O Preço Que Se Paga

O que você faria se descobrisse que a sua vida não é como pensa? Que as pessoas que ama são mentirosas? Any percebe que a sua vida nunca foi real e tudo aquilo que ela acreditava simplesmente não existe. Quando ela acha que tudo está perdido, conhece Jack, um misterioso porém lindo menino que ajudará a encontrar as respostas, más será que ele esta lá por acaso ou para piorar a sua vida?

6Likes
6Comentários
553Views
AA

9. O melhor amigo

Any pegou o elevador sem entender muito bem o que tinha acontecido, o que teria de errado com ela pra ele ficar assim? Não, não poderia ser algo de errado com ela, teria de ser com ele, ele que mandou ela embora depois de tê-la beijado, não conseguiria ter qualquer envolvimento com Jack depois disso, a resposta mais razoável que ela teria para esse tratamento era ser louco. Avistou o carro de Rob parado a alguns metros e correu para o encontro do amigo e entrou no carro.

-Oi minha gatinha -disse cumprimentando Any.

-Oi -Any respondeu sem muita emoção.

-O que aconteceu? -como Any não respondeu Rob decidiu ser mais persuasivo -Você sabe que eu faria tudo por você né? Não gosto de te ver com esse rostinho triste. 

-Por que você me deixou com ele? -Any sentiu uma vontade de descontar tudo que passou em Rob, mesmo sabendo que não era culpa dele -Esse cara é louco e você me abandonou com ele ele......

-Ele? -Rob parecia achar divertida a situação -Deixa eu adivinhar, hum, vocês ficaram? 

Any ficou de boca aberta, não conseguiu evitar, como ele saberia? Estava tão estampado em seu rosto para ser visto tão facilmente.

-Fofa não me olhe assim, você nunca resistiu a um rostinho bonito.

-Posso ir para sua casa? -pediu Any

-Claro, eu nunca consegui te negar nada, não é mesmo -disse dando uma piscadela.

O percurso até a casa de Rob foi em silêncio, ele percebeu que Any não estava afim de conversar e respeitou isso. Any poderia ter imaginado ter alguma coisa com Jack, essa seria sua saída de Cristopher, sua saída para algo novo, por alguns segundos enquanto estavam juntos pode se deixar pensar viver isso, mas com Jack todos os momentos passavam muito rápido e a cada instante ela teria que esperar uma reação nova, não saberia se iria ser boa ou não e também tinha o que seu pai escondia, o que quer que seja Any iria descobrir, estava determinada a isso, o que ela nunca admitiu foram mentiras, avistou a casa de Rob em frente, desde quando passou a frequentar era o lugar aonde se sentia melhor no mundo inteiro, achava que era por ser simples e tão bem arrumada ou poderia simplesmente pela mãe de Rob ser tão prestativa, jamais se esqueceria de quando seu pai deixou ele a mãe sozinhos e ela nem trabalhava, Sellie arrumou um trabalho para ela na empresa de Carlos e tudo foi ficando bem, Simone sempre foi grata pelo o que a família Kingles fez para ajudar.

-No que você está pensando? -perguntando Rob abrindo a porta do carro para Any.

-Em como eu amo a sua mãe -disse num sorriso.

-Se ficar até um pouco antes do jantar vai vê-la -falou Rob.

-Vou ficar até ela chegar -afirmou Any -Você sabe como meu pai é em jantar todos juntos e ontem eu dormi antes, aposto que ele não está muito feliz com isso.

-Aposto que sim -Rob disse. Any entrou na casa e reconheceu o cheiro de imediato, era uma casa rústica porém muito aconchegante. Ela tinha lembranças felizes de cada parte daquela casa. Rob acompanhou Any até seu quarto - Me conte tudo o que aconteceu com você e o boy na casa dele e o fato de vocês não terem ido pra escola, quando eu combinei com ele o trato era ele te levar pra escola não pro apartamento dele, ele é rápido -Rob disse a última parte sem nenhuma sutileza.

-Não aconteceu nada demais -tentou explicar Any, mais percebeu que o amigo não acreditou -Talvez tenha acontecido algo, mas não tem importância, Jack não é o tipo de cara que devo me relacionar e eu também tenho namorado. 

Rob fez uma careta.

-Nossa me desculpe -disse revirando o olho - Você e Cristopher realmente tem um super relacionamento.

-Pode não ser, mas mesmo assim eu não posso fazer o que ele fez comigo, além de não ser certo não sou assim e você sabe disso -afirmou Any.

-Claro que sei, mas se fosse mulher e bonita como você já teria agarrado aquele homem -falou com certa malícia. 

