Biology by Vee

Uma fanfic que conta a vida de uma adolescente,que vive uma realidade bem diferente da habitual, uma relação física com dois professores de biologia. "- Quando eu apenas imaginava como seria te ter, você já era meu vício – ele sussurrou, arrepiando meus cabelos da nuca com seu hálito quente – Agora que eu realmente te tenho... Não vou conseguir te tirar da cabeça." A fanfic mostra como é fina a linha entre o ódio, a atração e o amor, te deixando tão 'envolvida' quanto a personagem.

34Likes
24Comentários
11762Views
AA

6. Capítulo 6

Um mês e meio se passou desde a primeira vez em que dormi na casa de Hazza. E a cada vez que eu voltava àquele apartamento, as coisas melhoravam, o que eu achava ser impossível. Nunca pensei que pudesse me sentir tão feliz e completa com alguém como eu me sentia com ele, e eu sorria até nas aulas do Horan, que agora me ignorava total e completamente. Só me dirigia a palavra quando era estritamente necessário falar comigo, e me tratava com indiferença, o que por mim, podia continuar assim pelo resto dos meus dias. 
- Antes do fim da aula, eu quero lhes informar que houve uma pequena mudança quanto a excursão à reserva ambiental de depois de amanhã – Hazza disse, durante os últimos minutos da aula de biologia, sendo fixamente observado por mim, claro – Como vocês já sabem, a reserva fica a algumas horas daqui, então pode ser que a excursão só acabe pouco antes do anoitecer, e como de costume aqui na escola, vocês serão acompanhados por dois professores. 
Como o final do bimestre estava próximo, os professores que já tinham dado todo o conteúdo previsto para aquele espaço de tempo costumavam marcar excursões com as classes, e pedir relatórios ou trabalhos sobre o que aprendíamos no passeio. Eu já estava sabendo dessa excursão, portanto nem me alarmei muito, só não sabia que pequena mudança era essa. E se eu soubesse que a resposta pra esse mistério me renderia maus momentos, preferia continuar não sabendo. 
- Eu e a professora Keaton estávamos escalados para acompanhar a classe de vocês – Hazza prosseguiu, me lançando um breve olhar conformado, que eu devolvi com um pouco de tensão – Mas a diretora resolveu fazer uma pequena alteração. De acordo com a nova escala, eu e a srta. Keaton acompanharemos o primeiro ano na excursão deles, que será amanhã, e quem irá acompanhá-los na excursão de vocês serão os professores Hammings e Horan. 
Acho que é agora que eu rodo a baiana, não é? Que papo é esse de ‘vou com as menininhas putinhas do primeiro ano amanhã enquanto vocês sofrem na mão do pedófilo nojento e sem escrúpulos do Horan’? Se ele achava que eu ia deixar isso passar em branco, estava muitíssimo enganado. 
- Podem ir para o laboratório, até semana que vem e boa excursão – Hazza encerrou, enquanto todos se levantavam com as mochilas nas costas rumo à aula do Horan. Eu arrumava lentamente meu material, de cara fechada, esperando até o último aluno sair e me deixar sozinha com Hazza. Assim que todos haviam saído, ele fechou a porta da sala e já começou a falar: 
- Eu sei que você não gostou da notícia, mas... 
- Mas o que, Hazza? - cortei, inconformada, sem nem me mexer na cadeira enquanto ele se aproximava – Por que você não me contou antes? 
- Eu não pude evitar, só fiquei sabendo disso hoje! – ele explicou, agachando-se à minha frente – Você acha que eu fiquei feliz de não poder mais ir com a sua classe? 
Soltei um suspiro chateado e fechei os olhos. Ele realmente não tinha culpa, dava pra ver que ele estava sendo sincero. Voltei a encará-lo, me imaginando naquela reserva ambiental tendo que respirar o mesmo ar de Niall Horan por mais de uma hora. O pior pesadelo que alguém poderia ter. 
- Me desculpa, acho que eu surtei um pouquinho – murmurei, sorrindo sem graça e colocando as mãos em seus ombros – Mas é que ia ser simplesmente ótimo passar o dia todo com você, e além do mais, você sabe que eu odeio o professor Horan. 
- É, eu já notei essa birra que você tem com ele – Hazza riu, erguendo as sobrancelhas. 
- Essa birra que eu tenho com ele? – repeti, apontando pro meu próprio peito, um tanto incrédula – Ele é que tem birra comigo e não é capaz de me dar uma nota justa pelos meus relatórios, você sabe bem disso! 
- Eu também não entendo, mas não posso me meter no método de correção dele, já te falei milhares de vezes – ele explicou, revirando os olhos – Mas você bem que podia tentar ser gentil com ele... Quem sabe as coisas não melhoram, incluindo a sua nota? 
