Desculpa.

"Olhei para os meus braços e vi o líquido vermelho sair abundantemente dos cortes que ainda há minutos havia feito. Se senti dor? Bastante, o que até é bom, visto que já há muito tempo que desconhecia esse sentimento. " "Só te apercebes da dor quando realmente a conheces." Depois da morte de Louis, Emma entra numa depressão que parece não ter fim, a sua vida torna-se num inferno e está sempre a tentar arranjar maneiras de se aguentar. Quando o choro já não é suficiente, Emma encontra a lâmina...

11Likes
0Comentários
588Views
AA

8. Epílogo

P.O.V Harry

Estou no meu quarto a ouvir música quando ouço o meu telemóvel a tocar. Olho para o ecrã e vejo que é a Sam. Atendo logo.

"- Harry?! Por favor diz-me que a Emma está aí contigo!"

Wtf? O que se passa para ela estar assim tão aflita, ela não ia dormir em casa da Sam? Não estou a gostar nada disto...

- Lamento, mas não o que se passou?

Ouço-a a respirar fundo antes de responder, sei que não vem aí coisa boa, ela tem este de fazer isto quando vai contar alguma coisa que sabe que não devia ter feito.

"- Eu contratei um psicólogo para vir cá para falar com ela, mas sem ela saber. E quando ela cá chegou e eu lhe contei o que tinha feito ela fugio. Ela deve ter ido para casa..."

Não acredito que ela fez isto! Mas ela não aprende? Agora é bom que ela esteja em casa, se não vamos ter grandes problemas.

- Eu vou lá ver.

Dito isto desligo a chamada e corro literalmente para casa dela. Chego lá a arfar e tento por isso acalmar-me antes de bater à porta. O pai dela é que me vem abrir a porta e eu pergunto-lhe logo se sabe da Emma.

- Desculpa Harry, mas acho que ela não está aqui, mas vai ao quarto dela, porque pode ser que ela esteja lá.

Nem precisa de me dizer duas vezes pois mal ele acaba de falar eu corro para o andar de cima.

Como era de esperar ela não está no seu quarto, começo por isso a esperar o pior. Reparo que a porta da casa de banho está fechada. Oh não... Agarro na maçaneta para abrir a porta, que se abre. Suspiro de alívio mas não por muito tempo pois ela não se encontra cá dentro e isso quer dizer que ela fugio, e eu acho que sei para onde foi. Reparo que o armário da casa de banho está aberto, vou lá ver e noto que faltam algumas caixas de comprimidos.

Já no seu quarto vejo a gaveta onde costuma guardar as lâminas aberta sem nenhuma. Não estou a gostar nada de onde isto me está a levar. Olho à do quarto e vejo o cartão SIM do seu telemóvel partido, por isso quer dizer que ela não quer ser encontrada. E com isto sei exactamente onde ela se encontra e o que está a fazer só espero chegar lá a tempo.

Corro para o andar de baixo para falar com os pais dela.

- Sr. O'Sullivan! Por favor chame uma ambulância para a floresta perto do parque infantil! Diga que é urgente! - digo isto com o pânico a notar-se na minha voz.

- Porquê Harry? Que se passou a Emma?

- Ela pode ter tentado suicidar-e, mas se lá chegarmos depressa podemos impedila, eu vou atrás dela agora, por favor chame a ambulância! - neste momento já tinha as lágrimas nos meus olhos. Não posso perder também a minha melhor amiga.

Conduzo muito acima dos limites permitidos sem me preocupar minimamente com isso.

Mal chego à floresta espero pela ambulância que 5 minutos mais tarde. Guio-os por entre as ávores até chegarmos ao sítio onde ela se encontra.

O meu coração quase que para quando a vejo. Ela encontra-se rodeada por uma poça de sangue com um tamanho demasiado grande para ser normal.

Percebo que chegamos demasiado tarde. As lágrimas caiem mesmo sem eu dar por elas e embatem no solo. Não consigo aguentar-me mais tempo em pé e acabo por cair de joelhos no chão duro. Os pais dela quando a vêm caiem abraçados na mesma posição que eu.

P.O.V. Sam

Depois da chamada do Harry fico em casa a olhar para as paredes. Fico assim o que me parecem horas quando recebo um sms do Harry a dizer para ir ter à clareira na floresta.

Corro para lá pois fica perto de minha casa. À entrada da floresta encontra-se uma ambulância, começo a ficar assustada.

