei e fiquei prestando atenção na professora que falava rápido e enrolado com a apresentação. 

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...