- Você tá de brincadeira, né? – eu falei, rindo sarcasticamente – Eu ser mais gentil com o Horan? Mas nem morta! Eu me recuso a tratar aquele imbecil como algo mais além de um verme inútil! 
- Você não devia falar essas coisas dele – Hazza retrucou, subitamente sério e parecendo ofendido – O Niall é um dos meus melhores amigos e é um cara muito legal. Não fale do que você não sabe. 
Franzi minha testa, boquiaberta com aquela resposta, e assenti devagar. 
- Acho que se tem alguém aqui que não sabe do que tá falando, esse alguém é você, Harry – murmurei, tentando conter minha raiva só de me lembrar de tudo que o Horan já tinha me feito (ou tentado fazer) de mau – Mas se você quer tanto defender seu amigo, não vou te impedir. Só não venha me dizer que não te avisei. 
- (seu apelido), espera – Hazza pediu, me impedindo de levantar quando eu tentei ficar de pé, já com a mochila sobre um ombro – Não precisa ficar brava, eu não quis te chatear... 
- Me deixa levantar, por favor – pedi, sem olhá-lo, com um sentimento enorme de injustiça dentro de mim. O cara que eu amava defendendo o canalha que vivia atormentando a minha vida e ainda me destratando por causa dele? E o pior de tudo, eu não podia simplesmente chegar contando tudo que o professor Horan já tinha me feito sem ter como provar, Hazza jamais acreditaria. Ele era cego pela imagem de bom moço do amigo, já dava pra perceber isso há um bom tempo. Péssimo, horrível, deplorável, humilhante. 
- Não, eu não vou te deixar ir embora brava comigo desse jeito, não sabendo que amanhã não vou poder te ver! – ele negou, ficando irritado – Pára de ser infantil, (S/N)! 
- Infantil? – perguntei, ainda mais inconformada, sem nem conseguir raciocinar direito – Se eu sou tão infantil, por que quis ficar comigo? Se você não acredita no que eu digo, por que insiste em se desculpar? Se eu só falo mentiras sobre o que eu não sei, me deixa ir embora, afinal, eu tô perdendo a aula do seu tão querido melhor amigo, esqueceu? 
Consegui levantar, apesar dos esforços dele pra que eu ficasse, e sem nem olhar pra trás, deixei a sala de aula, trêmula da cabeça aos pés. Apesar do medo de acabar ferrando tudo com aquela primeira briga, eu me sentia firme, agindo do jeito certo. Hazza não conhecia o amigo que tinha, e depois de tudo que aquele crápula me fez passar, eu não seria capaz de ouvir todos aqueles absurdos calada. Engoli em seco, levando a vontade de chorar e de voltar correndo pros braços de Hazza pro fundo do meu estômago, enquanto caminhava rapidamente em direção ao laboratório. 

- Ih, que cara é essa? – Eleanor perguntou, na hora da saída, quando se sentou ao meu lado na mureta que ficava em frente ao colégio – O Horan aprontou alguma? 
Neguei com a cabeça, encarando o nada com a expressão fechada. Os 50 minutos da aula de laboratório tinham conseguido ser mil vezes mais tranqüilos que os poucos minutos em que eu e Hazza brigamos na aula de teoria, fora meus olhares carregados de ódio pro Horan durante sua explicação. O olhar sério de Hazza me censurando não saía da minha cabeça, e aquele sentimento de injustiça continuava dançando dentro de mim. 
- O que foi então? – ela insistiu, e eu nem precisei responder. Assim que ela terminou de falar, Hazza saiu do colégio, e logo nossos olhares se encontraram. Seus olhos verdes estavam sérios, e eu sustentava seu olhar, igualmente chateada. Hazza só tirou seus olhos dos meus quando foi atravessar a rua, e não ousou olhar na minha direção até arrancar com o carro e deixar a escola. Assim que ele sumiu de vista, abaixei a cabeça e soltei um suspiro triste, de olhos fechados. 
- Acho que já entendi o que aconteceu por aqui – Eleanor murmurou, ainda olhando na direção pra onde Hazza seguiu com o carro – Vocês brigaram. 
Quando abri a boca pra começar a contar, minha mãe chegou pra me levar pra casa. Apenas sorri fraco pra Eleanor, tentando não parecer tão arrasada, e balancei a cabeça negativamente. 
- Depois a gente conversa – murmurei, me despedindo dela e entrando no carro. 