-Desde quando você se tornou tão fã de Jack? -Any perguntou curiosa, realmente queria saber, pelo o que sabia ele e Rob nem deveriam se conhecer.

-Desde que ele me ligou hoje de manhã falando que queria se desculpar pelo o que aconteceu ontem e que se arrependia -Rob falou num tom dramático querendo enfatizar a situação - E perguntou se poderia te levar pro colégio, eu como um ótimo amigo deixei, quem em sã consciência iria se negar uma volta com aquela coisinha linda?

Any ficou de boca aberta, ele não se desculpou com ela, ele simplesmente a beijou e depois a expulsou de sua casa, sabia desde o começo que ele não era uma pessoa de se relacionar, eles não se relacionaram, foi só um beijo, pelo menos era assim ela que teria que pensar.

-Então o que aconteceu com vocês que não foram para o colégio? -Any sabia que aquela pergunta parecia inofensiva e sem importancia alguma, mas para Rob tudo importava. 

-Nos estávamos indo, mais isso aconteceu -falou levantando a calça e mostrando o machucado, Rob olhou espantado, com certeza não era isso que ele pensava que aconteceria a deixar sua melhor amiga com Jack, mas para a surpresa de Any seus olhos se tornaram puro divertimento.

-Esse homem é selvagem -disse entre gargalhadas. 

-Não é nada disso, eu só me machuquei, ele cuidou de mim e  podemos mudar de assunto? -Any não aguentava mais falar de Jack, seu coração pulsava e só conhecia esse menino de humor estranho a um dia, imagina o efeito que ele teria sobre ela em um mês? Teria que mudar isso -Por favor.

-Claro Ny -sem esperar pela reação da amiga a puxou para a cama e deitou com os braços em volta dela, como faziam quando eram pequenos, Any sempre se sentia bem perto do amigo ainda mais quando sentia que ele realmente se esforçava para faze-la se sentir feliz. O restante da tarde passou rápido que nem perceberam somente quando somente quando Simone abriu a porta para cumprimentar os dois.

-Olá Any -disse com olhos alegres, como sempre estavam quando via a menina.

-Olá -respondeu com um cumprimento de cabeça, Simone está bem vestida, como sempre voltava depois de um dia de trabalho calça preta e um terninho.

-Vai ficar para o jantar? -perguntou com uma tom divertido, era igual ao de Rob, divertimento sem motivo.

-Na verdade eu só vim para ver a senhora -falou já levantando da cama -Tenho que ir jantar com a família.

-Então volte no fim de semana? Faz tempo que não colocamos a conversa em dia. 

-Claro -respondeu espontânea, realmente adorava passar os fins de semana com Rob e ela, era sempre uma novidade.

-Rob leve-a é perigoso uma mocinha sozinha -disse num tom de autoridade. Rob nem respondeu, deu um beijo no rosto da mãe e conduziu Any pelos ombros que deu um abraço em Simone e foi embora.

-Não sei como ela consegue ter tão legal com você e durona comigo, talvez minha mãe tenha uma personalidade dupla -falou sarcástico.

-Talvez -falou entrando no carro.

-Você sabe que tem que vir mais em casa né? Quando não está ela só fala de você, chega a ser chato -contava Rob - Ela faz um bolo ou uma torta que você gosta e diz que ainda vai te ensinar a faze-las, acho que você é a filha que ela nunca teve, você pode achar fofo, eu acho irritante.

-Eu adoro a sua mãe e você sabe disso -respondeu.

-Eu sei mesmo -falou com orgulho -E por isso você tem que vir mais aqui, ai me priva de ter de ouvi-la falando tanto de você.

Any não respondeu, achava graça de Rob reclamar tanto de algo que não deveria ser nada de mais ainda mais para alguém que nunca reclamava.

-Seu carro está parado na garagem -disse entrando na rua de Any - Qualquer coisa me ligue, estou disponível toda a madrugada, posso não ser completamente homem mais posso ser útil -terminou com uma piscadinha.

-Vou pensar sobre isso -respondeu rindo saindo do carro, ela sempre soube que poderia contar com Rob mas as piadas sacanas dele sempre iriam faze-la rir, não imaginaria Rob dando em cima dela, era além do surreal, abriu a porta de sua casa e estava tudo acesso, deixou o casaco no cabideiro e seguiu rumo a sala de jantar de cabeça baixa, a essa hora deveria estar começando e não queria reclamações sobre chegar tarde, estava com um cheiro ótimo, levantou a cabeça e se deparou com enormes olhos pretos a encarando, congelou seus pés no lugar, o que ele estava fazendo ali? Não era pra Cristopher estar sentado na sua mesa de jantar.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Join MovellasFind out what all the buzz is about. Join now to start sharing your creativity and passion
Loading ...