Quando chego à clareira vejo os médico a levarem uma maca com um corpo tapado e o Harry e os pais da Emma a falarem com um polícia. Emma...

Não acredito! Ela não pode estar morta! Não é verdade. Começo a chorar e vejo o Harry a correr com lágrimas a cairem-lhe para me abraçar. Ficamos abraçados durante algum tempo, até que um polícia vem falar connosco.

- Boa tarde, são o Harry e a Samantha?

- Sim, porquê? - o Harry responde com uma cara triste mas ao mesmo tempo desconfiada.

- Era para os informar que a menina Emma antes de falecer deixou estas cartas para vós. Samantha, tem aqui mais uma que ela queria que guardasse até a sua irmã Rosie fazer 15 anos. Os meus pesames pela vossa perda e boa tarde. - dito isto o polícia dá-nos as cartas e vira as costas indo embora.

Não sei se consigo ler a carta, mas acho que tenho de saber o que eka me queria dizer.

Ao ler a carta as lágrimas não param de me cair pela cara abaixo. Nunca pensei no que ela poderia estar a sentir, confesso que às vezes ela até me irritava, e agora ela está e a última coisa que lhe fiz foi irritá-la para que ela tivesse a necessidade disto.

Só lhe queria pedir desculpa.

9 anos depois...

P.O.V. Rosie

Hoje é o dia do meu 15° aniversário! Estou bastante ansiosa, mas ao mesmo tempo triste pois a Emma mais uma vez não estará aqui para o celebrar comigo. Durante muito tempo pensei que ela ainda voltasse, mas agora finalmente compreendo que ela não vai voltar, sei agora que ela se suicidou.

Todos os anos perto do meu aniversário me perguntavam o que é que eu queria este ano e todos os anos respondia a mesma coisa.

-Gostava de poder ter a mana de volta.

E mais uma vez todos me respondiam.

-Desculpa Rosie, mas isso não é possivel.

E todos os anos pensava a mesma coisa

"Eu sei, mas eu só gostava de falar com ela mais uma vez"

Este ano finalmente pude ter alguma coisa que me ligasse a ela. Uma carta que ela me escreveu antes de morrer. Os meus pais nunca mais foram os mesmos desde a sua morte, mas eu compreendo-os, eles perderam a filha mais velha. Tenho tantas saudades dela...

Abro a carta e começo a lê-la.

"Querida Rosie,

Minha querida, já estás tão crescida! 15 anos. Wow... Eu sei que quando leres esta carta já não estarei aí contigo, mas fica a saber que sempre te amei muito. Eras uma das poucas pessoas que ainda me prendiam à terra. Mas como sabes não aguentei mais.

A verdade é que neste preciso momento me custa imaginar-te com 15 anos. Quem me dera poder estar aí contigo. Mas não posso por motivos de força maior.

Já deves saber o que me aconteceu. Talvez não to tenham contado e tu o tenhas percebido sozinha. Mas de qualquer dos modos, eu quero explicar-te uma coisa.

Eu sei que estás na fase dos namorados, também a tive, e lembro-me de na altura pensar sempre que o actual era o amor da minha vida. Até a nossa relação acabar. Mas vai chegar um dia que vais conhecer aquela pessoa que te vai fazer sentir de maneira diferente. Vais deixar de estar agarrada à terra por causa da gravidade, mas sim graças a essa pessoa. E quando essa pessoa morrer vais deixar de conseguir voltar a ter um sentido na vida e apenas andarás a vaguear pela terra à procura de um rumo.

Foi isso que me aconteceu. E sendo eu uma fraca como sou. Decidi por fim também à minha vida.

Lembro-me de todos os promenores da tua vida, o dia em que nasceste, a tua primeira palavra (que por acaso foi mana! Fiquei tão feliz!), quando começaste a andar... Tudo! Quem me dera poder ter mais 5 minutos de conversa contigo, mas sei que estes seriam apenas mais 5 minutos de sofrimento para mim.

Eu sei que fui fraca, mas não quero saber.

Estarei sempre a olhar por ti minha pequena, parabéns pelos teus 15 anos. Amo-te muito.

Desculpa.

Emma O'Sullivan

As lágrimas não param de me cair pela cara abaixo. Neste momento só me apetece abraça-la. Mas não é possivel.

Desço as escadas e encontro os meus pais que logo me abraçam

- Vai ficar tudo bem querida. - conforta-me a minha mãe.

- Eu sei. - respondo.

E eu sei que vai fica. A Emma finalmente está feliz.

Fim.

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...