Eu não tenho nada contra excursões escolares. Só odeio o tipo de organização que a minha escola usava. Nem pra ter um pouco de respeito por quem tá estudando nos andares de cima, sabe. A diretora tem que ficar berrando os nomes dos alunos naquele microfone ensurdecedor pra todo mundo ouvir, parece que é uma necessidade vital pra ela. Como se eu me importasse em saber se Colin McPhearson já estava na escola, francamente. Pra ser honesta, eu só me importava com uma coisa. Harry Styles. 
Após um dia inteiro sem conseguir tirar aquele desentendimento da cabeça, refleti muito sobre como devia agir dali em diante. Ele até que podia estar errado, mas não era por maldade. Hazza realmente acreditava que o professor Horan era um cara legal, e eu não duvido nada que ele tenha seus meios de enganar os outros. Tava pra nascer cara mais cafajeste que ele, fato. Soltei um suspiro arrependido, encarando vagamente a janela ao meu lado, de onde eu podia observar o pátio lotado de alunos do primeiro ano. Mal tinha começado a primeira aula e o professor de química já estava escrevendo na lousa, mas eu não me importava com o sr. Brown naquele momento. Outro professor estava prendendo minha atenção, e ele não parecia estar tendo a menor dificuldade em organizar a fila de pirralhos do primeiro ano que logo entrariam num dos enormes ônibus estacionados na frente da escola para passar um dia inteiro em sua companhia na reserva ambiental. 
Continuei observando Hazza lá embaixo, ajudando o último aluno fora de sua fila a achar seu lugar, e assim que terminou, colocou as mãos nos quadris e jogou a cabeça pra trás, encarando o céu nublado. Estava doendo em mim vê-lo pela primeira vez depois da discussão de ontem, e tudo que eu queria fazer era pular por aquela janela e me desculpar por tudo. Mas eu estava presa na aula de química, e ele estava preso àquela excursão idiota. Hazza lentamente se virou até ficar de frente para o prédio de onde eu o olhava, e pra minha surpresa, seus olhos não hesitaram em se cravar na janela da minha classe. A janela por onde ele podia me ver também, mesmo que de uma certa distância. Seu olhar, apesar de distante, conseguiu me deixar pior do que eu já estava. Sua expressão ao me encarar era séria, mas pelo menos ele não parecia tão bravo quanto ontem. Por que eu tinha que deixar meu orgulho ser maior que o que eu sentia por ele? Você gosta de uma idiota, Styles, fato. 
Mais atrás, a srta. Keaton já encaminhava alguns alunos na direção da saída da escola, e pude ver seus lábios chamarem o nome de Hazza. Voltei a encará-lo, me odiando pra sempre, até que ele se virou na direção dela e a ajudou com a organização dos alunos. Merda. Essa piranha ia ter seu dia de sorte hoje, passando o dia todo ao lado de um homem lindo, perfeito e insatisfeito com a garota infantil com quem tinha escolhido se relacionar. Bela oportunidade de tirar uma lasquinha. Fechei meus olhos quando ele sumiu do meu campo de visão, tentando afastar o ciúme que ardia neles, e voltei a me concentrar na matéria de química. 

- Você vai mesmo amanhã? – ouvi Eleanor perguntar, na hora da saída, e assenti devagar, observando os carros que passavam. Não tinha como não encarar o carro vazio de Hazza, estacionado no lugar de sempre, e não querer que ele subitamente saísse da escola, com seu sorriso habitual, e atravessasse a rua naquela direção. 
- Tem certeza de que não vai mesmo poder ir? – suspirei, olhando pra ela com cara de nada – Ter alguém com quem conversar ia me fazer bem... Eu acho. 
- Não, minha mãe não quer que eu vá e acabe sendo atacada por mosquitos do tamanho de azeitonas ou coisas do tipo – Eleanor respondeu, cruzando os braços e revirando os olhos – Você conhece minha mãe, super protetora até a medula. 
Não deu pra não rir um pouquinho com aquele comentário mais do que verdadeiro. A sra. Calder costumava ser bem enérgica quando o assunto era proteger Eleanor. 
- Que exagero, mosquitos do tamanho de azeitonas só existem na África – chutei, com um sorriso fraco no rosto. 
- Eu sei disso, mas minha mãe não sabe – Eleanor resmungou, um pouco irritada – Já tentou dizer isso a ela? Vai entrar por um ouvido, ela até vai fingir pensar no seu caso, e depois vai sair pelo outro lado. 
Ri mais um pouco, e ela logo caiu no riso comigo. Só ela mesmo pra me fazer rir naquele estado deplorável no qual eu me encontrava por dentro. 
- Você falou com o Styles hoje? – ela murmurou, voltando a ficar séria, e senti meu estômago revirar. Eu tinha telefonado pra ela na tarde anterior e tinha contado tudo que tinha acontecido depois da aula de teoria. Eleanor concordou comigo, e disse que eu devia contar tudo que o Horan tinha aprontado, mesmo correndo o risco de Hazza não acreditar em mim. Durante o resto do dia, fiquei pensando no que deveria fazer, e decidi que iria seguir o conselho dela. Só não tive a oportunidade de conversar com ele ainda. 
