O homem de meus sonhos

Jasmine é uma garota de dezesseis anos que estranhamente começa a ter sonhos extremamente reais com um homem de feições e comportamentos que ela considera perfeitos. Apaixona-se perdidamente pela fantasia que encontra em seus sonhos e vive, em sua própria mente, uma grande história de amor que, aparentemente, se manteria bem longe da realidade. Mas, com sua mudança de cidade, Jasmine conhece um rapaz de mesma idade com aparência idêntica ao do homem de seus sonhos. Jasmine enlouquece com a possibilidade de viver na vida real um amor como o de seus sonhos só que, infelizmente, o homem da vida real não pensa, nem age como o de sua fantasia. E agora?

19Likes
10Comentários
1022Views
AA

3. O namorado de Melissa

Mel me olhou pelo canto dos olhos. Queria falar-me algo. Queria falar-me algo e não queria que fosse na frente de minha mãe. Tinha olhares fácies de desvendar. Sempre olhava da mesma forma em situações específicas, desde os sete anos de idade quando nos conhecemos. Peguei ela pelo braço, sem muito pensar e comecei a levá-la para o quarto onde poderíamos conversar mais sossegadamente. Antes de sair, olhei para minha mãe e dei uma breve justificativa:

- Vamos por o assunto em dia. Passamos muitos dias sem se ver por causa das férias, sabe como é, né?

E saímos.

No quarto, Mel não demorou a abrir o maior sorriso que eu já vira e contar de seus últimos dias:

- Já que quer por o assunto em dia... Eu descobri o nome dele, Jas. O nome dele é Bruno! - Não é um nome lindo? - colocava uma das mãos no queixo e se mostrava toda sonhadora a respeito do rapaz.

Mel tinha um relacionamento bizarro. Certa vez, um louco começou a importuná-la em anonimato nas redes sociais. Descobriu, provavelmente porque ela passara, todas as suas contas e passou a mandar-lhe diariamente recados com promessas de amor. Nunca até então revelara seu rosto, seu nome ou qualquer informação relevante. Afirmava ser muito tímido para isso. E dizia ter medo de uma rejeição.

A menina parecia não se importar com essa insegurança sobre quem seria o rapaz. Derretia-se a cada jura de amor que ele lhe fazia. E até se comprometera a não nenhum tipo de relacionamento amoroso com ninguém por causa desse moço que, segundo ela, era sua alma gêmea. Falavam em se casar e em como seria o casamento. Falavam até em filhos. 

Mel vivia a repetir que aquela era uma chance única. Que não há mais nenhum homem na face da Terra capaz de ser romântico daquela forma. E eu concordava. Também achava que não havia nenhum homem na face da Terra assim, nem mesmo ele. Particularmente, eu acreditava que Mel estava sendo enganada por alguém com muito tempo de sobra e pouca ideia de divertimento. 

- Mel, ele te adicionou no perfil verdadeiro dele? - falei meio cética. 

- Não... Só me contou o nome. Ainda não vi a foto. Mas ele disse que logo me manda. Falou que não tem nenhuma boa o suficiente... Disse que está feio nas fotos que ele tem. Eu falei que não acreditava. Disse que ele devia ser lindo de todos os jeitos. - fez uma pausa - Ai, Jas, vou sentir falta dessas nossas conversas! Você sabe que é só com você que eu consigo contar do Bruno assim, né? A Jack só sabe repetir que esse cara não existe e falar coisas ruins sobre ele. Daí não consigo nem pensar em desabafar. 

- Sabe que a Jack só tem muito medo que você se machuque com essa história... e sabe que eu também tenho, né? Ela tem o jeito dela, meio impulsiva e não pensa duas vezes antes de falar as coisas, mas só está querendo te proteger. A gente enxerga que você está muito apaixonada por ele. E nem temos como colocá-lo contra a parede e torturá-lo até que ele confesse quais as verdadeiras intenções dele com você, entende? 

- Não tem por quê pensar nisso. Bruno é um fofo! Nunca me machucaria. Eu sei disso. Conheço ele muito melhor do que conheço muita gente que já vi o rosto. Sei que posso confiar nele e me jogaria de um penhasco caso ele me garantisse que é seguro. Vocês são muito assustadas. 

- Você viu o que acabou de dizer? Não quero saber da senhorita se jogando do penhasco coisa nenhuma! 

Deu risada. Disse que era só força de expressão. A conversa foi longe. Íamos e voltávamos entre os assuntos. Falávamos sobre a distância que teria entre a gente logo mais. Combinávamos de ir à praia. Bolávamos nossas visitas. Falávamos mais um pouco de Bruno. Em pouco tempo, hora do almoço. 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...