- Não – respondi, sem olhar pra ela – Ele tá na excursão hoje, lembra? 
- E amanhã é a sua – Eleanor disse, e eu pude sentir seu olhar tristonho sobre mim – Você vai à casa dele nessa sexta? 
- Só vou se ele me chamar – falei, dando de ombros tristemente - Não vou simplesmente aparecer sem ter sido convidada. 
Desde a primeira vez em que fui à casa dele, não tinha deixado de passar as tardes de sexta-feira lá uma vez sequer, nem que fosse pra ajudá-lo com a correção de algumas provas e trabalhos enquanto conversávamos. Talvez essa fosse ser a primeira vez em que não nos veríamos, e era tudo culpa da minha imaturidade. Palmas pra mim. 
- Eu acho que ele vai te chamar sim – Eleanor me encorajou, deitando sua cabeça em meu ombro de um jeito carinhoso e até um pouco engraçado – No mínimo pra vocês se resolverem. 
- Assim espero – sorri fraco, olhando vagamente os carros que passavam pela rua, com o pensamento a algumas horas de distância dali. 

- (S/N) (seu sobrenome)! 
Ergui minha mão assim que a diretora berrou meu nome no microfone, entediada e com todos os tipos de sentimentos negativos em relação àquela excursão idiota. Me senti ainda pior quando o professor Hammings, com sua usual cara de quem tinha estrume de vaca debaixo do nariz, indicou que eu já podia ir para o ônibus com um aceno de mão. Ajeitando minha pequena mochila no ombro, andei vagarosamente até o veículo, como se eu pudesse evitar aquela tortura se andasse devagar. Como eu era tosca algumas vezes. 
- Eu já mandei você escolher um lugar e se sentar, Kelly – ouvi uma voz murmurar assim que me aproximei do ônibus, e quando cheguei à porta, vi o professor Horan e a Smithers conversando a uma distância menor do que a recomendada. E pela cara de dor de barriga dela, o clima não era dos melhores. 
- Tudo bem, professor – ela concordou, me lançando um olhar surpreso, e entrou no ônibus. O professor Horan passou uma mão pelos cabelos, usando sua técnica mais que aprovada de me tratar com indiferença, e eu apenas o ignorei, entrando no ônibus logo depois. 
Me sentei num dos primeiros assentos, evitando me misturar demais com o povo fútil que provavelmente começaria uma bagunça no fundo do ônibus. Peguei meu iPod de dentro da bolsa e coloquei a primeira música mal educada que achei no volume máximo, com uma cara espontânea de poucos amigos. Talvez porque eu realmente não quisesse estar ali, num ônibus cheio de gente que eu odeio, rumo a um lugar distante, cheio de mato, terra e bichos. Talvez porque tudo que eu quisesse era estar com Hazza e resolver as coisas entre nós, pra exterminar o aperto em meu peito que quase me sufocava. 
Não demorou muito e o professor Hammings entrou no ônibus, acompanhado do Horan. Contaram rapidamente o número de pessoas, pra ter certeza de que todos estavam no ônibus, e assim que terminaram, fizeram sinal para que o motorista começasse a dirigir. Tirei um dos fones, entediada, para (infelizmente) ouvir o que o Horan estava dizendo enquanto o veículo andava os primeiros metros em direção à reserva. 
- Tentem não se afastar do grupo, o local é enorme e bastante confuso, portanto todo cuidado é pouco – ele avisou, sério, e eu notei que seus olhos estavam especialmente azuis hoje, talvez porque estivessem realçados pela blusa da mesma cor - Não se distraiam com os animais ou plantas exóticas que virem e prestem atenção nas explicações que os guias lhes darão, informações como aquelas não existem nos livros escolares. Qualquer problema, basta chamar o professor Hammings ou eu. 
Mudo, o sr. Hammings apenas assentiu devagar para todos que o observavam, e os dois professores se encaminharam na direção de seus assentos. Que, por sinal, ficavam bem à minha frente. Eu já devia saber que aquela excursão seria ainda pior do que eu imaginava. 
Coloquei os dois fones, batendo os pés de acordo com a bateria da música, e me contive a observar o céu nublado. Sem ter que aturar ninguém sentado no assento ao meu lado, silenciosamente ocupado pela minha mochila, não demorei muito tempo pra me distrair com os prédios e árvores que passavam rapidamente pela minha janela. Logo meu pensamento voou até Hazza, e me peguei pensando no que ele devia estar fazendo àquela hora. Dando aula, provavelmente. Tentei evitar que minha mente criasse qualquer tipo de imagem da excursão do dia anterior, ou de Hazza sendo consolado pela srta. Keaton, mas foi impossível. Deus, por que raios eu tinha que sentir ciúmes daquela mexerica desbotada? Ela ser bonita, atraente e um pouco viciada demais em testosterona definitivamente não deveriam ser razões preocupantes o suficiente. 
Algum tempo depois, senti uma mão tocar meu ombro devagar, e pulei de susto. Olhei na direção da pessoa, e dei de cara com Niall Horan. Tirei um dos fones contra a minha vontade e esperei ele falar. 
- Trouxe celular, (seu sobrenome)? 
Assenti, sentindo um gostoso perfume masculino invadir meus pulmões, e ignorei o fato de que só podia ser o dele. 
- Pode me passar o número? – ele perguntou, parecendo um pouco decente pela primeira vez na vida - É pro caso de você se perder na reserva. 
- Eu não vou me perder – respondi, sem muita vontade de dar meu número de celular pro Horan – Pode ter certeza. 
- Mesmo assim, são normas da escola – ele insistiu, com um sorrisinho cordial, e eu tive que dar o número. Escolinha chata a minha, pelo amor de Deus. Assim que terminou de gravar meu número em seu celular, ele agradeceu rapidamente e voltou a se sentar ao lado do Hammings. Mas esqueceu de levar uma coisa com ele. A porcaria daquele perfume. 
Odores a parte, continuei a ouvir música e pensar em qualquer coisa que passasse pela minha cabeça (lê-se: Harry Styles) por todo o trajeto. Pouco tempo depois de deixarmos a escola, uma chuva fina começou a cair, explicando o céu nublado que já durava dois dias. E pelas nuvens negras que pairavam mais à frente, o tempo não melhoraria tão cedo. 
- Pessoal, chegamos à reserva ambiental - o professor Horan disse algumas horas depois, enquanto o motorista entrava num grande estacionamento e eu guardava meu iPod na mochila – Antes de sair, peguem as capas de chuva que trouxemos devido ao tempo chuvoso que estava previsto pra hoje. Eu vou distribuí-las na porta do ônibus. 
Legal, ia ter que fazer contato com aquele idiota mais uma vez, e mal tínhamos chegado à reserva. Peguei minha mochila e a coloquei direito nas costas, com uma alça em cada ombro (diferentemente do que eu costumava fazer), já de pé. Esperei até que a aglomeração no corredor do ônibus diminuísse e me encaixei na primeira brecha que encontrei. 
- Capa de chuva, Smithers – ouvi o professor Horan dizer assim que Kelly, que estava bem à minha frente, passou por ele – Não vai querer que as horas arrumando o cabelo sejam em vão, vai? 
Eu sei que o odeio e já cansei de expressar meu desprezo por ele, mas não deu pra não rir daquele comentário. Até que ele era engraçado quando tirava sarro das pessoas certas. E tinha um perfume viciante também. Não que isso importe. 
Ainda rindo disfarçadamente da cara de joelho da Smithers ao pegar sua capa, peguei a minha, dobrada dentro de um pacote plástico, evitando contato visual com o sr. Horan. Uma simples piadinha não o tornaria um cara aceitável no meu conceito. 
Burocracias à parte, logo estávamos dentro da reserva, ridiculamente iguais com nossas capas transparentes debaixo da chuva, que tinha aumentado consideravelmente. Aquele lugar era enorme, fato. Acho que nunca estive num lugar tão cheio de vegetação e terra na vida. O único cheiro que conseguia sentir era o de terra molhada, tão forte que minha cabeça doía um pouco. Um dos guias começou a nos levar reserva adentro, e eu apenas seguia o fluxo, já querendo que aquela excursão terminasse logo. 
- Antes de começarmos a conhecer a reserva, vamos lhes mostrar um pequeno documentário sobre os efeitos do aquecimento global e da exploração prejudicial do homem à natureza, e também algumas medidas quem favorecem o desenvolvimento sustentável – explicou o guia, quando chegamos a uma grande sala onde uma tela de cinema ocupava uma parede que ficava de frente para várias poltronas enfileiradas. 
Eu realmente odiava vídeos assim, todo mundo já estava careca de saber de tudo que passava neles. Com cara de nada, apenas me sentei numa poltrona qualquer, numa das pontas mais próximas da porta de saída. Quanto menos eu tivesse que gastar energia ali, melhor. 
O filme logo começou, e eu nem me dei ao trabalho de ouvir e/ou ver o que estava passando. Cutucando uma pele quase solta e dolorida que estava incomodando o canto da minha unha, esparramada na poltrona e com cara de mau humor, eu esperava ansiosamente até aquela porcaria acabar e podermos finalmente começar a observar as espécies exóticas de plantas e animais que existiam na reserva. Tudo ia relativamente bem, até que eu senti alguém se aproximar de pé ao meu lado. Não precisei nem erguer meu olhar pra saber quem era: o perfume masculino (que não era de se jogar fora mesmo) já denunciava sua identidade. 
- Dá pra parecer menos entediada? – ouvi o sr. Horan cochichar entre dentes, abaixando um pouco seu tronco para ficar com a cabeça mais próxima de mim e se fazer ouvir. Revirei os olhos, de saco cheio, e me virei lentamente pra ele, até encontrar seus olhos. 
- Dá pra fingir que eu não existo? – sussurrei, com uma expressão de desprezo sincera, e pude ouvi-lo suspirar antes de se afastar, em tom de derrota. Isso mesmo, sai de perto. Seu perfume mais do que aceitável não vai me convencer. 
Quinze minutos depois, eu ainda me encontrava naquela mesma posição, com a cabeça apoiada numa mão e quase dormindo. Olhei vagamente pra enorme tela à minha frente, tentando não adormecer, e vendo que não ia agüentar ficar acordada ali por muito mais tempo, resolvi tomar uma atitude drástica. Me levantei sorrateiramente, trazendo minha mochila comigo, e caminhei até o professor Hammings, que estava sentado na primeira fileira ao lado do professor Horan. 
- Professor, posso ir ao banheiro? – falei, baixinho, fazendo cara de cachorrinho sem dono – É urgente. 
- Estamos na metade do documentário, (seu sobrenome) – ele murmurou, com sua habitual expressão afetada – Tem certeza de que precisa ir? 
- É realmente necessário – respondi, ignorando o olhar do sr. Horan praticamente me queimando de tão intenso. O sr. Hammings ergueu uma sobrancelha, pensativo, e logo resmungou, derrotado: 
- Saindo dessa sala, é a primeira porta à direita. 
- Obrigada – sorri, aliviada, e saí de fininho pela porta. A chuva tinha dado uma trégua mínima, deixando apenas uma garoa fina cair, o que já me dava uma certa liberdade pra respirar um pouco de ar fresco sem me molhar. Pelo amor de Deus, nunca mais pretendia voltar àquela reserva se fosse pra assistir a documentários como aquele. Fala sério, até uma criança de cinco anos sabe que a fumaça que sai das chaminés das fábricas prejudica a qualidade do ar. 
Mais entediada do que nunca, peguei meu celular do bolso da mochila pra ver as horas, e meu tédio só aumentou quando vi que ainda faltava muito pra irmos embora. Lógico, sua anta, acabamos de chegar. Aposto que se Hazza tivesse vindo, tudo estaria sendo muito melhor, e eu estaria nas nuvens, sorridente e cheia de paciência pra agüentar qualquer chatice que aquele lugar me proporcionasse. Suspirei tristemente, tão a fim de ir embora que toparia voltar a pé pra casa, e tive uma idéia. Digitei rapidamente o número do celular de Eleanor e apertei o botão para chamar. Uns dois minutinhos de conversa ao telefone com alguém civilizado seria no mínimo revigorante. Assim que ouvi uma gravação da operadora dizendo que meu celular estava sem sinal, quase o deixei cair de susto por causa da segunda voz que surgiu atrás de mim. 
- Não achou o banheiro, (seu sobrenome)? – o sr. Horan perguntou, irônico. Me virei depressa, cancelando a chamada, e logo seus olhos azuis entraram em foco. 
- Que é, tá me seguindo agora? – rosnei, sem a menor paciência, e fazendo um breve silêncio ocupar nossos ouvidos por alguns segundos. 
- Se eu não soubesse dessa sua... Simpatia com professores de biologia, suas respostas atravessadas seriam desanimadoras – ele finalmente respondeu, com um cinismo impressionante no rosto, típico de alguém que sabia demais. Meus olhos se arregalaram um pouco sem que eu percebesse, minha garganta secou, meu coração acelerou, tudo ao mesmo tempo. Ele não sabia. Ele não podia saber. 
- Do que você tá falando? – perguntei, usando toda a minha capacidade de mentir para controlar meus músculos faciais e não me entregar. O professor Horan deu uma risadinha irônica e cruzou os braços. 
- Ah... Você não sabe do que eu tô falando? – ele repetiu, com os olhos cravados nos meus e dando um passo na minha direção – Então bastou uma briguinha pro Hazza ser carta fora do baralho? Rapidinha você, hein. 
Senti uma raiva imensa subir pela minha garganta, por pouco me fazendo voar naquele desgraçado. Merda, ele sabia. Provavelmente Hazza tinha lhe contado tudo, enganado por sua pose de bom moço. Até da nossa briga de dois dias atrás ele já sabia! Respirei fundo, controlando a fúria engasgada em minha garganta, e com a voz firme, retruquei: 
- Me deixa em paz. 
- Parece que agora você sabe bem do que eu tô falando – o sr. Horan sorriu, com um olhar no mínimo divertido – Podemos conversar de igual pra igual. 
- Eu nunca vou ser igual a você – falei, quase esmagando meu celular em minha mão, que agora estava fechada num punho – Preferiria me matar a viver tendo nojo de mim mesma. 
- Não venha se fazer de coitadinha, (seu sobrenome), eu sei muito bem as besteiras que você tem falado sobre mim – ele disse, dando mais um passo na minha direção – O Styles me conta tudo sobre vocês, cada detalhe, cada palavra de cada conversa, e eu não gostei nada de saber que você anda colocando as garrinhas de fora. 
- Garrinhas de fora? Eu? Tem certeza de que essa fala não era pra ser minha? – eu reclamei, inconformada, com a testa franzida e a voz um pouco mais alta – Se alguém aqui anda aprontando alguma, esse alguém é você! 
- Não sei se você sabe, mas é muito feio acusar alguém sem provas – ele falou, com a expressão carregada e um olhar irritado – Então eu acho melhor você ficar quietinha no seu canto se não quiser arcar com as conseqüências. 
- E que conseqüências seriam essas? Por acaso você tem provas contra mim? – perguntei, erguendo as sobrancelhas num tom intimidador, e como ele não disse nada, deixei todo o ódio reprimido transbordar – Na primeira tentativa de aprontar qualquer coisa, Horan, eu simplesmente entro naquela porcaria de diretoria e conto tudo que você já me fez, e que se danem as provas. Acho que a diretora não vai gostar nada de saber das suas estripulias, e aí vai ser a palavra de uma aluna indefesa contra a de um professor com fama de pedófilo. Mesmo que não te expulsem daquela espelunca, sua imagem de bom moço não vai durar muito tempo. 
Niall ficou me encarando por alguns segundos, e eu senti em seu olhar ameaçador que tinha conseguido o que queria: deixá-lo furioso. Após longos segundos com o maxilar tenso, ele finalmente murmurou, cheio de raiva: 
- Pode me ferrar, mas pode ter certeza de que eu levo seu querido Styles comigo. 
Engoli em seco. Não, ele não teria como incriminar Hazza, tomávamos todas as precauções possíveis e imagináveis. Definitivamente ele estava blefando. 
- Sabe o que eu acho? – perguntei, com um sorrisinho debochado e as sobrancelhas erguidas em tom de superioridade – Que você tem inveja do Styles. 
O professor Horan fez cara de incredulidade, como se Hazza fosse um merda, o que só me fez continuar: 
- É isso mesmo, você se morde de inveja dele. E sabe por quê? Porque você nunca foi, não é e nunca vai ser nem metade do homem que ele é. E por ser tão mais homem que você, ele não precisou nem suar pra conseguir a garota que você sempre quis, mas nunca teve decência suficiente pra conseguir. 
Como eu previa, Niall ficou com cara de nada, enquanto eu sorria maleficamente. Ele realmente era um tosco, era fácil demais deixá-lo sem resposta. Pra não ter que ficar aturando aquele bosta nem o documentário insuportável que passava dentro da sala, dei um passo em direção ao banheiro, mas assim que o fiz, senti sua mão firme envolver meu braço e me puxar devagar em sua direção até sua respiração bater em meu ouvido. 
- Você vai se arrepender de ter dito isso. 
Ergui meu olhar até o dele, desdenhosa, e ele me soltou violentamente. Niall deu meia volta e entrou novamente na sala, me deixando trêmula de ódio. Até quando eu teria que agüentar as ameaças daquele idiota? 

Uma da tarde. A chuva tinha apertado ainda mais, e apesar das galochas que o pessoal da reserva tinha nos emprestado, a sensação de meus pés afundando na terra ensopada era a mais nojenta possível. Cada passo exigia um esforço considerável pra não afundar naquela papa marrom na qual o chão tinha se transformado. Quando meu estômago nervoso já começava a dar fracos sinais de fome, os guias nos encaminharam até o grande refeitório que havia na reserva, onde um almoço quase decente nos esperava. Comi um pouquinho de qualquer coisa, só pra não acabar desmaiando naquele chão pastoso, e logo voltamos a explorar aquela selva domada. Tudo que o guia explicava sobre as espécies de plantas e animais que encontrávamos eu já sabia, só nunca tinha visto exemplares vivos de alguns deles, o que não me interessava muito no momento. Por que eu paguei para vir a essa excursão mesmo? Ah, sim, porque um certo professor estava escalado para me acompanhar e eu definitivamente pretendia passar meu dia inteiro com ele, e não com o palerma que o substituiu. Beleza, tudo estava indo de vento em popa na minha vida. 
Enquanto caminhávamos por uma das vias de terra entre as árvores, eu, enjoada de ver tanto verde e marrom ao meu redor, acabei ficando entre as últimas pessoas do grupo, um pouco mais distante do guia e de sua voz irritante. Minha cabeça já estava doendo o suficiente com aquele cheiro insuportavelmente forte de terra e as preocupações que atordoavam minha mente, obrigada. Observando vagamente a vegetação ao meu redor, encontrei um pássaro lindo pousado sobre um galho, e um sorriso fraco surgiu em meu rosto sem que eu percebesse. Suas cores vibrantes não conseguiam camuflá-lo em meio às folhas da árvore onde estava pousado, e apesar da chuva fina, resolvi pegar meu celular na bolsa para fotografá-lo. Como se lesse minha mente, a ave ficou paralisada, e somente após umas três fotos, o animal finalmente levantou vôo. Seria interessante mostrar pra Hazza o quão lindo aquele pássaro era, caso ele não tivesse tido a oportunidade de vê-lo quando veio. Isso se eu voltasse a ter uma relação normal com ele, o que eu pretendia conseguir em breve. 
Quando fui guardar meu celular irritantemente sem sinal num dos bolsos externos da mochila, percebi que meu chaveiro tinha sumido. Quem tinha me dado aquele chaveiro tinha sido minha avó, que já tinha falecido. Era uma bailarina linda com uma perna flexionada, e os pés firmemente curvados, numa ponta perfeita e postura igualmente correta. Aquele chaveiro sempre tinha sido meu xodó, mesmo antes da morte da vovó, e depois mais ainda. Me lembro bem de tê-lo visto quando peguei o celular pra ver as horas no almoço, e agora ele não estava mais lá. Ou seja, eu o tinha perdido pelo caminho. E eu não pretendia ir embora daquela reserva sem ele. 
Dei meia volta, vasculhando aquele chão semi líquido em busca de algo rosa claro, mas não achei nada por perto. Alguns passos depois e ainda assim nada. Olhei pra trás e pude ver o grupo, distante, mas ainda visível, se afastando lentamente. Tranqüila quanto a não me perder, continuei caminhando devagar na direção oposta, preocupada com meu chaveiro, até olhar para trás outra vez um tempinho depois e ver que o grupo tinha sumido. Legal, eles deviam ter virado em alguma curva sem que eu visse. Sem a menor intenção de me perder naquela pseudofloresta, mas sem a menor intenção de deixar meu chaveiro pra trás também, hesitei por alguns segundos antes de voltar a seguir o grupo. Achando-os, seria só uma questão de convencer alguém a me ajudar na busca pelo chaveiro. 
Caminhei rapidamente na direção da minha turma, e logo pude ouvir a voz não muito distante do guia. Virei numa curva um pouco a frente, desatenta por ainda vasculhar o chão, e só deu tempo de frear bruscamente quando vi uma pessoa muito próxima vindo na direção oposta. Caraca, ele realmente estava me perseguindo. 
- Eu falei pra não se afastar do grupo – o professor Horan rosnou entre dentes, recuperando-se rapidamente da quase trombada – Dá pra fazer esse favor? 
- Eu perdi meu chaveiro – falei, encarando minhas galochas sem a mínima intenção de olhar pra ele, a pessoa menos adequada para me ajudar. 
- E eu com isso? – ele perguntou, e eu pude ver aquela típica expressão de deboche em seu rosto – Compra outro. 
- Não dá, tem que ser aquele – exclamei, assim que ele fez menção de me dar as costas e sair andando, e o vi voltar a me encarar, entediado – Tem valor sentimental. 
O sr. Horan virou seu corpo totalmente na minha direção, e apenas me encarou por alguns segundos com os olhos brilhando de desdenho. 
- Mil perdões, eu não sou o Styles – ele sussurrou, cínico – E eu não dou a mínima pros seus sentimentos. 
Ergui meu olhar pra ele, sem saber direito que cara fiz. Só sei que não deve ter sido das melhores, porque um sorrisinho vitorioso surgiu em seu rosto antes que ele se virasse e começasse a caminhar na direção do grupo. Lancei um olhar triste pra trás, tentando me conformar com a perda do chaveiro, e segui a mesma direção que ele, sem ousar olhar na cara daquele cretino. Meu dia estava sendo realmente ótimo. 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...